Megadeth: David Ellefson e o renascimento da banda

davidellefsontop

David Ellefson falou com a Greensboro.com sobre a tentativa de reencontro do lineup clássico de “Rust In Peace” do Megadeth, antes dele fazer o mais recente álbum “Dystopia”. Ellefson e o líder do Megadeth, Dave Mustaine tentaram se reunir com o baterista Nick Menza e o guitarrista Marty Friedman para um novo álbum e turnê, mas em vez disso acabou gravando o LP com as mais recentes adições do Megadeth: o guitarrista brasileiro Kiko Loureiro, mais conhecido por seu trabalho com Angra e o baterista do Lamb of God, Chris Adler.

“Sempre houve o pedido dos nossos fãs para revisitar ‘Rust In Peace’ na formação original, o qual tínhamos modificado tudo, incluindo os ex-membros”, disse Ellefson. “Então, fizemos uma reunião, discutimos e até tocamos um pouco juntos, e… percebemos que seria melhor permanecermos amigos e deixar esse legado descansar na lembrança heroica na mente de muitos dos nossos fãs. Ficou claro: passado é passado. Nós vamos deixar que ele realmente descanse em paz, se quiser. Sem trocadilhos”.

Ele acrescentou: “O que é realmente legal sobre “Dystopia” é que os fãs sempre costumam clamar por coisas do passado. Esses dias parecem ter acabado. Acho que nós finalmente deixamos o passado em seu devido lugar. E o Megadeth renasceu”.

Ellefson também elogiou Adler, que entrou no Megadeth como um fã de longa data.

“Ele teve que ter seu momento fã, dizendo: ‘Cara, eu ouvia tanto o ‘So Far, So Good … So What!’ em cassete, que ele se deteriorou’”, Disse Ellefson. “E eu acho que um monte de fãs estão pensando que Chris pode trazer toda a sensibilidade do Lamb of God para o Megadeth… e isso não é fácil, porque os artistas sempre trazem com eles a sua própria assinatura sonora. E eu acho que o que você ouve no ‘ Dystopia’ é Chris Adler sendo um baterista do Megadeth fenomenal.”

Mustaine havia dito anteriormente que a reunião de planeamento do lineup original de “Rust In Peace” não se concretizou por uma série de razões, incluindo uma diferença de visão para a nova música do grupo. “Marty enviou alguns e-mails dizendo: ‘Oh, cara, você sabe, os fãs dão essa importância auto-declamada ao ‘ Rust In Peace ‘além do que ele realmente é. E para mim é tipo,’. Huh? ‘ Então, eu não sei se isso foi um tapa na cara dos fãs ou não, mas ele basicamente disse que se íamos fazer alguma coisa, tinha que ser melhor do que ‘Rust In Peace’. E ele me enviou alguns links para algumas músicas que ele achava que deveria ser a direção que estávamos tomando, e uma delas parecia banda J-Pop, com alguma cantora japonesa, e eu pensava, tipo, ‘uh-uh. isso não vai dar trabalho.’ Mais poder para Marty por trazer aquele material. Faça o que quiser, Marty. Ele é um grande guitarrista. Mas eu não vou cantar como uma garota japonesa.”

Em uma entrevista de 2015, Menza reivindicou que a reunião com o lineup de “Rust In Peace” se desfez porque Mustaine “não queria mostrar nenhuma dedicação em tudo.”

O baterista disse que ele foi abordado por Mustaine e Ellefson para substituir Shawn Drover no final de 2014, e que ele tinha começado a trabalhar em novas faixas com a banda. Mas o plano entrou em colapso depois que foi oferecido um contrato que ele descreveu como “muito injusto.”

Em conversa com a jornalista canadense Mitch Lafon, Nick disse: “Eu tentei fazer isso acontecer por todos os meus meios e esforços, tentei elaborar algo, mas ele simplesmente não queria me mostrar qualquer dedicação, é realmente o que resume. Você sabe, eu não preciso fazer isso. Eu queria”.

Completou: “Nós deveríamos ter feito um álbum desta vez, eu estava pronto. Eu estava lá, gravando com Dave, músicas novas, e nós tocamos um monte de músicas antigas para um fim de semana em San Diego, e depois nenhum acordo… foi colocado sobre a mesa para mim-. nada por escrito que eu sou, tipo, ‘Cara, eu não vou voltar até que você me dê um contrato e algum tipo de acordo aqui.’ E eles não produziriam isso. Então… se você não quer dividir os lucros comigo na turnê, esqueça. Eu tenho outras coisas que eu posso fazer que são mais emocionantes para mim.”

Fonte: Blabbermouth.Net
Tradução: Sara Ferrer
Edição: Victor Santos

Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos