Resenha: Accept – Blind Rage (2014)

Todos sabem da força monstruosa que o Accept detém por todos esses anos, algo realmente incontestável. “Blind Rage” veio realmente pra comprovar e firmar que o saudoso Udo Dirkschneider (grande vocalista) realmente faz parte do passado da banda.

Mark Tornillo tem uma capacidade vocálica que realmente é deixar qualquer um boquiaberto com seus agudos e “arranhaduras” feitas por suas cordas vocais. Temos aqui no belo “Blind Rage” onze perfeitas faixas que com certeza foram produzidas com bastante cuidado, pois a qualidade imposta é realmente algo surpreendente.

Começando o disco com a poderosa “Stampede”, iniciada por uma bela introdução emendada com um riff matador e veloz com o refrão sendo divido por Mark e os backings, chegando a ser grudento e como toca o Sr. Stefan Schwarzmann! Música realmente digna de abrir um disco e com certeza os shows. Seguindo para uma pegada oitentista “Dying Breed” é recheada de excelentes passagens e variações, vocal firme e excelentes solos.

Uma música que impressiona logo de cara é a grande “Dark Side of My Heart”, marcante a cada segundo, nos dá a impressão que é algo que não entrou no disco “Eat the Heat”, comprovando a fidelidade da banda em se manter sempre dentro daquilo que os tornou grandes.

“Fall of the Empire” é cadenciada em um heavy metal mais arrastado, soando em momentos como uma pseudo balada, belo refrão com coros ao fundo. “Trail of Tears” é quebradeira do início ao fim, com um riff empolgante e Mark cantando de forma monstruosa. Para os fãs de um som mais refinado e “tranquilo”, a belíssima “Wanna Be Free” se encarrega de fazer esse papel de forma digna e perfeita, com um refrão forte e cativante, boas bases de guitarra e um solo perfeito.

Mostrando a pegada realmente “old school” da banda, coisa sempre será evidente, “200 Years” e “Bloodbath Mastermind” relatam bem a fase primordial, bastante pegada e melodias acima da média. “The Curse” causa uma euforia e remete ao saudosismo de imediato, chegando a lembrar de um dos clássicos da banda “Head Over Heels”.

Enfim, encerrando o disco que pode entrar fácil na lista dos melhores do ano, “Final Journey” resume tudo aquilo que foi feito no disco: perfeição e competência sempre! Esse disco realmente mostrou que o grande Mark Tornillo está realmente em casa e com toda certeza a banda mostrou que sempre será forte sem fazer muito esforço. Nota: 10.

ACCEPT: “Stampede“- Official Music Vídeo

Músicas:

  1. Stampede
  2. Dying Breed
  3. Dark Side of My Heart
  4. Fall of the Empire
  5. Trail of Tears
  6. Wanna Be Free
  7. 200 Years
  8. Bloodbath Mastermind
  9. From the Ashes We Rise
  10. The Curse
  11. Final Journey

Membros:

  • Mark Tornillo – vocal
  • Wolf Hoffmann – guitarra solo
  • Herman Frank – guitarra rítmica
  • Peter Baltes – baixo
  • Stefan Schwarzmann – bateria
Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos