Satyricon @ Fabrique Club – São Paulo/SP (11/11/2017)

Uma das bandas mais renomadas do black metal mundial, SATYRICON, acaba de fazer uma apresentação completamente carismática e destruidora na Fabrique Club em São Paulo. Com a divulgação do excelente “Deep Calleth Upon Deep”, lançado nesse ano, foi um show extremamente prazeroso de ter presenciado e com um repertório bem composto e bem realizado, SATYRICON mostrou que é e sempre será, uma das melhores bandas do metal extremo que já existiu na terra.

Patria

Os responsáveis pela abertura, foi o Patria. Atualmente, uma das bandas mais representativas de black metal do Brasil, eles fizeram um excelente show mostrando sua insanidade em palco e o grande respeito que essa banda merece. Divulgando o mais recente álbum “Magna Adversia”, lançado nesse ano, realizaram um digno trabalho em palco, graças às suas capacidades de fazerem excelentes composições do melhor estilo que o black metal é capaz de fazer.

Com a intro mecânica sendo tocada, o Patria sobe ao palco com “Now I Bleed” do álbum “Magna Adversia” (2017). “Outrage” veio em seguida e depois, mais uma do novo disco, “Heartless”. O Patria estavam fazendo um ótimo trabalho em cima do palco, músicas aceleradas, riffs bem executados, vários “blast-beats” sendo realizados à vontade e ótimos vocais rasgados. A banda estava realizando um trabalho primoroso, graças aos seus talentos e as suas grandes habilidades de desenvolverem um excelente black metal.

“Nyctophilia” e “Axis”, outra do novo álbum, deram continuidade. Excelentes composições que infernizou ainda mais o palco. A demoníaca “Death’s Empire Conqueror” veio em seguida e para finalizar, a excelente “Culto das Sombras” foi executada. Música cantada em português, é um ótimo som e mostrando o respeito e a dedicação em executar essa composição na nossa língua.

Uma apresentação rápida do Patria, mas, mesmo assim, foi uma excelente apresentação do Patria. Em pouco tempo, mostraram um ótimo repertório infernal, integrantes eficientes e realizando um som digno e admirável do estilo.

Setlist:

1. Now I Bleed
2. Outrage
3. Heartless
4. Nyctophilia
5. Axis
6. Death’s Empire Conqueror
7. Culto das Sombras

Line-up:

Triumphsword – Vocal
Mantus – Guitarra
Ristow – Guitarra
WS Vulkan – Baixo
Abyssius – Bateria

Satyricon

O show do SATYRICON estava prestes a acontecer. Com a casa cheia e os fãs empolgados para ver a banda, a apresentação foi iniciada com a espetacular intro mecânica “L’ultima diligenza di Red Rock” do Ennio Morricone, trilha do filme “Os Oito Odiados” de Quentin Tarantino. Logo, a banda sobe ao palco e já botando tudo para quebrar com “Midnight Serpent” do “Deep Calleth Upon Deep” e “Our World, It Rumbles Tonight”. Destaque para o grande pedestal do Satyr em formato do “Y” do logo da banda. Ficou ainda mais empolgante na sequência com “Black Crow on a Tombstone”, excelente riff de guitarra e com o Satyr em seus vocais bem aplicados e o Frost mostrando os grandes trabalhos na bateria. No final da música, o microfone do Satyr deu uma falhada e ficou impossibilitado de cantar alguns trechos dela, mas, isso não interferiu nem um pouco na apresentação e logo foi resolvido o problema.

Continuando, “Deep Calleth Upon Deep”, fez com que a galera vibrasse cada vez mais, mostrando a animação dos fãs e por estarem apreciando esses ótimos trabalhos realizados pela banda. Após alguns gritos de “Satyricon, Satyricon…”, a banda deu continuidade com “Walker Upon the Wind”. “Repined Bastard Nation” e a excelente “Commando”, foram as próximas e depois de mais alguns gritos de “Satyricon, Satyricon…”, “Burial Rite”, outra música do “Deep Calleth Upon Deep”, veio na sequência.

