Overload Music Fest: nova edição em São Paulo trouxe diversas novidades de atrações e organização impecável

Eis a minha primeira resenha colaborativa para a Imprensa do Rock e não poderia estrear em tão grande estilo! O Overload Music Festival que assim como seu primogênito também foi muito aguardado este ano. Tomando maiores proporções do que em 2014, o festival que foi muito bem pensando em ser no feriado, teve organização impecável e line-up bastante interessante, com a maioria das bandas vindo ao país pela primeira vez.

Overload Music Fest 2015 (Primeiro Dia) – Dia 05/09/2015

overload-music-fest-2015-primeiro-dia-2É o caso do Novembers Doom, banda americana do estado de Illinois. Confesso que conheço a banda não mais do que quatro anos, quando uma ex-colega de banda me apresentou o som do quintento e gostei prontamente. E pasmém! A banda é mais velha do que muita gente que lê nossas matérias e demorou 26 anos para fazer o primeiro show em nossas terras. Palavras do próprio vocalista, Paul Kuhr. Aliás, foram eles que abriram o festival com um set acústico de emocionar os presentes.

Em seguida, o homem multi-talento, Andy McKee. Com muita simpatia e virtuosidade (sim!) esteve a vontade com os presentes, mostrando um setlist não muito longo e com agradáveis surpresas, como releituras de “Africa” do Toto e “Everybody wants to rule the world” do Tears for Fears. Para mostrar sua versatilidade, trouxe um violão e baixo acústico que claro, também usava de percussão para executar uma das músicas. Bastante aplaudido, deu lugar ao Riverside.

O grupo polonês era um dos mais esperados da noite e para quem conhece bem a banda, foi um show além das expectativas apresentadas nos álbuns. Não foi só uma banda apresentando suas músicas. Foi show coeso, com muita energia e muito peso, mostraram sons do novo álbum “Love, Fear and the Time Machine” e dos antecessores. Ao meu ver (e escutar) Riverside e Andy McKee foram as gratas surpresas da noite.

Outra banda com sonoridade singular o The Reign of Kindo sobe ao palco. Penúltima banda da noite, a mistureba de influências deixou a banda com uma pegada pra lá de diferente, passeando por diversos estilos: prog, jazz, indie e porque não um vocal bem Pop, que remeteu muito ao Maroon 5. O destaque, na minha humilde opinião ficou a cargo do baterista Steven Padin e no percussionista Geraldo Castillo, que executavam tudo com o maior vigor possível. “Just Wait”, “Impossible World” e “Hold Out” foram algumas das músicas que deram o ar da graça no setlist.

O Anathema, banda marcada por vários imprevistos nas vindas ao país, fez sua segunda passagem só este ano, com um atraso de uma hora. Obviamente isso não foi um grande problema para os presentes que esperavam assiduamente para ouvir músicas que compartilhavam dos mais diversos sentimentos de cada um. Com poucas mudanças do setlist apresentado em fevereiro na Clash, tivemos a música homônima “Anathema” abrindo e a adição de “A simple mistake”.

Overload Music Fest 2015 (Segundo Dia) – Dia 06/09/2015

overload-music-fest-2015-segundo-dia

Domingo chuvoso, o dia mais esperado para essa que vos escreve. Veria Novembers Doom plugado e o sempre maravilhoso Paradise Lost novamente. A abertura do segundo dia ficou a cargo do Antimatter que também apresentou um set acústico. Com músicas como “Conspire” e “Leaving Eden” emanaram muito feeling, deixando os presentes preparados para o que viria a seguir.

Mono é uma banda do japão, quarteto que esteve pela primeira vez no país. Uma das características mais marcantes do grupo é a diferente apresentação, onde percebemos músicos completamente intimos de sua música, como se tocassem para eles próprios (no sentido bom). A outra, é que tocam alto. Bem alto. Isso faz parte da temática deles. Uma sonoridade ímpar, instrumental, onde o desenvolvimento da música é completamente orgânico: desde os arranjos até a execução, onde o volume e a agitação dos músicos condiz com a emoção passada naquele pedaço da música.

Após um setlist de seis músicas mas completamente intenso, era a vez da dobradinha Novembers Doom e Paradise Lost. Como disse, cada banda se destacou por algo único e o Novembers Doom não foi diferente. Prêmio de humildade e simpatia vão para a banda, que não economizava sorrisos, abraços e cumprimentos aos fãs que arriscavam o inglês para ter uma foto, autógrafo ou algum momento com seus ídolos, tão atenciosos. Então, tirando a simpatia de lado e tirando a beleza do acústico do dia anterior, Novembers Doom foi feita para soar pesada. E como soou bem, diga-se. Era perceptível que estavam muito mais a vontade tocando com guitarras elétricas, baixo a todo vapor, pedal duplo coeso e a voz de Paul, forte como um trovão. Que show! Para finalizar com chave de ouro, a hora tão aguardada por unanimidade: Paradise Lost.

Depois de 14 álbuns você até pode pensar que a banda não tem mais o que compor. Ledo engano, acabaram de lançar o incrível The plague within que mostra a boa fase da banda, perceptível no diálogo e animação de Nick Holmes que geralmente é meio calado. Setlist bem dosado se pensar na discografia da banda. Poderia ter tido um ou outro som do Draconian Times, mas o tempo é curto e o show também oportuno para divulgar o último álbum. Entre os destaques, Gothic, Erased, No hope in Sight, an eternity of lies (do ultimo álbum) e one second que não podia faltar, compuseram o set list.

Considerações finais:

overload-music-fest-2015-primeiro-diaA organização e agilidade do staff do festival está de parabéns. A possibilidade de proporcionar aos fãs meet & greet com várias bandas também foi uma atitude interessante e muito usada nos festivais mundo afora, uma dica para vários outros eventos, o que pode aumentar e bem o número de ingressos vendidos. Ponto negativo: preço abusivo de alimentação e pouca sinalização para quem quisesse comprar o merchandise das bandas do evento.

Resenha por: Renata Petrelli // Fotos por: Alessandra T.
Agradecimento pelo credenciamento: The Ultimate Music

Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos