Patria retorna com novo álbum, ‘Hexerei’

“Hexerei”, termo em alemão que significa bruxaria, traz composições focadas na linha do black metal dos anos 1990 | Foto: Rachel Meert

Após cinco anos, a banda gaúcha de black metal Patria retorna com “Hexerei“, sucessor de “Magna Adversia”. O título, “Hexerei”, é um termo alemão que significa bruxaria, encontrado em livros antigos que retratam histórias sobre bruxaria na inquisição medieval. “Escolhemos esse título porque as letras e as músicas estão envoltas por esse lado mítico e ritualístico. Musicalmente, se comparado ao ‘Magna Adversia’, diria que pisamos no freio no sentido evolutivo, de uma maneira positiva, é claro. As músicas novas seguem mais aquela linha do black metal dos anos 90, sem muitos toques experimentais e progressivos”, explica Mantus. “Esse novo trabalho pode ser apontado como um resgate do que era o Patria nos primeiros álbuns, mas com uma produção melhor, ainda que suja e primitiva, e aliada a partes atmosféricas e melódicas”, completa o vocalista Tsword.

Além disso, Mantus explica que o Patria está usando mais sintetizadores e piano do que de costume. “A intenção foi criar um clima mais dramático e tétrico. Sempre usamos de forma discreta, mas a presença dessas novas texturas nesse novo material está muito mais expressiva e evidente, mas sem soar como algo ‘sinfônico’. A ideia foi ter uma ambientação que unisse a música ao contexto lírico. Ficamos bastante satisfeitos com o resultado”, detalha.

Mantus ainda comentou sobre o contraste com o som mais sujo em relação à capa. “Optamos por uma arte de capa minimalista e icônica, inclusive sem o uso do logo e do título nela. Essa abordagem subjetiva gera uma curiosidade maior. Eu queria fugir das capas tradicionais de black metal. As mãos com sangue seco simbolizam essa aura mítica de magia negra, morte e renascimento, onde a mão direita tenta conter a esquerda, como se fosse uma espécie de contraponto entre a razão e a emoção da mente humana.”

“Hexerei” conta com participações especiais, tendo a bateria gravada por Leonardo Pagani (Malphas), que tocou com Mantus por anos no Mysteriis e diversos outros projetos. “Ele é um baterista fantástico, um dos mais impressionantes que eu conheço e ainda assim tem essa vibe do metal mais ‘tosco’ no sangue, o que são qualidades difíceis de serem vistas juntas num mesmo músico. Além disso, é um ótimo produtor. Foi ele quem coproduziu, mixou e masterizou o álbum inteiro”, enfatiza Mantus. “Ele sabe como unir uma boa qualidade sonora com aquela sujeira que é necessária em um disco de black metal de verdade. Não poderíamos estar em melhores mãos.”

Além de Malphas, o álbum traz Demon Fog, da lendária banda carioca de black metal Songe d’Enfer, que dividiu os vocais com Tsword em várias faixas. “O curioso é que quando eu estava tirando o Patria do papel em 2008, era ele quem iria cantar no primeiro álbum, ‘Hymns of Victory and Death’, ainda antes de eu me mudar para a Serra Gaúcha e fundar a banda oficialmente. Considero o Songe d’Enfer uma das melhores bandas de black metal do Brasil e é uma honra tê-lo conosco em ‘Hexerei'”, comemora Mantus. “Para completar, tivemos a participação do vocalista Lembetu da banda Loits, da Estônia, na faixa ‘A Last Breath of Sulphur’, onde ele canta as partes dele em estoniano, revezando com Tsword cantando em inglês. Eu e o nosso outro guitarrista, Ristow, estivemos na Estônia em janeiro e marcamos de comer uma pizza com Lembetu, o que gerou essa ideia de tê-lo no disco. Eu adoro os discos do Loits e sou muito fã da voz dele, inclusive decidimos colocar como faixa bônus a mesma música, mas com ele cantando sozinho tudo em estoniano”, acrescenta.

Já a intro, “Hexerei”, que abre o repertório do disco, foi criada e orquestrada por Dave Deville. “Ele é um talentoso produtor e músico aqui da Serra Gaúcha, que já trabalhou para The Troops of Doom e Litosth. Ficamos amigos e a parceria também aconteceu com o Patria. Quando imaginamos uma ‘intro’ para o disco, queríamos algo realmente obscuro, inspirado por trilhas sonoras de filmes de terror antigos e a nossa base foi a trilha de ‘A Profecia’, do grande Jerry Goldsmith. O resultado ficou maravilhoso”, avalia Mantus.

Confira o teaser do single “Worms of Light” em https://youtu.be/r637wDf4ZL8

Repertório “Hexerei”:
01. Hexerei (Intro)
02. Worms of Light
03. Archetypes
04. A Last Breath of Sulphur
05. Under the Devil’s Void
06. Consecration
07. Unborn Spellcraft
08. Storm of Wilderness
09. Transmutation
10. All Vices
11. Viimne väävlisõõm (faixa bônus)

Live line-up:
Tsword – vocal
Mantus – guitarra
Ristow – guitarra
Vulkan – baixo
Abyssius – bateria

Pré-venda do CD: https://www.patriaofficial.com/loja

Discografia:
Hymns of Victory and Death (2009)
Sovereign Misanthropy (2010)
Gloria Nox Aeterna (EP, 2010)
Liturgia Haeresis (2011)
Faithless (EP, 2012)
Nihil Est Monastica (2013)
Individualism (2014)
Magna Adversia (2017)
Echoes from a Distant Past… (box, 2019)

Sites relacionados e mídias sociais:
https://www.patriaofficial.com/
https://patria.bandcamp.com/
https://www.facebook.com/patriaofficial
https://www.instagram.com/patriablackmetal/
https://twitter.com/patriabm

Spotify: https://tinyurl.com/ma4r4xtu

Ricardo Batalha

Ricardo Batalha

RICARDO BATALHA tem uma trajetória que se confunde com a própria história do heavy metal no Brasil. Trabalha na revista Roadie Crew desde 1996 e é um dos diretores da ASE Press – Assessoria e Consultoria.