Megadeth: Dave Mustaine discute possibilidade de re-gravação de ‘Killing Is My Business’ com formação atual

megadeth_2016-2-1024x682

Patryk Pigeon do site francês MusikUniverse.mu recentemente conduziu uma entrevista com Dave Mustaine, frontman do grupo Megadeth. Você pode ouvir o bate-papo no clipe do YouTube a seguir.

Sobre quem vai sentar-se atrás do kit – bateria –  para o Megadeth, quando Chris Adler (Lamb of God) não puder fazer shows:

Mustaine: “Bem, eu acho que o Chris diria que ele quer tocar todos os shows, então é isso que nós estamos tentando fazer. Se há shows que ele não pode tocar, ele já está recomendando um protegido seu … Não exatamente um protegido, mas alguém que ele escolheu, numa seleção a dedo. É um cara chamado Tony Laureano, que tocou com Nile e Dimmu Borgir;  ele é um dos dez melhores bateristas de metal extremo. Então, sim, será tão emocionante! Chris traz algo um pouco diferente do que Tony faz, porém canções são canções.”

Sobre se ele pediu a Chris Adler para sair do Lamb of God e juntar-se ao Megadeth em tempo integral:

Mustaine: “Bem, eu acho que isso é o que eu quero, mas eu não quero causar nenhum problema com Lamb of God, porque eu respeito a banda, que é a banda dele. E que ele está trabalhando agora, então eu acho que a melhor coisa, é tipo deixar as fichas caírem onde elas podem. Você sabe, pode haver um momento em que eles podem fazer  uma pausa por um tempo, talvez, e ele terá mais tempo para trabalhar com a gente. Uma coisa boa para nós estarmos no Megadeth agora, é que não estamos em turnê o tempo todo. Temos sorte… Pela graça e apoio dos fãs, nós podemos ser um pouco mais seletivos com as turnês que fazemos, e assim por diante, e isso, para mim, faz tudo valer a pena. Porque você tem que trabalhar duro e tocar em todos os lugares que você pode, mas você quer ter certeza de que você não está sendo vendido como um pedaço de carne lá fora. Houve alguns passeios que fizemos, que foram tão ruins para a banda, e tão ruins para os fãs, porque foi … Quer dizer, no começo, era muito, muito divertido, mas esse tipo de coisa, os lugares que nós estávamos tocando, não nos sentimos bem durante anos após “Risk”, e quando estávamos fazendo ‘The World Needs A Hero’ e coisas assim; aqueles foram alguns anos difíceis. Após o período em que [baixistas] James MacDonough estava por perto e James Lomenzo, sim, aqueles foram tempos difíceis. Não por causa deles em si – eles são grandes caras – mas foi difícil.”

Sobre a possibilidade de re-gravação de ‘Killing Is My Business … And Business Is Good!’, com formação atual:

Mustaine: “Veja, isso é uma coisa engraçada. Eu balancei minha cabeça algumas vezes. Porque eu vou dizer coisas… Como se você e eu estivéssemos sentados, tomando uma cerveja e alguns poutine ou algo assim, e nós estivéssemos conversando, e eu digo, ‘ você sabe, seria interessante ouvir como soaria algumas das músicas antigas gravadas com Kiko [Loureiro, guitarrista] e Chris’, e alguém está sentado ao meu lado em outra cabine, e eles vão, ‘Sim , acabei de ouvir Dave Mustaine dizer que vão regravar ‘Killing Is My Business’. ‘ Sim, eu disse isso. Eu quis dizer isso? Bem, há muitas coisas envolvidas em fazer algo assim. Então, eu não sei se eu quero voltar no tempo e fazer isso. Se eu voltar atrás e gravar músicas antigas, provavelmente seria como uma nova interpretação dos nossos maiores hits, porque eu acho que o foco em qualquer gravação seria mostrar uma interpretação de todas as nossas grandes canções por uma nova formação, seria mais emocionante. Nunca se sabe. Poderíamos fazer isso.”

O novo álbum do Megadeth, “Dystopia”, estreou como número 3 na Billboard 200, tendo alcançado o equivalente a 49.000 unidades na semana que terminou em 28 de janeiro.

Em termos de vendas de álbuns puros, “Dystopia” abriu com 48.000 cópias, marcando como álbum mais bem sucedida do Megadeth desde 1992 de “Countdown To Extinction”, que estreou em No. 2 na carta datada de 01 de agosto do mesmo ano. “Dystopia” também registrou melhor semana de vendas do grupo desde 2007, quando “United Abominations” que desembarcou em No. 8, com vendas na primeira semana de 54.000 cópias.

Fonte: Blabbermouth.Net
Tradução: Sara Ferrer
Edição: Victor Santos

Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos