Resenha: Tellus Terror – EZ Life DV8

Enquanto o país se atrasa em certas coisas evolui em outras e nessa evolução encontra-se o Tellus Terror, banda de pura agressividade e peso do Rio de Janeiro, “EZ Life DV8” é o disco de estreia dessa banda que foi honrosamente um dos grandes destaques do ano, pois nota-se comprometimento e bastante cuidado em compor cada nota e cada letra de todas as músicas, sem esquecer também da bela arte da capa que é bastante rica em detalhes.

A competência encontrada aqui é algo absurdo, não se pode rotular e firmar a banda em determinado estilo, pois os mesmos mesclam todas as vertentes que existem no lado mais extremo do metal, Black, Death, Thrash, Doom, etc. A grande sacada é que conseguiram mesclar todos os gêneros sem se perder e nem soar cansativo.

As músicas que compõem o disco são de fácil agrado, podemos destacar aqui a grande versatilidade do vocalista, passando por guturais, urros, sussurros, vocais rasgados e em certos momentos limpos, algo realmente cativante. Passagens de teclados ao fundo, acompanhando de forma sútil deixa um excelente clima soturno e sombrio em todo o disco. As guitarras são completamente “sujas” e pesadas, emaranhando riff’s agressivos e cavernosos. A velocidade da cozinha aqui é algo de cair o queixo, a brutalidade toma conta do quesito, o baixo mostra-se completamente pesado e sombrio.

telluterror_ez_web-600x600

Capa do Disco

As dez composições são ecléticas e cada uma com sua particularidade, abrindo o disco com a orgânica “Stardust”, logo se sente as pedradas que virão pela frente. “Terraformer” entra com um trabalho de cozinha muito bem executado, com refrão cantado com vocais limpos, mostrando um som bastante atmosférico, excelente música. Com uma pegada mais cadenciada em uma linha Black Metal, “3rd Rock From The Sun” se destaca pelos belos riff’s e o vocal alternado com muita sincronia.

Chegando a um ponto Death “Bloddy Vision” dá o recado com muito peso e uma obscuridade fora do comum. “Equinox” com certeza não vai deixar pescoços inteiros, algo a se destacar é a soturnidade dos teclados ao fundo no decorrer da música, realmente algo interessante e muito bem executado. Algo diferente e inusitado é a grandiosa “Civil Carnage” que baseada em um Thrash Metal bem inovado e agressivo, já em “I.C.U In Hell (International Chaos United)” temos também um Thrash mas com pitadas de um Death bem sangrento.

Mudando completamente o segmento, “Brain Technology Pt.1 (This is Where it Stars)” chega a beira do abismo com um Doom completamente carregado e sombrio, mesclando vocais femininos, um peso imenso nas guitarras com um vocal também arrastado em certos momentos, uma grande música! “EndTime Panorama” é porosa e marcante, outra faixa de pura perfeição e encerrando com “Error” a banda mostra sim por que criaram um disco magnífico e único, fechando o mesmo com a mesma agressividade que o abriu.

O Tellus Terror é sim um grande nome já em nosso Metal Nacional. Vida longa a uma banda que sabe cativar a todos com seu talento e sua maneira de criar as canções.

 

Nota: 10

 

 

Músicas:

  1. Stardust
  2. Terraformer
  3. 3rd Rock from the Sun
  4. Bloody Vision
  5. Equinox
  6. Civil Carnage
  7. I.C.U. In Hell (International Chaos United)
  8. Brain Technology Part 1 (This Is Where It Starts…)
  9. Endtime Panorama
  10. Error

 

Membros:

 

  • Felipe Borges – Vocais
  • Álvaro Faria – Guitarra
  • Wederson Félix – Guitarra
  • Arthur Chebec – Baixo
  • Ramon Montenegro – Teclado
  • Rafael Lobato – Bateria

 

Resenha: Leandro Fernandes

 

 

Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos