Rolling Stones: a história viva retorna a São Paulo com fantástico show

mickrollingstones

A Imprensa do Rock esteve presente no Estádio do Morumbi, em São Paulo para acompanhar a incrível performance dos setentões do The Rolling Stones. A abertura ficou por conta do Titãs.

Titãs

Essa banda é só a história do rock ‘n roll. Sei que essa frase é do tipo chover no molhado, mas é o que é. Esses senhores, papais e vovôs destruíram o Estádio do Morumbi na última quarta feira (24/02/2016) em São Paulo.

Pontualmente eles entram no palco ao som de “AA UU”, já animando a galera que estava debaixo de chuva. Fizeram um show redondo, muito bem planejado, recheado de clássicos, o Morumbi cantou junto e curtiu os caras.

Eles estavam bem felizes por tocarem na cidade natal da banda, em um show tão importante. Em uma simplicidade ímpar, mas cheios de energia. Em “Homem primata”, a corda da SG de Paulo estourou, não demorou muito para ser substituída, e o show continua. No final, Sérgio diz: “já dizia Rita Lee, todo roqueiro tem cara de bandido” e fazem o seu Raul: “Aluga-se”. Um show animado que esquentou as turbinas para a galera vivenciar a história logo mais. Foi uma bela escolha como banda de abertura, parabéns a produção. Saem do palco por volta das oito.

The Rolling Stones

Às 21:10 os senhores do rock entram no palco. Com a bandeira no Brasil no telão, começa o vídeo da turnê, e lá vem eles agitando todos em “Start me up”.

O palco estava todo adornado, com belos adereços coloridos a lá Brasil do Carnaval, luzes por todos os cantos, dois telões enorme, um de cada lado do palco. Jagger entrou com uma jaqueta toda brilhante em azul, com um belo sorriso no rosto.

O estádio era pura energia, pessoas ali confraternizando a vivência de um momento que fará parte de história da vida de cada um, gente de todo canto, todas as idades, classes sociais, muitas famílias inteiras. Muita emoção e satisfação no coração dessas pessoas.

A cada som, Jagger, aos seu 72 anos dizia pequenas frases em português: “Morumbi, dezoito anos in Sampa, vocês estão bem?”, “seus lindos”, até brincou com o “beijinho no ombro”. Como tem um filho com a apresentadora Luciana Gimenez, deve passar algum tempo por aqui, e aprendeu umas palavras. A participação da massa de 65.000 pessoas era notável, todos cantando junto, aplaudindo quando as músicas acabavam, batendo palmas quando Jagger solicitava. Lindo de ver!

Em “Tumbling Dice”, Jagger saca sua gaita para embelezar ainda mais o som. “Out of Control” foi marcada pelo descontrole de Jagger, que se requebra inteiro. Quanta energia cara. E veio a vez de “Bitch”, que foi escolhida pela galera via internet. Jagger brinca: ” Cidade da garoa né?” , pois está garoando forte ainda, mas para alegria geral da nação, logo para.

Jagger e Keith são muito aplaudidos por todos, sempre que se aproximam da galera, em seu palco enorme. O tempo todo agitam a galera, pedem a interação de todos, parecem jovens ainda no palco.

“Beast of Burden” que agora faz parte do filme 50 tons de cinza é entoada com o dueto entre Jagger e seu Backing vocal Bernard, seguida de “Worried about you” e são as grandes surpresas do set. Depois vem os clássicos “Paint To Black”  e “Honk Tonk Woman”. Jagger faz as introduções da banda, sem deixar de fora os colaboradores: os backing vocals, os saxofonistas e o tecladista.

Apresenta o mais sério da trupe Charlie Watts, a câmera mostra os pés do baterista, ele está de camisa amaarela, calça zul e meias verdes, Jagger dá um sorriso, e continuam. Ron Wood é muito aplaudido pela galera, mas Keith Richards rouba a cena, é simplesmente ovacionada pelo povo, muitos aplausos, assovios, até o grito “Richards, Richards, Richards” que o deixa vermelho, ele agradece fazendo um grande coração com os braços. Em seguida canta ” You got the Silver”, e dizendo estar feliz por estar ali, finaliza seu solo com “Happy”.

Jagger volta e traz “Midnight Rambler” e ” Miss you”. Depois segue com “Gimme Shelter”, esse som é um ponto alto, pois Jagger chama sua backing vocal Sasha Allen para duelar com ele, a moça arrasa. “Brown Sugar” é muito animada, o morumbi canta em uníssono junto com Jagger.

Em “Sympathy for the Devil” o palco fica todo vermelho, a galera canta “uu uu uu” , os riffs começam, imagens que mencionam demônios no telão, e Jagger fazendo a entrada com um sobretudo de plumas vermelho e preto. Belíssimo de ver. Seguem com “Jumpin´ Jack Flash”, e depois deixam o palco por alguns instantes.

Voltam com o coro de São Paulo, para executar: ” You Can´t Always get what you want”, som regado de emoção. E finalizam a noite com a clássica “Satisfaction”, que levou a galera a loucura final.

Depois de milhões de shows em suas vidas, esses caras ainda conseguem fazer a galera se sentir em um show único. Experiência e muita virtuosidade, a história ainda vive nas mão e nas reboladas dos aclamados “Pedras rolantes”.

Texto: Paula Alécio
Credenciamento: Time For Fun T4F
Edição: Victor Santos

Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos