Resenha: Kiko Loureiro – Open Source (2020)

Em atividade com o Megadeth e prestes a lançarem novo material, o conceituado guitarrista brazuka Kiko Loureiro, arranjou tempo para trazer um novo trabalho solo, o quinto nesse formato, intitulado “Open Source“. Para a empreitada ele trouxe os ex parceiros de Angra, Felipe Andreoli no baixo e Bruno Valverde na bateria, além das participações do ex Megadeth, Marty Friedman e de Mateus Asato, ambos guitarristas, o segundo, mais brasileiro para o time.  

O trabalho traz 11 faixas e a maestria de Kiko está ali, imprensa em cada detalhe, desde a abertura com “Overflow” que nos primeiro dedilhados já nos ganha e toma atenção até a quebradeira quando o trio surge em ação mostrando a boa química. Já em “EDM (e-Dependent Mind)“, primeiro single do trabalho vemos que o guitarrista está atualizado e propõe uma mudança sonora, indo na direção do djent e causando momento bastante intrincados na composição e explodindo em feeling. “Iminent Threat” traz a participação de Friedman e os riffs de Kiko estão cravados ali e sem esforço sabemos que se trata de uma composição sua, e o convidado não deixa por menos criando linhas de solo impecáveis e o garoto Valverde brilha acompanhando esses dois. A evolução na bateria do rapaz é incrível em tempos absurdos, fora as passagens do baixo de Andreoli que soam bruscas e carregadas de técnica. 

Liquid Times” é a vez de Asato brilhar e aqui mais uma vez há o flerte com o djent, empregado de uma ótima atmosfera do fusion. Em seguida é hora do momento “abrasileirado” que como de praxe, não podia faltar e está lá com “Sertão“, que nos faz lembrar dos tempos de Angra, principalmente no “Holy Land” e um toque do “Secret Garden“, soando pesada e precisa, além de uma bela passagem de piano. “Vital Signs” já é um produto mais técnico com total pé no fusion e Kiko se esbalda nesses momentos. “Dreamlike” é mais branda e traz momento bonitinhos, bastante melódica e agradável. “Black Ice” é pesada e traz uma porradaria sonora, passagens totalmente quebradas e muito groove, umas das melhores do disco todo. “In Motion” continua essa vibe e é puro deleite sonoro, carregada de força e um baixo estalado que chama atenção, a mudança nos andamentos é fantástica e uma das faixas mais ricas aqui. 

Running With the Bulls” é pura quebradeira e vai torcer a mente do ouvinte com guitarras sobrepostas e que nos tiram da órbita, e mais uma vez um impecável trabalho da bateria. O nome da faixa é levado a sério mesmo aqui. E encerrando “Du Monde” tem uma leve semelhança com a introdução de “Rebirth“, mas logo as coisas mudam e vem uma ótima faixa de fusion para fechar o belo trabalho. 

Destrinchar um disco de música instrumental em palavras é tarefa quase impossível, pois somente ouvindo você vai saber do que realmente se trata. E talvez impossível também para alguns seja ouvir um disco todo desse estilo, principalmente para aqueles que não tocam algum instrumento, mas acredite, Kiko conseguiu a façanha de criar um disco que agrada até mesmo esse público, pois sua audição é um tanto fluída e prazerosa de se fazer, então pode se deleitar nos momentos que com certeza você não irá se arrepender. Um petardo. 

NOTA: 9

FORMAÇÃO:

Kiko Loureiro – guitarras
Felipe Andreoli – baixo
Bruno Valverde – bateria

CONVIDADOS:

Marty Friedman – guitarra
Mateus Asato – guitarra

TRACKLISTING:

  1. Overflow
  2. EDM (e-Dependent Mind)
  3. Iminent Threat
  4. Liquid Times
  5. Sertão
  6. Vital Signs
  7. Dreamlike
  8. Black Ice
  9. In Motion
  10. Running With the Bulls
  11. Du Monde

Avatar
Últimos posts por Marcio Machado (exibir todos)
Avatar

Marcio Machado

Estudante de História pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), mas com o pé no jornalismo musical, desde os 12 anos se arriscava à escrever sobre o que ouvia em cadernos, se enveredando pela escrita jornalistica do Metal desde 2016 com o Whiplash, tendo de lá para cá, 80Minutos, Headbangers News, Gaveta de Bagunças, Headbangers Brasil e recentemente o Imprensa do Rock, como casas para seus textos e chatices. Tem como bandas de cabeceira Korn, Alice in Chains e Pantera, mas fã de muita coisa dos anos 90, a melhor década.