Krisiun @ Sesc Belenzinho – São Paulo/SP (04/01/2019)

2019 já começou e começou bem. Muito bem. Pelo simples motivo de termos presenciado o primeiro show do ano, e qual show foi esse ? Dos irmãos poderosos, demoníacos e talentosos do KRISIUN. Com duas datas marcadas no Sesc Belenzinho e com ingressos esgotados nessas duas apresentações, tivemos presentes na do primeiro show, do dia 04. Com a divulgação do mais recente álbum “Scourge of the Enthroned” lançado no ano passado, sendo o 11º disco de estúdio da banda, KRISIUN facilmente aniquilou todas as estruturas do palco do Sesc num show perfeito para iniciarmos 2019 com tudo.

A intro mecânica é tocada pelas caixas de som, mais especificamente, a belíssima “Death Rides a Horse” de Ennio Morricone e com inúmeras vibrações do público, o trio dá início com a brutal “Ravager”, faixa que abre o excelente “Conquerors of Armageddon” (2000). Depois de vários aplausos e gritos de “Krisiun, Krisiun…”, o Alex anuncia a violenta “Combustion Inferno” do espetacular “Southern Storm” (2008), fazendo os moshs se abrirem na pista. Mandando uma do novo disco “Scourge of the Enthroned”, foi tocada a faixa-título, composição que sem dúvidas, quando a escutamos pela primeira vez, dificilmente a esquecemos, os ótimos riffs acelerados do Moyses, a bateria ultra veloz do Max, os vocais inconfundíveis do Alex, tudo nela é um espetáculo e bem técnica por sinal.

Indo para o “The Great Execution” de 2011, executaram duas faixas: “Blood of Lions” e “Descending Abomination”. O Moyses fez um breve agradecimento a todos que compareceram e depois foi o Alex que interagiu um pouco, dizendo o orgulho de ser brasileiro, que nunca viraram as costas para o país, apesar dos muitos problemas que o Brasil tem e terminou com a seguinte frase: “Nossa política, nossa religião, nossa cultura é o metal, e o nosso país é o Brasil”. Voltando para o novo álbum, tocaram “Demonic III” e executando uma das antigas, veio “Vengeance’s Revelation” do “Apocalyptic Revelation” de 1998, segundo disco da carreira dos irmãos.

Na sequência, a brutalidade infernal foi percorrida nas execuções “Bloodcraft”, faixa que abre o “Assassination” de 2006 e na “Devouring Faith” outra do “Scourge of the Enthroned”, para depois, como de costume, o Max Kolesne fazer aquela destruição na bateria em um de seus extraordinários solos que durou seus aproximados 4 minutos de pura fritação, técnica, velocidade e insanidade. Após, veio “Hunter of Souls”, do primeiro álbum de estúdio “Black Force Domain” de 1995, que segundo o Alex, uma composição extremamente significativa para a banda, pelo qual, haviam tocado ao longo da carreira em vários lugares e nos apresentaram nesse show também.

Dando prosseguimento, “Ways of Barbarism” do penúltimo álbum “Forged in Fury” de 2015 foi tocada para logo vir na sequência o maravilhoso tributo ao Motörhead “Ace of Spades”, bem tradicional o trio executarem essa poderosa composição em suas apresentações, gerando uma roda maior ainda na pista do Sesc e ao final, coros de “Lemmy, Lemmy…” foi realizado pelo público em homenagem ao lendário líder da banda Lemmy Kilmister, e finalizou com o Alex dizendo: “Descanse em paz Lemmy”.

Chegou a vez da saideira e ela ficou por conta da ótima “Kings of Killing”. O KRISIUN agradece a todos e se retiram do palco, porém, com inúmeras vibrações do público gritando “Black Force Domain, Black Force Domain…”, insistindo para que voltassem ao palco e executassem esse clássico absoluto da banda, o trio atendeu aos pedidos e tocaram “Black Force Domain” para a galera fritarem nas rodinhas e curtirem esse grande hino da banda. Finalizado a execução, KRISIUN novamente agradece a todos pela presença e fazem aquela famosa foto da banda com o público. E como no início da apresentação foi tocado pelas caixas de som Ennio Morricone, finalizaram com outra grande composição de sua carreira, dessa vez, “Per Qualche Dollaro In Più”.

Alex Camargo com seus impressionantes e inconfundíveis vocais guturais, sempre muito simpático com o público, interagia com eles a cada música executada, para agradecer e dizer algumas palavras, o Moyses Kolesne executando cada riff e cada solo de uma maneira magistral e brutal e Max Kolesne com sua técnica monstruosa na bateria. Sério, queria muito saber o que ele coloca nas mãos e nos pés para tocar desse jeito. A velocidade que nos apresenta não é algo comum, são ótimos andamentos ferozes e infernais devido aos seus grandes blast beats realizados. Foram altas performances em palco e como sempre, o trio devastou em cima do palco.

Com uma duração totalmente despercebida de uma hora e trinta minutos de show, KRISIUN realizou uma incrível e destruidora apresentação na comedoria do Sesc Belenzinho. Um excelente repertório executado com toda fúria brutal e demoníaca, ótimas interações da banda com os fãs, mosh-pits o tempo todo na pista, o power-trio nos agradou e nos cativou do início ao fim da apresentação. Que ótimo início de ano.

Setlist:

1. Ravager
2. Combustion Inferno
3. Scourge of the Enthroned
4. Blood of Lions
5. Descending Abomination
6. Demonic III
7. Vengeance’s Revelation
8. Bloodcraft
9. Devouring Faith
10. Drum Solo
11. Hunter of Souls
12. Ways of Barbarism
13. Ace of Spades (Motörhead cover)
14. Kings of Killing
15. Black Force Domain

Line-up:

Alex Camargo – Baixo e Vocal
Moyses Kolesne – Guitarra
Max Kolesne – Bateria

Fotos: Leca Suzuki

Giancarlo Rossi

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.
Giancarlo Rossi
Avatar

Giancarlo Rossi

Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.