Ratos de Porão e Lixomania @ Sesc Pompeia – São Paulo/SP (23/11/2017)

Com a semana “O Punk Não Morreu” realizado no Sesc Pompéia em São Paulo, o segundo dia foi marcado pelas apresentações do Lixomania e do Ratos de Porão. Duas bandas brasileiras clássicas do estilo e que com certeza, realizariam excelentes performances em palco para cativar os amantes de Punk e deixarem suas marcas nesse incrível festival.

Lixomania

Com o retorno da banda em 2002 aos palcos, Lixomania foi a primeira a se apresentar na noite. Atualmente, formada por Moreno nos vocais, Miro de Melo na bateria, Rogério Martins na guitarra e Luiz Cecílio no baixo, a banda pontualmente subiu no palco as 21:30 e já mandando as músicas “Presidente”, “OMR” e “Eu Só Queria Ser Livre”. Já nos apresentando os vocais bem aplicados do Moreno, bons riffs de guitarra, refrões marcantes e letras fazendo críticas à sociedade, ao cotidiano, entre outros temas. Na sequência, veio “Gerente”, “Guerra Nuclear” e “Massacre Inocente”, três músicas muito bem realizadas.

Logo em seguida, executaram as músicas novas, “Vigilantes” e “Pesadelo”. E depois, o Moreno chamou no palco o Alê, um dos primeiros integrantes da banda, mas ele não apareceu na hora. Nesse momento, executaram “Punk!” e logo veio “Grito de Ódio”. “Realidade” e “Escravo Moderno” deram continuidade no show. Na música “Violência & Sobrevivência”, o Alê apareceu no palco e cantou junto com a banda. “Fugitivo” e a música nova “Carta do Futuro” foram as próximas.

Cada composição executada, estava sendo muito bem tocada. Seus refrões marcantes e as letras de protestos, é um dos aspectos que fazem parte de suas composições. Continuando, o Moreno convidou o Gabriel Thomaz, vocalista e guitarrista da banda Autoramas, para executarem “Os Punks Também Amam”. Na sequência, veio “Delinquentes” e depois, executaram “Evolução Atrasada”, cover da banda Fogo Cruzado. Para encerrar, “Zé Ninguém” e “O Punk Rock Não Morreu”, com a participação especial do guitarrista do Ratos de Porão, Jão. Porém, na música, junto com o Moreno, ele ficou nos vocais.

Aproximadamente, 50 minutos de duração, foi um bom show de ter presenciado. Um repertório bem selecionado, com composições clássicas que marcaram a banda na década de 80, Lixomania agradou a todos que estiveram presentes nessa apresentação emblemática do Punk.

Setlist:

1. Presidente
2. OMR
3. Eu Só Queria Ser Livre
4. Gerente
5. Guerra Nuclear
6. Massacre Inocente
7. Vigilantes
8. Pesadelo
9. Punk!
10. Grito de Ódio
11. Realidade
12. Escravo Moderno
13. Violência & Sobrevivência
14. Fugitivo
15. Carta do Futuro
16. Os Punks Também Amam
17. Delinquentes
18. Evolução Atrasada (cover do Fogo Cruzado)
19. Zé Ninguém
20. O Punk Rock Não Morreu

Line-up:

Moreno – Vocal
Miro de Melo – Bateria
Rogério Martins – Guitarra
Luiz Cecílio – Baixo

Ratos de Porão

Num intervalo de uns 15 minutos, o Ratos de Porão sobe ao palco e já iniciando os trabalhos com “Ódio” e “A Lei do Silêncio”, o Ratos já mostrou que chegou para quebrar tudo com suas composições pesadas, rápidas e com suas letras cheias de protestos. Em seguida, “Testemunhas Do Apocalipse” e “Ignorância” vieram na sequência. Depois, três clássicos do primeiro álbum de estúdio “Crucificados pelo Sistema” de 1984: “Morrer”, “Não Me Importo” e “Asas da Vingança”.

“Pensamentos de Trincheira” e “Crocodila” vieram na sequência. Depois, um dos maiores clássicos da banda e talvez, uma das melhores músicas da banda, apesar que é difícil de apontar qual a melhor música dessa incrível banda, o hino “Crucificados Pelo Sistema” foi cantado com a maior potência pelo João Gordo e pelo público que estava presente. “Desemprego”, cover da banda Fogo Cruzado e que faz do álbum “Feijoada Acidente?” de 1995, disco só com músicas covers, veio na sequência.

Os shows do Ratos de Porão, são arregaçadores onde os caras arrebentam e quebram tudo. Composições executadas com a maior potência e brutalidade, fazem parte dos shows da banda. Além disso, os riffs cativantes do Jão, as técnicas agressivas do Boka, o Juninho empolgado e com seus riffs pesados e graves no baixo e o João com seus vocais violentos, faziam parte do espetáculo.

Mais três clássicos da banda veio: “Beber Até Morrer”, uma das melhores da banda, “Aids, Pop, Repressão” e “Herança”. Composições do excelente “Brasil” de 1989, talvez, um dos melhores discos da banda. “Crise Geral” e “Crianças Sem Futuro”, foram as próximas. E chegando para o final da apresentação, a excelente “Igreja Universal” e “Periferia”, foram as últimas desse setlist agressivo que executaram na noite.

Em aproximadamente 55 minutos de duração, o Ratos de Porão, novamente, fez um excelente show pesado, brutal e digno do estilo que fazem. Um repertório muito bem executado e tocado de maneira insana pela banda, foi extremamente prazeroso em assistir uma banda tão boa como é o Ratos de Porão. Shows como esse, mostram o quanto o Ratos de Porão é e sempre foi uma das bandas mais importantes que já teve no Brasil.

Setlist:

1. Ódio
2. A Lei do Silêncio
3. Testemunhas Do Apocalipse
4. Ignorância
5. Morrer
6. Não Me Importo
7. Asas da Vingança
8. Pensamentos de Trincheira
9. Crocodila
10. Crucificados Pelo Sistema
11. Desemprego (cover do Fogo Cruzado)
12. Beber Até Morrer
13. Aids, Pop, Repressão
14. Herança
15. Crise Geral
16. Crianças Sem Futuro
17. Igreja Universal
18. Periferia

Line-up:

João Gordo – Vocal
Jão – Guitarra
Juninho – Baixo
Boka – Bateria

Fotos: Leandro Almeida

Giancarlo Rossi

Giancarlo Rossi

Redator em Imprensa do Rock
Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. Adora Cinema. E é maníaco por WWE.
Giancarlo Rossi

Giancarlo Rossi

Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. Adora Cinema. E é maníaco por WWE.