Venom @ Carioca Club – São Paulo/SP (22/10/2017)

Quem compareceu no dia 22 de outubro de 2017 no Carioca Club em São Paulo, simplesmente presenciou uma noite histórica, fascinante e extremamente apreciável aos bons ouvintes da música extrema.

Duas bandas consagradas do cenário se apresentaram na mesma noite. Vulcano, uma das bandas mais representativas do metal nacional e VENOM um dos principais nomes do black metal mundial. E a melhor parte disso, é que esse encontro histórico, já tinha acontecido a uns 30 anos atrás e dessa vez, muitos que não presenciaram na época, tiveram o privilégio de presenciá-lo nesse dia.

Vulcano

Formada atualmente por Zhema Rodero (guitarra) o único membro original da banda, Arthur Von Barbarian (bateria), Luiz Carlos Louzada (vocal), Carlos Diaz (baixo) e Gerson Fajardo (guitarra), o Vulcano sempre nos agrada em suas apresentações. Graças aos seus integrantes bem capacitados e suas excelentes composições pesadas, rápidas e demoníacas, mostraram que ainda estão na ativa e permanecendo os seus mais puros talentos.

Com muitas vibrações do público, o Vulcano sobe ao palco e quando o vocalista Luiz Carlos Louzada falou: “Os portais do inferno se abrem!”. Começaram a insanidade pura com a excelente “Witche’s Sabbath”. Quando o Luiz falou: “Dessa vez a gente optou em não tocar nada muito recente, vamos ficar nos anos 80. Acredito que todo mundo conheça Bloody Vengeance”. E veio “Dominios of Death”, faixa que inicia o clássico álbum de 1986. Continuando na ordem do álbum, executaram “Spirits of Evil” e “Ready to Explode”.

“Acho melhor a gente tocar o Bloody Vengeance inteiro né!” falou o Luiz em ver a empolgação da galera. Desse modo, tocaram “Holocaust” e “Incubus”. “A próxima música, dedicamos a todos que vivem o verdadeiro underground”, falou o Luiz antes de executarem “Death Metal”. Em seguida, o Luiz interagiu novamente com o público, mas dessa vez, foi mais do que especial o que ele disse, “Há 31 anos atrás, o Vulcano tocou aqui em São Paulo junto com o Venom, acredito que muita gente nasceu depois, mas para quem estava nesse show, quero chamar o cara que também fez parte desse evento, ele vai cantar uma música com a gente agora, Angel!” o Louzada chamou o Angel, ex-vocalista do Vulcano da formação original da banda, para o palco e executaram o clássico “Bloody Vengeance”, última faixa do clássico disco que estavam executando na íntegra. Executando a música da melhor maneira com perfeição, foi um acontecimento histórico da noite que agradou a todos que estavam presentes.

Com a anunciação dos versos “Vocês são o quinto cavaleiro do apocalipse. Empunho em minhas mãos, uma espada forjada em aço e fogo. Ergam suas cabeças para que eu possa decepá-las. Eu preciso de vossas almas para meu pacto com satã pagar, e de vosso sangue para eterno continuar. Pois está tudo perto da total… destruição!”. Clássico absoluto da banda que deixou a apresentação ainda mais brutal e memorável. E para encerrar, “Guerreiros de Satã”, outro clássico absoluto da banda, foi executado numa potência impetuosa e com uma perfeição, para finalizar essa inesquecível apresentação do Vulcano na noite.

Grandes destaques ao membro original Zhema Rodero, sempre envolvente com seus riffs intensos e solos bem aplicados. E ao baterista Arthur Von Barbarian que fez incendiar o instrumento com seus poderosos e acelerados “blast beats”. Sem contar que às vezes, usava as baquetas para fazer o sinal de uma cruz invertida e usando-as na cabeça como se fossem chifres de Satã.

Sem deixar para trás, o vocalista Luiz Carlos Louzada fez ótimos desempenhos em seus vocais agressivos e infernais, executando cada música com perfeição. E foi bastante interativo e simpático com o público. E os integrantes Carlos Diaz e Gerson Fajardo, dividindo os riffs e solos com o Zhema Rodero, fizeram ótimos trabalhos e mostraram, o porquê deles estarem na banda.

Com uma duração rápida da apresentação do Vulcano e com o carioca praticamente tomado, foi um show super agradável aos bons fãs da música extrema. Um repertório focado apenas nos maiores clássicos da banda, foi mais uma ótima apresentação de uma ótima banda brasileira que permanece totalmente na ativa ao cenário e sendo uma das mais representativas e respeitosas do metal nacional e do metal mundial.

