Sepultura apresenta a turnê “Machine Messiah” no Sesc Pompeia

Foto: Divulgação

O Sesc Pompeia recebe o som de SEPULTURA, nos dias 13 e 14 de dezembro. A banda apresenta Machine Messiah, seu 14º disco de estúdio, o mais completo e envolvente que a banda fez na era Derrick Green, que completa 20 anos à frente dos vocais do grupo.
No show, além das músicas do álbum Machine Messiah (produzido por Jens Bogren), Sepultura toca os sucessos que marcaram a sua trajetória ao longo dos 33 anos de carreira.

“I Am The Enemy”, “Phantom Self” e “Sworn Oath” compõem o trabalho que apresenta um equilíbrio requintado. Meticulosamente elaborado e com momentos individuais de tirar o fôlego, o disco traz um dos melhores solos de Andreas Kisser em “Cyber God”, com elevações e descendências.

“É um privilégio estar em uma banda como o Sepultura, com 33 anos em atividade, e estes são possivelmente os melhores dias de todos para nós”, diz Kisser.

SERVIÇO:

Sepultura
Dias 13 e 14 de dezembro de 2018, quinta e sexta, às 21h30
Comedoria
Ingressos: R$15 (credencial plena/trabalhador no comércio e serviços matriculado no Sesc e dependentes), R$25 (pessoas com +60 anos, estudantes e professores da rede pública de ensino) e R$50 (inteira).
Venda online a partir de 4 de dezembro, terça-feira, às 12h.
Venda presencial nas unidades do Sesc SP a partir de 5 de dezembro, quarta-feira, às 17h30.

*A capacidade do espaço é de 800 pessoas. Assentos limitados. A compra do ingresso não garante a reserva de assentos. Abertura da casa com 90 minutos de antecedência ao início do show.
Classificação indicativa: Não recomendado para menores de 18 anos.

Sesc Pompeia – Rua Clélia, 93.
Não temos estacionamento. Para informações sobre outras programações, acesse o portal sescsp.org.br/pompeia

Fonte: Sesc Pompeia

Leca Suzuki

Leca Suzuki

Bacharel em Rádio/ TV. Amante da fotografia e da boa música.
"A música é o verbo do futuro." (Victor Hugo)
Leca Suzuki

Leca Suzuki

Bacharel em Rádio/ TV. Amante da fotografia e da boa música. "A música é o verbo do futuro." (Victor Hugo)