Pain of Salvation: Hellion Records lançará novo álbum “In the Passing Light of Day” em digipack de luxo exclusivo para o Brasil

A lendária banda sueca de metal progressivo Pain of Salvation

Está se preparando para lançar seu novo e aguardado álbum “In the Passing Light of Day” no dia 13 de janeiro de 2017. O álbum será lançado no Brasil pela Hellion Records em versão digipack exclusiva e com tiragem limitada a 1000 cópias, numa demonstração de respeito da gravadora e da banda para com os fãs brasileiros.

Retornando para o seu elogiado som mais pesado e progressivo, o Pain of Salvation mais uma vez está pronto para abalar o mundo do progressivo com ritmos sincopados, melodias gloriosas e temas intensamente pessoais. Certamente, a questão na mente de milhares de fãs agora é se a banda pode continuar a defender sua reputação como inovadores e pioneiros em algumas das músicas mais originais já compostas em toda a história.

Grupo que tem sido diferente dos outros grupos desde sua origem. “Eu queria um nome que significasse algo, um nome que fosse mais que uma expressão legal. Para mim, Pain of Salvation tem o significado de equilíbrio” – As palavras de Daniel Gildenlöw são verdadeiras para mais do que apenas o nome desta renomada banda de metal progressivo.

Pain of Salvation sempre foi mais do que apenas música

Mais do que apenas o prazer do ritmo e groove. Sua música sempre foi mais sobre experiências humanas cruas, rebitando histórias tumultuosas e sombras do bem e do mal. Essas coisas são encobertas em polirritmos escuros e progressivos e sincopações desafiadoras, teclas brilhantemente escurecidas, músculos percussivos e estruturas de álbuns conceituais. A banda tem um som que é completamente e exclusivamente o seu próprio som; uma receita que é reconhecível desde a primeira nota: uma grande porção de metal enigmático, um lado alternativo, um traço ou dois de rock progressivo e letras que rasgam o coração de seu peito.

Fundada em 1984 pelo único membro original restante, Daniel Gildenlöw (vocal principal, guitarra principal), a banda é conhecida como uma das bandas mais importantes no ressurgimento da música progressiva. Com incrível musicalidade, uma grande variedade de influências e uma abordagem poeticamente escura, tem uma reputação de ser imprevisível, fora da caixa, e dispostos a experimentar com estilos, e possivelmente até mesmo os corações dos fãs. Tendo passado por algumas mudanças de line-up ao longo dos anos, nos últimos 4 anos a banda é composta por Ragnar Zolberg (guitarra, vocais), Léo Margarit (bateria, vocais), Daniel Karlsson (teclados, vocais) e Gustaf Hielm (baixo, vocais).
Todo lançamento da banda seguiu a mesma filosofia como seu nome: equilíbrio filosófico e experiência humana. O primeiro álbum de estúdio da banda “Entropia” foi lançado em 1997 e teve grande sucesso, mas o segundo álbum “One Hour by the Concrete Lake” em 1998 foi o disco que realmente atraiu a atenção da comunidade de metal progressivo.

Agora a banda está se preparando para revelar seu próximo álbum “In the Passing Light of Day”

Para o mundo em janeiro de 2017, e sua criação e atmosfera está inextricavelmente ligada à doença quase fatal que Daniel passou grande parte do primeiro semestre de 2014 em recuperação. Ele comenta: “Eu vim para a recuperação com a primeira neve, e quando eu saí era quase verão. Quando eu saí, eu tinha que aprender a andar escadas. Entendi, no entanto, aprender que preciso para passar mais tempo com minha família. Eu não aprendi que eu deveria gastar menos tempo da minha vida preocupado e estressado. Eu aprendi que a vida é preciosa e cada segundo dela. Não, eu não aprendi essas coisas – simplesmente porque eu já as conhecia de cor. Todos nós fazemos. Nossas prioridades não mudam em face da morte, elas apenas se intensificam. Ficamos lembrados deles. De repente, dolorosamente, honestamente, lembramo-nos de como viver”.

Como resultado, o novo álbum de estúdio, que foi produzido por Daniel Bergstrand (In Flames, Meshuggah, Devin Townsend) no Dugout Studio e co-produzido por Daniel Gildenlöw e Ragnar Zolberg, é uma jornada completamente mais escura e apaixonada, e certamente uma das coleções mais ferozes de canções que nasceram no Pain of Salvation até hoje. Tomando a cama do hospital como um cubo narrativo, os temas líricos e musicais tocam em todos os sentimentos conflitantes que percorrem a mente de uma pessoa quando apresentado com a perspectiva da morte e do passar da vida.

Daniel continua: “O que começou como uma infecção irritante, em poucas horas, de repente girou para a possibilidade muito real de minha morte real. Isso não quer dizer, entretanto, que todo esse registro apresenta é a escuridão. Este álbum também mostra a beleza da transição, do inevitável. E da esperança de um amanhã, a esperança de mudança, não importa o quão frágil e ingênuo que a esperança pode ser”.

Nos últimos anos desde ‘Road Salt Two’, os fãs esperam por um novo Pain of Salvation, mas sua perseverança, bem como a de Daniel e sua banda, foi recompensada com um dos álbuns mais impressionantes de sua carreira.

Pain of Salvation – “In the Passing Light of Day” (71:51)

Tracklisting:

1. On a Tuesday (10:22)
2. Tongue of God (04:53)
3. Meaningless (04:47)
4. Silent Gold (03:23)
5. Full Throttle Tribe (09:05)
6. Reasons (04:45)
7. Angels of Broken Things (06:24)
8. The Taming of a Beast (06:33)
9. If This Is the End (06:03)
10. The Passing Light of Day (15:31)

 

Line-Up:

Daniel Gildenlöw – vocal e guitarras
Ragnar Zolberg – guitarras e vocal
Daniel D2 Karlsson – teclados e piano
Gustaf Hielm – baixo e vocal
Léo Margarit – bateria e backing vocals

 

Mais informações:

www.painofsalvation.com
www.facebook.com/painofsalvation
www.twitter.com/thebestofpain

Paula Alecio

Paula Alecio

Diretora, redatora e Apresentadora do Unimetal em Imprensa do Rock
Paula Alecio