WARSHIPPER e seu álbum insano: “Worshippers of Doom”

Em 2014, o WARSHIPPER lançou seu disco de estreia intitulado “Worshippers of Doom”. Do estilo mais puro de Death Metal, ou seja, brutal, insano, devastador, matador, entre outras características extremas, podemos classificar esse álbum impressionante.

Características primordiais do Death Metal, encontramos todas aqui: vocais guturais rasgados e graves, andamentos ultra velozes das guitarras e do baixo, riffs bem cadenciados, brutais e extremos, bateria em suas ótimas variações no famoso estilo “blast beats”, que sem dúvidas, dá a alma no Death Metal e deu a alma nesse disco.

Todas as faixas são de ótimas composições e num ritmo bem cadenciados. Além disso, merece destacar os integrantes da banda, que fizeram ótimos trabalhos apreciativos e de grandes habilidades.

Começando o álbum com a “Into the Dystopia”, uma breve introdução prevendo o que está por vir. Nela, escutamos barulhos de guerra e de fundo, um som extremo de guitarra distorcida. Para depois entrar a “Warshipper”, com direito a guitarras ultra carregadas num ritmo feroz, bateria em andamento acelerado, vocais brutais e potentes. Uma música dando a impressão que estamos presenciando uma guerra.

“…And the Darkness Calls”, vem em seguida e novamente contanto com andamentos rápidos, vocais agressivos e uma bateria veloz. Uma música apreciável acompanhado por melodias bem compostas.

“Theatrical Dissection” vem numa pegada insana introduzindo com um baixo grave e uma guitarra potente. Um vocal mais agressivo devido a um gutural grave. Uma faixa mais brutal, rápida e violenta. Para deixar os apreciadores do gênero bater cabeça até quebrarem o pescoço.

“Autumn Mist” é uma outra introdução para a faixa seguinte, “Paranormal Connection” já começando com bons “blast beats” que nos faz apreciar a música logo de cara. Bons fraseados nas guitarras assim como nas anteriores, com riffs bem cadenciados e num ritmo veloz. E como sempre, para não perder o costume, ótimos vocais devastadores e extremos.

“Absence of Colors – The Osbolete” introduz com um riff agradável na guitarra numa qualidade baixa. Para depois entrar numa insanidade extrema e cabulosa. Novamente bons fraseados na guitarra e vocais guturais impressionantes soltando toda a brutalidade e com um refrão aniquilador.

“Absence of Colors – Blackened” é basicamente a mesma música que a faixa anterior que é de mesmo nome, porém, com as algumas mudanças nos arranjos, tornando ela numa pegada ao Black Metal.

“Worshippers of Doom” é de surpreender os admiradores de Death Metal. A potencialidade e disposição dos integrantes em fazer um disco desse, é para se impressionar e admirar a capacidade da banda no estilo. Um excelente álbum de Death Metal que merece ser escutado por todos que são fãs da música extrema. Excelente recomendação.

Faixas:

1. Into the Dystopia
2. Warshipper
3. … And the Darkness Calls
4. Theatrical Dissection
5. Autumn Mist
6. Paranormal Connection
7. Absence of Colors – The Osbolete
8. Absence of Colors – Blackened Version

Line-up:

Renan Roveran – Vocais e Guitarra
Rodolfo Nekathor – Baixo e Vocais
Rafael Oliveira – Guitarra
Roger Costa – Bateria

Nota: 9,0

giancarlo

giancarlo

Redator em Imprensa do Rock
Cursando Rádio e TV, apaixonado por música e cinema.
giancarlo