Gary Holt: guitarrista fala sobre período em que esteve com COVID-19

Em março passado, o guitarrista do Exodus e do Slayer, Gary Holt, testou positivo para o novo coronavírus. Agora já recuperado e em casa, ele relatou ao podcast do líder do Machine Head, Robb Flynn, “No Fuckin’ Regrets With Robb Flynn”, como foi esse tempo em que esteve doente. 

Ele fala: “Quem sabe quantas pessoas eram assintomáticas? Nós não sabemos. A banda inteira poderia estar caminhando junto. Eu sou o único que ficou doente. Eu estava muito doente. Eu não saí da cama. Tudo o que fiz foi dormir por um casal. Parecia uma gripe muito desagradável, mas durou um pouco mais, talvez … eu tenho sorte, já tive a gripe antes, e isso também foi uma droga, e isso foi mais ou menos no mesmo nível. Foram necessários vários e-mails e telefonemas, e eles finalmente testaram a mim e a Lisa. E ela deu negativo, apesar de dividir uma casa, um quarto e uma cama comigo. Minha única conclusão a que posso chegar é que ela já a teve e era assintomática, porque, por mais contagiosa que seja, não tem como ela não pegar.”

Flynn se achamos que viveremos em um “mundo melhor” quando a pandemia desaparecer, Holt disse: “Espero que você e eu ainda tenhamos uma merda de industy quando sairmos disso. Quando você pensa sobre isso, nós músicos e atletas, somos os últimos a se recuperar disso, porque os restaurantes se recuperam – talvez eles arrumam as mesas e, eventualmente, não precisem -, mas estamos em um negócio no qual dependemos de quantas pessoas pudermos, e queremos mais e mais pessoas.Nós dependemos deles estarem suados e em contato direto um com o outro. Quanto tempo vai demorar antes de vermos a normalidade nisso? Quem sabe? será mais difícil.”

A entrevista completa pode ser vista no vídeo abaixo.

Avatar
Últimos posts por Marcio Machado (exibir todos)
Avatar

Marcio Machado

Estudante de História pela Universidade do Estado de Minas Gerais (UEMG), mas com o pé no jornalismo musical, desde os 12 anos se arriscava à escrever sobre o que ouvia em cadernos, se enveredando pela escrita jornalistica do Metal desde 2016 com o Whiplash, tendo de lá para cá, 80Minutos, Headbangers News, Gaveta de Bagunças, Headbangers Brasil e recentemente o Imprensa do Rock, como casas para seus textos e chatices. Tem como bandas de cabeceira Korn, Alice in Chains e Pantera, mas fã de muita coisa dos anos 90, a melhor década.