SHOW SUM 41 SP: A nostalgia de um Underground que nunca deveria ter saído de cena!

Os canadenses do Sum 41 finalmente vieram ao Brasil depois de longos 15 anos de espera. O show aconteceu nesta quinta-feira, dia 8 de dezembro, no espaço Tropical Butantã em São Paulo, segundo show da banda no país, que esteve em Porto Alegre na quarta, dia 7. O grupo está em turnê para divulgar o novo álbum “13 Voices”, seu sexto álbum de estúdio. A banda se formou em 1996, mas atingiu o ápice em 2001 com a música “Fatlip” do glorioso álbum “All Killer No Filler”.

Esta edição especial da HonorSound contou com três bandas de abertura antes do tão aguardado show do Sum 41. A primeira banda a se apresentar foi a Back Drop Falls, de Fortaleza, que mandou bem com seu repertório pouco conhecido, mas de muito potencial.

Show: Back Drop Falls

A segunda banda foi a La Raza, uma mistura, muito bem-feita, de Charlie Brown Jr. com os caras do Limp Bizkit, com letras politizadas e muita atitude.

Show: La Raza

As duas bandas fizeram bons shows e agradou a galera, mas foi quando os garotos da Strike entraram, terceira e última banda, que vimos um público realmente animado. Todas as músicas eram cantadas em coro com aquele sentimento de nostalgia! A banda apostou em tocar seus maiores hits e até se juntaram com os caras da La raza para fazer uma bela homenagem ao Charlie Brown Jr., o resultado não tinha como ser outro: um sucesso total!

Show: Strike

Com poucos minutos de atraso o Sum 41 entrou no palco com a matadora “The Hell Song”, agitando todos que estavam no local. O vocalista Deryck Whibley, a lá Sid Vicious, interagia a todo momento com o público e com seus companheiros de banda. Era possível sentir a sua energia de longe, ele parecia estar em êxtase por estar ali. É bom lembrar que os últimos anos não foram nada fácil para o cantor canadense. Em 2014 ele passou por problemas graves de saúde devido ao consumo abusivo de álcool do seus 17 aos 34 anos. Ficou em coma por três dias, com problemas nos fígados e no rim. Para se ter ideia demorou um ano apenas para que ele pudesse voltar a andar. Além do talento nato e presença brutal de palco, é nítido que Deryck está comemorando sua volta por cima, em grande estilo, é claro! Não é à toa que o palco ficou pequeno para ele!

Com uma energia contagiante que há anos não via, a banda fez um show memorável, com direito a uma pala de “Paranoid” do Black Sabbath iniciada pelo guitarrista Dave Baksh, e uma versão autentica de “We Will Rock You” do Queen. Os hits da banda não ficaram de fora, “Motivation”, “Still Waiting”, “Into Deep”, “Pieces” e “Fatlip” foram cantadas em coro por todos, fez o público delirar e, claro, registrar o momento com seus smarthphones!

Um momento marcante do show foi quando a banda fez uma pausa para tocar as três últimas músicas, o público ecoava “Vai Chape” numa singela homenagem dos rockers as vítimas da tragédia ocorrida com o avião da equipe do Chapecoense no dia 29 de novembro deste ano. Foi de arrepiar!

Sem dúvida alguma Deryck foi o maior destaque do show, sua performance deve ser considerada como a de um ícone punk. A banda é representante do punk pop, ou como se dizia em meados de 2000, o contagioso e raivoso punk-pirulito, movimento criticado por muitos, mas que abraçou toda uma geração que sofria com a escassez de músicas de atitude na época.

Foram 22 músicas que superaram as expectativas de qualquer um, até mesmo para aqueles que foram conhecendo apenas os hits da banda! Um show para se lembrar!

VEREDITO: O Sum 41 é uma banda grande que definitivamente perpetua a essência do underground, cena de extrema importância para o cenário do Rock. Infelizmente, este movimento não se é mais vivido com tanta intensidade como no início dos anos 2000, mas é ótimo ver que bandas deste porte e festivais ainda façam shows nesse estilo e influenciem milhares de jovens por aí. Show impecável, e nostálgico para aqueles que viveram essa cena de perto. Vale a pena conferir numa próxima? – Sem pensar duas vezes!

Show: Sum 41

Set List:

  1. The Hell Song
  2. Over My Head (Better Off Dead)
  3. Fake My Own Death
  4. Goddamn I’m Dead Again
  5. Underclass Hero
  6. Screaming Bloody Murder
  7. There Will Be Blood
  8. War
  9. Motivation (With 88 outro)
  10. Grab The Devil By The Horns And Fuck Him Up The Ass

(Black Sabbath’s Paranoid riff played before)

  1. We’re All to Blame
  2. Walking Disaster
  3. With Me
  4. God Save Us All (Death to POP)
  5. Drum Solo

Intermission (Intro (from Chuck album))

  1. No Reason
  2. We Will Rock You (Queencover)
  3. Still Waiting
  4. In Too Deep

Bis:

  1. Pieces (The White Stripes’ Seven… more)
  2. Makes No Difference
  3. Fat Lip

 

Sum 41 é:

Deryck Whibley – vocal e guitarra

Jason McCaslin – baixo e vocal

Tom Thacker – guitarra, teclado e vocal

Frank Zummo – bateria e percussão

Dave Baksh – guitarra e vocal

 

Mônica Dias

Mônica Dias

Estudante de comunicação, apaixonada por Música e Cinema. Acha que o Rock pode mudar o mundo e salvar uma geração inteira. Prazer, sejam bem-vindos! 😉
Mônica Dias