Resenha: The Night Flight Orchestra – Aeromantic

The Night Flight Orchestra: Novo álbum Aeromantic disponível no ...

Mais um trabalho vindo desse 2020 produtivo (pelo menos em termos do estúdio), quem trouxe mais um grande momento de música boa foi o THE NIGHT FLIGHT ORCHESTRA, que traz uma galera de responsa e produz um som com pegada oitentista e ao mesmo tempo bem moderno. Contando com Björn Strid e David Andersson, do Soilwork, juntos a Sharlee D’Angelo do Arch Enemy, ele trazem “Aeromantic“, que chegou no último fevereiro pela Nuclear Blast

Ali, o som característico da banda continua sendo evidência com a mescla e uma ótima qualidade empregada por seus músicos. “Servants of the Air“, é quem abre e o faz de forma espetacular. A música passeia entre o Deep Purple e o comercial dos anos 80. Strid arrebenta na voz e que pré refrão maravilhoso temos, é incrível a melodia de tudo aqui. A ponte é divina e um tanto cativante. O solo de teclados não é por menos, o da guitarra, lindo de morrer! Grande abertura e que confesso me fez repetir umas três vezes antes de ir adiante. 
Divinyls” traz um clima mais dance music em outra grande faixa, dona de um refrão maravilhoso que inunda os ouvidos de uma forma grandiosa e cativa fácil, logo na primeira ouvida já nos ganha. “If Tonight Is Our Only Chance” é ao mesmo tempo uma mistura de nostalgia com o nosso tempo atual. Uma das melhores faixas do disco, a vibe oitentista explode ali, mas ao mesmo tempo, conseguimos notar detalhes de um som mais moderno resultando numa música espetacular e de audição tão gostosa que fica até difícil passar dela pra frente. Que trinca de abertura é essa!

This Boy’s Last Summer” é mais direta, mas tem outro refrão grande e esbanja melodias muito bem feitas e pegajosas, com um Björn se esbaldando com sua voz. “Curves” já traz aquele rock clássico, do final dos 70 e com uma levada mais swingada e direta, que vai pra sua parte principal de forma bastante natural e vemos como a música cresce nesse momento. Há o grande destaque para as guitarras de Andersson e Sebastian Forslund, que aqui soam recheadas de feeling.

Transmissions” é forte, cheia de presença, trazendo o disco-rock ao melhor estilo do Queen, um puro deleite sonoro ouvir seus minutos, que linhas de melodia fantástica temos ali e que lindo solo de violino temo em seu encerramento, com as palmas devidas à Rachell Hall. Em seguida a faixa titulo chega, “Aeromantic” tem um ótimo destaque para as vozes, o trio Anna BrygårdAnna-Mia Bonde e Strid, se esbaldam e brincam com o que tem e criam momentos fantásticos e uma banda mega afiada. “Golden Swansdown” é uma balada muito criativa, muito cativante e de extrema qualidade. Outra que disputa ferrenhamente pelo posto de melhor do disco. Seu tom mais soturno e um refrão mais introspectivo é divino e um dos melhores aqui. “Taurus” tem um refrão um tanto interessante, mas passa meio apagada ao som das que vinham rodando até então, apesar de ótimos toques da guitarra. 

Carmencita Seven” é das que parecem surgir para fazer volume no disco, ainda valendo por bons momentos da bateria de Jonas Källsbäck. “Sister Mercurial” é mais serena em seu andamento, um bom trabalho que soa também mais simples, mas com boa qualidade. “Dead of Winter” é quem encerra e o faz muito bem com uma quase balada também de ótimo andamento, terminando de uma forma mais calma e um final um tanto progressivo. 

Mais uma vez essa turma entrega um grande trabalho, com uma musicalidade formidável. Um dos melhores lançamentos do ano e com certeza que mostra que aqui não se trata de um simples projeto, mas uma grande banda que sabe bem onde apostar e como fazer, trazendo um ótimo respiro no cenário. 

NOTA: 9

TRACK LIST:

01. Servants of the Air
02. Divinyls
03. If Tonight Is Our Only Chance
04. This Boy’s Last Summer
05. Curves
06. Transmissions
07. Aeromantic
08. Golden Swansdown
09. Taurus
10. Carmencita Seven
11. Sister Mercurial
12. Dead of Winter

Line-up:

  • Björn Strid – Vocals, Backing Vocals, Guitarra adicional
  • Anna Brygård, Anna-Mia Bonde  – Backing Vocals 
  •  Sharlee D’Angelo – baixo
  •  Jonas Källsbäck – bateria, percurssão
  • David Andersson  – Guitarra, teclados
  • Sebastian Forslund – Guitarra, teclado, Percussão, Vocals
  • John Lönnmyr – Teclados  (tracks: 1, 5, 7, 8, 10), Richard Larsson (tracks: 2, 6, 11, 12)
  • Johan Coma Courten Svensson*, Rasmus Ehrnborn – Percussão
  •  Rachel Hall (3) – Violino
Avatar
Avatar

Marcio Machado

Estudante de História pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), mas com o pé no jornalismo musical, desde os 12 anos se arriscava à escrever sobre o que ouvia em cadernos, se enveredando pela escrita jornalistica do Metal desde 2016 com o Whiplash, tendo de lá para cá, 80Minutos, Headbangers News, Gaveta de Bagunças, Headbangers Brasil e recentemente o Imprensa do Rock, como casas para seus textos e chatices. Tem como bandas de cabeceira Korn, Alice in Chains e Pantera, mas fã de muita coisa dos anos 90, a melhor década.