Setlist:

1. Witche’s Sabbath
2. Dominios of Death
3. Spirits of Evil
4. Ready to Explode
5. Holocaust
6. Incubus
7. Death Metal
8. Bloody Vengeance
9. Total Destruição
10. Guerreiros de Satã

Line-up:

Zhema Rodero — Guitarra
Arthur Von Barbarian — Bateria
Luiz Carlos Louzada — Vocal
Carlos Diaz — Baixo
Gerson Fajardo — Guitarra

Venom

Como o Louzada tinha falado no começo do show do Vulcano: “Os portais do inferno se abrem”. E com isso, os portais deram continuidade com a tão esperada apresentação do VENOM. Com o carioca club lotado, Cronos (vocal e baixo), La Rage (guitarra) e Dante (bateria), subiram no palco pontualmente as 20:30.

Depois de ouvir a intro mecânica, o trio sobe ao palco e já devastando com a “Long Haired Punks”, música do mais recente álbum “From the Very Depths” (2015). O público super empolgado e vibrando o tempo todo, a apresentação deu continuidade com “The Death of Rock ‘n’ Roll”, outra faixa do disco de 2015. A clássica “Bloodlust” veio na sequência. Nesse começo da apresentação, o desempenho dos integrantes, estava cada vez melhores e sempre cativando o público. Seja pelos vocais potentes do Cronos, pelos riffs e solos do guitarrista La Rage, o Dante e sua potência elevada na bateria, pelos grandes desempenhos das composições efetuadas, enfim, o show já estava um espetáculo extremamente agradável, prazeroso e de qualidade.

“Pedal to the Metal” e “Grinding Teeth” foram as próximas. Outras duas músicas mais recentes dos últimos lançamentos da banda. Bem potencializadas e bem executadas. Depois, foi a vez de executarem clássicos da história da banda, estou falando de “Buried Alive”, cantada numa potência absurda, a galera cantando junto os versos e refrões, e claro, os instrumentos naquela intensidade elevada, foi um momento de extremo prazer em presenciar um clássico como esse, que marcou a história do metal. Aproveitaram e emendaram mais duas músicas, formando um “medley” com “Pandemonium” e “The Evil One”. Aproveitou o final para fazer uma breve apresentação da banda e logo partir para “Welcome to Hell”. Um refrão extremamente memorável e cantado numa tonalidade potente, tanto pelo Cronos como pelos fãs, é simplesmente um dos maiores clássicos da história do black metal.

Como já haviam tocados dois clássicos, veio mais um na sequência, “Countess Bathory”. Com a banda executando da maneira perfeita esse clássico e novamente, o público cantando o refrão cada vez mais alto, foi outro momento que merece ser destacado e lembrado na noite. Logo em seguida, o hit “Warhead” e a recente “Rise” foram executadas. Quando foi a vez do “bis”, foram executadas mais dois clássicos: o hino “Black Metal”, com a galera indo ao delírio depois de cantarem o mais alto possível aquele refrão poderoso e fantástico ao mesmo tempo. E para encerrar, veio “Witching Hour”.

O que falar dos integrantes do VENOM. É mais do que óbvio que eles fizeram altas performances em palco. Talentosos do jeito que são, executaram cada composição numa perfeição única e grandiosa. O Cronos com seus vocais únicos e precisos, soube utilizar mais do que o suficiente a sua voz agressiva em cada música executada. Mostrando que está na ativa e com sua voz eficiente e perfeita nas composições. O guitarrista La Rage, mostrou grandes trabalhos nos poderosos riffs e solos que a banda sempre teve. E o baterista Dante, com seu talento brutal no instrumento, fez uma grande destruição em sua performance totalmente primorosa e digna do estilo aplicado. Destaque para a bateria dele, com o prato numa altura elevada e fazendo com que ela fique de uma maneira destacada e significativa no palco.

Quando a apresentação chegou ao fim, a galera ainda ficou insistindo e quase implorando para executarem “In League With Satan”, outro hino da banda. Porém, isso não foi possível e com aproximadamente, 65 minutos de duração do espetáculo, o VENOM, fez o que muitos estavam esperando, uma apresentação histórica que ficará guardada na mente de todos que presenciaram a esse memorável dia. Showzaço!

Setlist:

1. Long Haired Punks
2. The Death of Rock ‘n’ Roll
3. Bloodlust
4. Pedal to the Metal
5. Grinding Teeth
6. Buried Alive
7. Pandemonium
8. The Evil One
9. Welcome to Hell
10. Countess Bathory
11. Warhead
12. Rise

Encore:

13. Black Metal
14. Witching Hour

Line-up:

Cronos (Conrad Lant) — Vocal e Baixo
La Rage (Stuart Dixon) — Guitarra
Dante (Danny Needham) — Bateria

Giancarlo Rossi

Giancarlo Rossi

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.
Giancarlo Rossi

Giancarlo Rossi

Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.