Guns N’ Roses, Alice Cooper e Tyler Bryant & The Shakedown @ SP TRIP – Allianz Parque – São Paulo / SP (26/09/2017)

Último dia do mega festival que fez São Paulo tremer em quatro dias. Para fechar esse espetacular festival, a renomada e uma das mais representativas bandas de Hard Rock da década de 80, Guns N’ Roses, teve a honra de encerrarem a noite e encerrar a primeira edição do São Paulo Trip. Muito elogiado pelo show do ano passado realizado também no Allianz Parque, resolveram voltar e encantaram novamente os fãs.

Junto com eles, o sensacional Alice Cooper e a recente banda Tyler Bryant & The Shakedown, se apresentaram nesse maravilhoso encerramento da primeira edição desse extraordinário festival. Ou seja, a noite tinha de tudo para ser histórica e fantástica para dizer pouco.

Tyler Bryant & The Shakedown

Anunciado no cast em alguns meses antes do show, Tyler Bryant & The Shakedown, foi a primeira banda a se apresentar do dia. Formada por quatro integrantes, Tyler Bryant (guitarra e vocais), Noah Denney (baixo), Graham Whitford (filho de Brad Whitford do Aerosmith, na guitarra) e Caleb Crosby (bateria), fazem um som muito bacana, com riffs bem realizados, bons solos de guitarra e integrantes bem empenhados.

Infelizmente, cheguei só no final da apresentação da banda e consegui assistir só as duas últimas músicas: “Mojo Workin” e “Lipstick Wonder Woman”, onde o baterista Caleb Crosby, no meio da execução da música, retirou uma das partes da bateria e foi à frente do palco tocar.

No tempo que assisti a banda no palco, notou-se que o conjunto é bem interessante e faz uma sonoridade respeitosa e atraente. Bem divertido, conseguiram agradar os fãs presentes.

Alice Cooper

Com o palco preparado e estruturado para receber o carismático Alice Cooper, notou-se que seria mais um de seus shows teatrais divertidos e mostrando todo seu talento que sabe fazer no palco. Quando apagam-se as luzes, ouvimos a intro mecânica de “Spend the Night”. Momentos depois quando descobrem a cortina, já iniciaram com a excelente e cadenciada “Brutal Planet”. Percebemos já no seu visual gótico e bem característico, com uma ótima vestimenta, um palco personalizado com cabeças de bonecos pendurados, imagens de olhos tapados por aranhas, entre outras características, para dar um clima ao show teatral dele baseando-se em filmes de terror.

A clássica “No More Mr. Nice Guy” empolgou ainda mais a galera e por ser um dos maiores clássicos do Alice, foi muito bem executada. “Under My Wheels”, primeira música do “Killer” (1971) a ser executada da noite, foi a próxima. E começando com um de seus números no palco, veio a clássica “Billion Dollar Babies”, com o Alice segurando uma espada cheio de dólares e disparando-as para o público. Tudo para dar um ambiente característico na apresentação e divertirem os fãs.

Na música seguinte, “Paranoiac Personality” do mais recente álbum “Paranormal” de 2017, apareceu no palco, uma enfermeira maluca tentando enfiar uma injeção no Alice, porém, foi mal sucedida nesse quesito e não conseguiu. “Woman of Mass Distraction” foi executada para depois, a excelente guitarrista Nita Strauss fazer um excelente solo, demonstrando ainda mais do seu talento. Um dos maiores clássicos do Alice foi tocada em seguida, a ótima e empolgante “Poison”, com direito de inserirem uma imagem de uma aranha envenenada no telão de fundo, novamente, para dar uma atmosfera na música sendo tocada.

Talvez uma das melhores músicas foi executada, “Halo of Flies”, segunda música do “Killer” a ser tocada. Aparecendo com uma cartola sendo colocada na cabeça, é uma excelente música num ritmo bem harmonioso e sendo executada de maneira perfeita. Chegando para o final da música, o Alice deu um tempo e deixou o palco por uns minutos, para o baterista Glen Sobel fazer um solo insano. Nesse tempo que o Alice ficou fora do palco, quando estavam prestes a iniciar a música seguinte, ele apareceu saindo de um baú com uma roupa branca e marcas de sangue nela, um certo clima para executarem a excelente “Feed My Frankenstein”, com direito no telão de fundo, usarem uma imagem sinistra de uma sala de operação. Outro número teatral dele na noite e um de maiores destaques, quando ele foi colocado numa espécie de um aparelho grande e com uma máscara de gás inserida no rosto. E depois de fumaças sendo cobertas nele e um certo curto elétrico no aparelho, ele e o aparelho desaparecem no palco e surge um monstro gigante bizarro no palco (na verdade, uma pessoa vestida como um boneco gigante se passando pelo Frankenstein), resultado da experiência feita pelo Alice e como não fosse o bastante, o monstro continuou cantando a música até ser finalizada, basicamente só o refrão dela.

Quando o Alice volta ao palco, executou dois clássicos do seu álbum de estúdio “Welcome to My Nightmare” de 1975: “Cold Ethyl”, com direito do Alice aparecer com uma boneca no palco e ficar interagindo com ela, como agredindo-a, jogando ela no chão, cantando para ela, entre outras maluquices que ele costuma fazer. E a lenta “Only Women Bleed”, onde aparece uma mulher se passando por uma boneca movida a corda. Dançou pelo palco e interagiu com o Alice enquanto executava essa ótima canção. E no final dela, o Alice mata a boneca com uma facada bem no peito.

Em seguida, pequeno trecho da música “Killer” foi tocada e logo já veio “I Love the Dead”, talvez o melhor número da noite. Onde a famosa guilhotina tomou conta do centro do palco, em que o Alice é levado forçadamente até ela e como estava fácil de perceber, ele foi decapitado. Nesse momento, o carrasco pegou a cabeça decapitada do Alice e mostrou para o público. Durante a execução da música, como o Alice tinha acabado de ser “decapitado”, o restante da banda finalizou a música cantando os refrões dela.

Continuando, o Alice apareceu de volta no palco e inteiro, segurando a sua cabeça decapitada numa mão e uma muleta na outra, foi a vez da clássica e excelente “I’m Eighteen”, outra música que entra no ranking entre as melhores da carreira dele. Chegando para o fim, foi a vez do “bis” e não poderia ser outra se não a clássica “School’s Out”. Música que marcou o cenário do Rock, foi executada de maneira bem divertida e com a participação especial do guitarrista do Sepultura Andreas Kisser, que entrou no meio da música executando os solos dela. O público empolgado com a presença do Andreas, foi um momento extremamente agradável e simpático por parte do Alice em chamá-lo para executar a canção como também, simpático do Andreas em aceitar uma proposta irrecusável que foi essa. E se não fosse o bastante, executaram em conjunto, um pequeno trecho da música “Another Brick in the Wall Part 2” do Pink Floyd.

Depois do Alice Cooper fazer a apresentação da banda, o show foi finalizado. Com uma hora de apresentação, o Alice fez um espetáculo fantástico e extremamente empolgante. Um verdadeiro show teatral feito em São Paulo, assim como ele faz em suas turnês.

Como eu já falei da performance do Alice Cooper e dos seus grandes números em cima do palco, merece destacar a sua grande voz que sempre teve. Continuando com seus ótimos vocais, foi surpreendente nesse aspecto e surpreendente na sua disposição no espetáculo. Contando com integrantes bem dispostos e mostrando boas performances no show. Destaque para a guitarrista Nita Strauss, que nos abrilhantou com um excelente solo no meio da apresentação. E do baterista Glen Sobel que também fez um solo respeitoso e impressionante.

Um espetáculo presenciado naquela noite. Alice Cooper com sua excelente voz e seu grande talento em palco, devido a sua performance carismática e pela apresentação teatral que nos abrilhantou, sem dúvidas, é um dos melhores shows do ano.

Setlist:

1. Brutal Planet
2. No More Mr. Nice Guy
3. Under My Wheels
4. Billion Dollar Babies
5. Paranoiac Personality
6. Woman of Mass Distraction
7. Guitar Solo (Nita Strauss)
8. Poison
9. Halo of Flies (with Glen Sobel drum solo)
10. Feed My Frankenstein
11. Cold Ethyl
12. Only Women Bleed
13. Killer (partial)
14. I Love the Dead

Line-up:

Alice Cooper – Vocal
Ryan Roxie – Guitarra, Backing Vocals
Chuck Garric – Baixo, Backing Vocals
Glen Sobel – Bateria, Percussão
Tommy Henriksen – Guitarra, Backing Vocals
Nita Strauss – Guitarra, Backing Vocals

Guns N’ Roses

O tão esperado show do Guns N’ Roses estava para acontecer e como previsto por eles, tocariam por três horas de duração, e foi exatamente isso que aconteceu. Mais precisamente, três horas e quatorze minutos.

Pistas lotadas a espera pela banda e antes da intro, uma breve apresentação no telão de fundo envolvendo tiros de armas de fogo. Logo, a intro mecânica da famosa e divertida música do “Looney Tunes” é executada. Depois, mais uma intro mecânica é executada, dessa vez a música do filme The Equalizer composta por Harry Gregson-Williams.

Quando o locutor fez aquela famosa anunciação da banda para a galera, o público foi ao delírio. Instantes depois, o Guns sobe ao palco e já iniciando o show com as excelentes “It’s So Easy” e “Mr. Brownstone”, a banda já mostrou seu papel no desempenho das execuções. Com os integrantes bem participativos e dispostos a se apresentarem, a diversão já começou neste exato momento. O Axl e o Slash, por exemplo, já estavam percorrendo pelo palco e agitando cada vez mais o show.

“Chinese Democracy” do mais recente álbum de nome homônimo, foi executada em seguida. Quando ouvimos as primeiras notas da “Welcome to the Jungle”, a galera foi a loucura. Prestigiar um clássico como esse é algo inesquecível. Que som maravilhoso o Guns faz para cativarem o público e claro, os fãs cantando o refrão da música numa potência impressionante.

Incrível de presenciar os desempenhos de cada integrante da banda. Todos fazendo seus papeis de maneira primorosa e super dedicada. Destaque imenso para o grande guitarrista Slash. O que esse cara fez em palco, é algo absurdo. Ele não parava por um segundo sequer. Sempre dedicado nos excelentes riffs e nos excelentes solos. E sempre se movimentando e percorrendo pelo palco o tempo todo. Que prazeroso de assistir um músico como esse.

O carismático e front-man Axl Rose, estava desempenhando bem os seus vocais. Seja nos graves ou nos agudos, estava exercendo as suas ótimas funções e assim como o Slash, bem representativo no show e movimentando-se sem parar.

Continuando, “Double Talkin’ Jive”, “Better” e “Estranged”, prosseguiram com o espetáculo. O primeiro cover da noite foi executada em seguida, “Live and Let Die” da banda Wings. Música já do seu álbum “Use Your Illusion I” (1991) e bem reconhecida por todos, é uma ótima adaptação desse clássico do Rock e que deixou os fãs mais vibrantes. As excelentes “Rocket Queen” e “You Could Be Mine” foram tocadas. Duas canções maravilhosas, sendo essa última, ganhando destaque para o grande desempenho do baterista Frank Ferrer. Seja na sua intro poderosa ou nas ótimas harmonias que a bateria desempenha.

Executaram em seguida a intro da música “You Can’t Put Your Arms Around a Memory” do Johnny Thunders, para inciaram “New Rose”, cover da banda The Damned. Músicas do “The Spaghetti Incident?” (1993), álbum inteiro composto por músicas covers. E foi o baixista Duff McKagan que se responsabilizou em assumir os vocais. A balada “This I Love”, “Civil War”, “Yesterdays” e “Coma” vieram na sequência.

Depois, o Axl fez uma breve apresentação da banda e por último quando anunciou o Slash, ele foi o único que se manteve no palco e fez um ótimo solo de guitarra. Nele, consistia até na música “Johnny B. Goode” do Chuck Berry. Logo em seguida, tocou o famoso tema do filme “The Godfather”, “Speak Softly Love” composta por Nino Rota. E como de costume, em seguida, foi executada a clássica “Sweet Child O’ Mine”. Onde novamente, o público vai ao delírio com essa maravilhosa canção. Sem dúvidas, uma das melhores composições da história da banda, com uma intro extremamente marcante, excelentes solos do Slash e o Axl desempenhando bons vocais, foi de extremo prazer e muito divertido de vê-los executarem esse clássico.

“Wichita Lineman” do Jimmy Webb, foi mais um cover executado na noite. “Used to Love Her” e a empolgante “My Michelle”, foram as próximas que continuaram com o show. Em seguida, o Slash e Richard Fortus, tocaram a ótima “Wish You Were Here” do Pink Floyd. Realizada de maneira instrumental a base de guitarras, foi simplesmente maravilhoso de ser tocada. Ficou um duelo nos solos de guitarra. Quando finalizaram, foi colocado um grande piano no centro do palco e com o Axl Rose já preparado nele, fez um breve aquecimento e executou o lindo final da música “Layla” da banda Derek and the Dominos. Isso para vir a linda “November Rain”. Talvez um dos melhores momentos da noite. Executando-a perfeitamente, com o Axl cantando e tocando de extrema qualidade e o Slash executando aquele extraordinário solo, foi muito impressionante e lindo de ser assistido.

Em seguida, veio uma série de três covers: “Black Hole Sun” do Soundgarden, “Knockin’ on Heaven’s Door” do Bob Dylan. Talvez o melhor cover adaptado pela banda. Um maravilhoso riff bem executado, um refrão atraente e o Slash executando seus excelentes solos. Com direito do público interagir e cantando o refrão da música algumas vezes quando o Axl solicitava. E a empolgante “I Got You (I Feel Good)” do James Brown. Após, veio “Nightrain”, outro clássico da banda bem realizada.

Na vez do “bis”, executaram mais quatro excelentes músicas. Começando com a intro “Melissa” e partindo logo para a linda “Don’t Cry”. Outra canção que entra no ranking das melhores composições da história da banda. A balada “Patience”, foi realizada e assim como na música anterior, outra linda composição da banda. “The Seeker” do The Who, foi mais um e último cover da noite. E para finalizar essa apresentação extraordinária, não poderia ser outra se não a magnífica e deslumbrante “Paradise City”. Deixando os fãs vibrarem a todo momento e cantando os trechos dessa maravilhosa música.

Assim, o Guns N’ Roses finaliza sua memorável apresentação de três horas e quatorze minutos em São Paulo. Com agradecimentos da banda ao público e altas ovacionadas dos fãs a banda, foi uma noite inesquecível e extremamente prazerosa de ser presenciada. Emocionante, admirável, fascinante e significativa para todos os presentes.

Recheado de clássicos da carreira da banda, músicas covers de excelentes bandas, vários solos de guitarra, fogos o tempo, integrantes empenhados e de extremo talento e um público empolgado, vibrante e se divertindo o tempo todo, o Guns N’ Roses novamente fez uma apresentação digna de uma ótima banda de Rock.

Além dessa apresentação ter sido histórica pela duração que foi, eles fecharam o São Paulo Trip com chave de ouro. Agora torcemos para acontecerem mais edições desse festival nos próximos anos. Porquê depois de todas essas bandas que se apresentaram e nas ótimas recepções do público, esperamos ansiosamente as próximas edições desse fantástico festival que foi. Que venha mais São Paulo Trip pela frente.

Setlist:

1. It’s So Easy
2. Mr. Brownstone
3. Chinese Democracy
4. Welcome to the Jungle
5. Double Talkin’ Jive
6. Better
7. Estranged
8. Live and Let Die (Wings Cover)
9. Rocket Queen
10. You Could Be Mine
11. New Rose (The Damned Cover) (with You Can’t Put Your Arms Around a Memory intro)
12. This I Love
13. Civil War
14. Yesterdays
15. Coma (followed by Band intros)
16. Slash Gutar Solo (with “Johnny B Goode” by Chuck Berry jam in the middle)
17. Speak Softly Love (Love Theme From The Godfather) (Nita Rota Cover)
18. Sweet Child O’ Mine
19. Wichita Lineman (Jimmy Webb Cover)
20. Used to Love Her
21. My Michelle
22. Wish You Were Here (Pink Floyd Cover) (Slash & Richard Fortus Guitar Duet)
23. November Rain (“Layla” by Derek and the Dominos piano exit-intro with Axl Rose playing grand Piano)
24. Black Hole Sun (Soundgarden Cover)
25. Knockin’ on Heaven’s Door (Bob Dylan Cover)
26. I Got You (I Feel Good) (James Brown Cover)
27. Nightrain

Encore:

28. Don’t Cry (with Melissa intro)
29. Patience
30. The Seeker (The Who Cover)
31. Paradise City

Line-up:

Axl Rose – Vocais e Piano
Slash – Guitarra e Backing Vocals
Duff McKagan – Baixo e Backing Vocals
Richard Fortus – Guitarra Rítmica e Backing Vocals
Dizzy Reed – Teclados, Piano, Percussão e Backing Vocals
Frank Ferrer – Bateria
Melissa Reese – Teclados e Backing Vocals

Fotos: https://www.flickr.com/photos/saopaulotrip