A sensacional “Now, Diabolical” foi executada perfeitamente pela banda. Que som incrível tem essa música, ótimos riffs e com o público cantando aquele fantástico refrão infernal, foi um momento marcante da noite. Voltando novamente ao novo disco, foi executada “To Your Brethren in the Dark”. Uma excelente composição, possuindo um riff suave e calmo e num andamento mais lento e tranquilo.

Depois, o Satyr falou que vão tocar duas músicas do “Nemesis Divina” (1996): a instrumental “Transcendental Requiem Of Slaves”, onde o Satyr entrou com uma guitarra bem bonita e chamativa e tocou os riffs da música. E a devastadora “Mother North”, num andamento mais acelerado e pesado.

Com muitas vibrações do público, na vez do “bis”, o Satyr voltou com uma outra guitarra e executaram “The Pentagram Burns”, talvez a melhor música já criada pela banda. Uma composição magnífica, repleto de ótimos riffs, excelentes harmonias na bateria e os vocais do Satyr bem empenhados. “Fuel for Hatred” foi a próxima e logo depois, com o público muito agitado, executaram a clássica das clássicas “K.I.N.G.”. O hino da banda que não podia deixar de tocar. Executado de maneira perfeita e com o público super empolgado, o SATYRICON encerra sua apresentação grandiosa e fascinante para dizer o mínimo.

Foi bem agradável e admirável a banda no final do show. Além de agradecerem a todos por prestigiarem o espetáculo, eles ficaram por um tempo admirando o público que não paravam de aplaudir e ovacionar a banda. Bem simpático e mostrando total respeito pelos fãs, dava muito a impressão que a banda não queria sair do palco e sim, ficar lá e tocar a noite inteira, o dia inteiro, a madrugada toda, enfim, foi extraordinário e extremamente prazeroso por parte dos fãs e pela própria banda.

Os líderes da banda é algo incrível e impressionante. Bem talentosos e dedicados, foram grandes destaques da noite. O Satyr com seus vocais bem aplicados e desempenhados, cativou os fãs a cada momento do show. O Frost é inacreditável em sua bateria. Bem característico com seus poderosos bumbos duplos, foi uma completa devastação que ele fez no instrumento, sem contar na sua empolgação ao se apresentar.

Sem deixar para trás, o restante da banda foi também prestigiado e mostraram-se capacitados em suas performances. Os guitarristas Azarak e Atilla Vörös, o baixista Neddo e o tecladista Anders Hunstad, realizaram ótimos trabalhos que renderam ótimos resultados nas composições executadas.

Aproximadamente, 90 minutos de apresentação, SATYRICON impressionou a cada um que estava presente nesse show. Extremamente talentosos e executando cada composição de maneira perfeita, foi um espetáculo para qualquer fã que estava presente, guardar na memória. Agora, é torcer para que a banda não demore ao retornar para o país.

Setlist:

1. Midnight Serpent
2. Our World, It Rumbles Tonight
3. Black Crow on a Tombstone
4. Deep Calleth Upon Deep
5. Walker Upon the Wind
6. Repined Bastard Nation
7. Commando
8. Burial Rite
9. Now, Diabolical
10. To Your Brethren in the Dark
11. Transcendental Requiem Of Slaves
12. Mother North

Encore:

13. The Pentagram Burns
14. Fuel for Hatred
15. K.I.N.G.

Line-up:

Satyr (Sigurd Wongraven) – Vocal, Guitarra
Frost (Kjetil-Vidar Haraldstad) – Bateria
Azarak (Steinar Gundersen) – Guitarra
Atilla Vörös – Guitarra
Neddo – Baixo
Anders Hunstad – Teclado

Fotos: Leandro Almeida

Giancarlo Rossi

Giancarlo Rossi

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.
Giancarlo Rossi

Giancarlo Rossi

Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.