Resenha de CD | 2011: “Mad Old Lady” – Mad Old Lady

Na época de lançamento desse debut – 2011, a banda se chamava Mad Old Lady, agora, por aconselhamento, a banda passou a se chamar Armored Dawn.

Resenha por: Paula Alecio
Edição: Victor Santos

Vamos resenhar o álbum pois ainda é o único desses caras. Esse álbum contou com um line up incomum, trazendo na linha de frente três vocalistas – o próprio Eduardo Parras (fundador da banda), escudado por Marcelo de Paula e Flávia Tunchel. Completando o time temos: Guga Bento (bateria), Gabi Bento (baixo), Guilherme Spilack e Tiago de Moura (guitarras), finalizando com Rafael Agostino (teclado).

Eduardo assina todas as composições, arranjos e produção. Pra dar o tapa final no trabalho, a mixagem e a masterização foram feitas no exterior, mais precisamente no estúdio I.P.C. (Bélgica), que já recebeu trabalhos dos alemães do Rammstein, um dos nomes de ponta do metal internacional.

Entrando no play:

Blances in The Dark” e “King”, as duas primeiras faixas demonstram uma linda equalização, e persuadem os ouvidos para ficarem mais senspiveis pois vem ai um som tranquilo, balanceado harmônico e cheio de alma e atitude. Um trabalho marcado pela mistura de timbres e efeitos, que transpassam a suavidade do metal desses caras. Quem disse que pra fazer metal tem que ser assim ou assado? O grupo nos mostra que muita atitude pode ser introduzida com toques sutis, chanfrados ao som com lindos monentos ao piano, gaita, violino, cello, harpa e flauta. Ainda ficamos diante de um jogo vocal perfeitamente combinado.

Power of Warrior” já entra com um riff combinado a voz de Eduardo, elementos do simfônico aparecem e o som vem com um pano de fundo bastante impolgante. Um som cheio de nuances e ritimidade, e a finalizaçõ fica por conta de belíssimos solos de guitarra matadores, muito cheios de emoção. Em “Prision” a abertura me assusta, soa meio pop, mas logo a bateria e a guitarra entra trazendo o peso, ufa. Eduardo canta com o coração, som cheio de atitude e combinações no mínimo originais, um pouco de gaita, vozes diferentes. E a finalização fica mais uma vez por conta de um lindo solo de guitarra combinado há um riff na gaita, muito bacana.

Too Blind Too See” vem com uma pegada mais intensa, também brinca com diferentes instrumentos, lindos solos de guitarra, uma mistura que agora já se tornou a cada da banda aos meus ouvidos. “Mad Train” Em seu inicio me remete as boas bandas de metal simfônico, e a entrada fica por conta de um violino combinado ao piano e a fumaça de uma locomotiva, combinação que logo abre espaço para o peso metálico das guitarras e uma voz mais folk de Eduardo, incrível a mistura, não acham? “My Heart” segue a mesma linha.

Someone” e “Far away” não fogem da atmosfera desse grupo, cheias de nuances e encontros instrumentais diferenciados, solos com pegadas intensas e as vezes sutis.  “Viking Soul”, a faixa título foi encarregada de finalizar o álbum, com uma intro cabalística, seguida de violino e teclado que fazem a cama para as guitarras, logo estamos diante de um som fortemente bangueante e denso.

Enfim, a banda ainda não ficgura entre as mais pautadas da cena, mas acredito que é uma questão de tempo. Um álbum bem pensado cheio de toques refinados, nuances pautadas em grandes momentos e uma linda mistura de vozes e instrumentos. Apesar de não soar nem muito metal, nem tão sinfônico e nem tanto flok, essa galera marca sua entrada no universo do rock e do metal fincando uma marca própria, com seu som original e cheio de atitude, memso que essa atitude soe sutilmente aos nossos ouvido. Belo trabalho!

Line-up atual da Armored Dawn:

  • Eduardo Parras – Vocal
  • Guga Bento – Bateria
  • Rafael Agostino – Teclados
  • Timo Kaarkoski – Guitarra
  • Fernando Giovannetti – Baixo
  • Tiago de Moura – guitarra

Repertório:

  1. “Glances in the dark”
  2. “King”
  3. “Power of Warrior”
  4. “Prison”
  5. “Too Bilnd to see”
  6. “Mad Train”
  7. “My Heart”
  8. “Someone”
  9. “Far Away”
  10. “Viking Soul”
Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos