Korzus @ Clash Club – São Paulo/SP (04/03/2017)

Chegando no Clash Club antes das 19:00 e a primeira banda de abertura é o Torture Squad, uma banda já bem reconhecida no Brasil pelo seu potencial no Metal. A vocalista Mayara Puertas e o guitarrista Rene Simionato entraram no Torture faz dois anos e nesse show eles foram muito bem. A Mayara tem um gutural bem forte e rasgado, o que impressiona qualquer um que estava assistindo. Por ser a primeira banda de abertura, fez um bom trabalho.

Setlist do Torture Squad:
1. Return of Evil
2. Pull the Triger
3. Mad Illusion
4. Intro/Horror and Torture
5. No Escape From Hell
6. Intro/Living for the Kill
7. The Unholy Spell

Depois do Torture foi a vez do No Way, banda de Metal que teve uma apresentação de uns 40 minutos. Nesse tempo, deu para mostrar o trabalho deles, um metal com uma pegada bem Thrash, com vocais agressivos e rasgadas da vocalista Diana Arnos. Interagiu um pouco com o público falando do novo álbum deles o “Challenge” e da honra deles abrirem o show do Korzus.

Setlist do NoWay:
1. From Ashes
2. Kill for Money
3. Leading Way to Suicide
4. Cancer Hell
5. Through the Storm
6. Challenge

Faltando uns 10 minutos para começar o Korzus, a Clash começou a encher, não chegou a lotar mas com um bom público.
Show começado por volta das 20:40 e com um setlist “By resquest”, ou seja, os fãs que escolheram as músicas. Previsão era de um setlist com músicas clássicas da banda e por exceção que algumas ficaram de fora, todas elas escolhidas pelos fãs foi bem de acordo.

Já no começo do show o Pompeu avisou que as músicas mais votadas seriam as últimas, com exceção da “Guilty Silence” que abrem em todo show e quando já começou a tocar essa música, o público já entrou na loucura. As rodinhas já estavam se formando e todo mundo cantando junto o refrão da música. Depois foi a poderosa “Discipline of Hate”, faixa título do álbum de 2010. “Screaming for Death” veio em seguida, do “Ties of Blood” (2004), para depois ter a excelente “Raise of Soul”, sem dúvidas uma das melhores músicas do “Discipline of Hate” (2010) e uma das músicas mais empolgantes da noite, onde o público cantava o refrão com bastante energia.

Voltando para o álbum “Ties of Blood” (2004), veio a “Respect”, depois foi a “Vampiro”, música do mais recente álbum “Legion” (2014), uma música bem bacana com um refrão bem poderoso. “What Are Looking For” veio em seguida, depois foi a “Legion” faixa título do álbum de 2014, onde teve um coral feito pelo público na introdução da música, um dos momentos marcantes da noite, foi de arrepiar. Depois foi a “Agony” do álbum “Mass Illusion” (1991) e continuando na mesma pegada veio a música “Mass Illusion”, com a participação especial do ex-guitarrista da banda o Silvio Golfetti, outro momento muito marcante do show, fazendo uma apresentação muito boa na guitarra com excelentes solos de guitarra.


Logo em seguida veio a “Internally”, do álbum “KZS” (1995), que até o Silvio cantou junto os refrões da música. “Correria” veio em seguida, outro grande clássico da banda, onde o Marcelo quis homenagear a música para a sua esposa. “Never Die” e “Truth”, duas músicas do “Discipline of Hate” (2010), veio em seguida, duas músicas bem empolgantes. E para finalizar e a mais votada pelos fãs, veio a clássica “Guerreiros do Metal” do álbum “SP Metal II” uma coletânea lançada em 1985.

Cada integrante fez bons trabalhos, o Marcello Pompeu (vocal) e o seu vocal poderoso e pesado, sempre interagindo com os fãs, foi um ponto bacana no show, bem simpático e carismático. Os guitarristas Heros Trench e Antônio Araújo fazendo ótimos trabalhos, sempre ficavam intercalando os solos, muito bem compostos e com muita técnica. O baixista Dick Siebert mandou muito bem com acordes pesados em seu baixo, e sua carisma, foi o que valeu a sua presença. E o baterista Rodrigo Oliveira fazendo a parte dele, com poderosos “blast beats” e sempre mantendo a pegada.

Por mais que o show foi empolgante com os fãs vibrando todo momento e a banda super carismática, o show teve pequenos erros. Um deles foi na guitarra do Heros Trench, onde ele deixou de tocar uma música. Outra foi com o problema na introdução da música “Legion”, tanto que o Pompeu pediu para toca-lá de novo. Esses foram pequenos erros que aconteceram no show, porém, isso não deixou de continuar o show, os fãs não se decepcionaram e fingiram que não aconteceu nada.
O show manteve no mesmo ritmo e na mesma empolgação. Show com uma duração de mais ou menos uma hora e dez minutos, se passaram voando, olha que foram 15 músicas ao todo.

O Korzus é uma das grandes bandas de Metal que o Brasil sempre teve e o show de sábado no Clash Club, provou isso, um show especial para os fãs com um setlist a escolha deles. Com boas interações com o público, composições muito bem feitas pela banda, “rodinhas” o tempo todo na pista e muita “porrada” no ouvido, foi um show histórico como todo fã estava prevendo.

Setlist do Korzus:
1. Guilty Silence
2. Discipline of Hate
3. Screaming for Death
4. Raise of Soul
5. Respect
6. Vampiro
7. What Are You Looking For
8. Legion
9. Agony
10. Mass Illusion (ft. Silvio Golfetti)
11. Internally
12. Correria
13. Never Die
14. Truth
15. Guerreiros do Metal

Integrantes:
Marcello Pompeu – Vocal
Dick Siebert – Baixo
Heros Trench – Guitarra
Antônio Araújo – Guitarra
Rodrigo Oliveira – Bateria




Texto por: Giancarlo Rossi
Fotos por: Wallace Andrade

Wallace Andrade

Wallace Andrade

Fotógrafo em Imprensa do Rock
Fotógrafo, formado em Comunicação Digital, amante da música.
Wallace Andrade