Powerfull e seu “Warrior Soul”: impressionando em todos os momentos

O projeto Powerfull teve inicio em março de 2014,

quando o vocalista Mario Pastore e o guitarrista Jones Jones, se reuniram para compor algumas músicas despretensiosamente. A banda foi criando corpo e os dois sentiram necessidade de ir em frente. As composições saíram com a influência de todos e conta com algo de Metal Tradicional e Prog Metal. Compõe o grupo também, o baterista Vagner Gilabel.

O álbum foi lançado em dezembro pela gravadora Marquee Records.

O trabalho tem 11 faixas e um cover de “I Want Out” (Helloween). A capa foi desenhada pelo artista Marcelo Berno, que também fez as capas da banda Pastore.

Esse novo projeto  impressiona em todos os momentos possíveis, principalmente pela técnica dos músicos presentes nesse álbum.

Com riffs bem técnicos em cada música, refrões poderosos, geralmente dois solos de guitarra cada música e o impressionante vocal do Mario, o disco empolga a cada momento.

O álbum começa com a intro “The Cave”, na qual nota-se de fundo a voz do Mario Pastore, e ela fica cada vez mais alta até chegar na música “Fireball”. Só com a introdução dessa música, o som já empolga e percebe-se que um bom álbum está por vir. Uma música bem rápida e energética. Seguido pela “Blue Beam”, com poderosos vibratos em sua introdução feita pelo Jones e com dois excelentes solos de guitarra.

“Believe” vem logo em seguida, uma música lenta, que vai ficando pesada com o passar dela, onde tem uma ótima introdução de guitarra sem distorção e ao mesmo tempo, é o melhor momento do Mario Pastore no disco, ele simplesmente dá um show com o seu excelente vocal.

Logo em seguida vem a “Reborn”, mais uma bela introdução de guitarra acompanhado pelo baixo, que logo depois, vem com um riff poderoso e que vai ganhando velocidade.

A faixa título “Warrior Soul”, provavelmente a música mais técnica do disco, impressionando muito a guitarra com andamentos rápidos e precisos.“Nightmares” é a música mais lenta do álbum com vocais e guitarras boas, porém a música mais fraca do álbum. “Screaming Inside” vem com uma introdução de guitarra bem distorcida e com um vocal mais grave.

Em seguida “Tears of Sunday” com uma intro fúnebre e com vozes no fundo, para depois ter solos de guitarras e ótimos vocais. “Spain” : uma música instrumental com um som bem bacana de violão. “Angels of Light” não é uma música que impressiona muito. Para fechar o álbum um excelente cover da excelente música do Helloween.

Conclusão : “Warrior Soul” é uma ótima recomendação para quem curte metal, provavelmente, fãs do gênero curtirão esse disco.

Faixas:

01 – The Cave (Intro)

02 – Fireball

03 – Blue Beam

04 – Believe

05 – Reborn

06 – Warrior Soul

07 – Nightmares

08 – Screaming Inside

09 – Tears of Sunday

10 – Spain

11 – Angels of Light

12 – I Want Out (Helloween Cover)

Nota: 8,5

Mais informações:
Facebook

 

Resenha elaborada pelo mais novo redator no IR: Giancarlo Rossi

Revisão: Paula Alecio