Gamma Ray apresentou sua “Best of The Best” tour, em SP, no Carioca Club

gamma_ray_2_sp_2015_imprensa_do_rock

gamma_ray_2_sp_2015_imprensa_do_rock

O Gamma Ray retornou ao Carioca Club, em São Paulo, no último domingo, 4, e apresentou a “Best of the Best – Party Tour 2015”. O show contou com bastante surpresas – mesmo com alguns problemas técnicos de instrumento e som baixo.

Em uma noite de domingo ao qual o frio nos pegou de surpresa, por volta das 20h, os fãs já estavam a postos dentro da casa, muitos acompanhados e alguns sozinhos, mas estava todos lá para ver apenas uma banda: Gamma Ray.

Aqueles tradicionais testes de luzes começaram a aparecer e, uns cinco minutinhos antes, estavam realizando testes de fumaça de palco. Foi quando de repente, diminuíram por total o volume do som ambiente e as 20h30 em ponto, conforme horário destacado nos ingressos, os alemães sobem ao palco através da intro de “Avalon”, música do recente “Empire of the Unded”, lançado em 2014.

“Heaven Can Wait” veio com sua pegada enérgica, essa que foi lançada nos anos 90 e faz parte do álbum “Heading For Tomorrow”, o público cantou do começo ao fim e os headbangers cabeludos de plantão começaram a bangear sem perder tempo seguidamente de “Last Before The Storm”, de Insanity & Genius, aqueles que não tinham cabelo, tentavam curtir fazendo sua melhor performance através da “guitarra imaginária”.

Uma pausa e o clima de conspiração tomou conta do Carioca Club. A segunda e provocadora introdução da noite, “Induction”, deu abertura para o público gritar contra os illuminatis e abriu espaço para “Dethrone Tyranny”, de “No World Order!”, 2001, que levantou os fãs em peso com a pegada de riffs e pedal duplo que consumia todo o espaço.

O cover do Helloween que o Gamma Ray sempre toca em seus shows, veio a tona e com aquele “Q” a mais, por que? Kai Hansen e cia, resolvem, no meio da música, misturar sons bem ao estilo Puddle of Mudd, aquele rock com pegada para skatistas, colocando também uma pitada de reggae e mandando da forma mais “maneira” possível doses de “Fuck You!”, “Fuck You!”, “Fuck You!” fazendo o público literalmente cair na gargalhada, pois, foi algo muito de “surpresa”.

“The Silence” uma baladinha, novamente de “Heading for Tomorrow”, veio para acalmar o público, quando Kai Hansen pediu para que os fãs pegassem seus celulares, isqueiros e iluminassem o ambiente fizeram “jus” a canção.

Na sequência, um solo de bateria para dar aquela “pausa” para os integrantes descansarem veio através de Michael Ehré onde mostrou sua técnica com viradas e chamando o público para que o ajudassem a encontrar seu “melhor solo” sempre ao final de cada virada o mesmo tentava provocar o público de todo jeito incluindo, chamando o baixista Dirk Schlächter para participar do solo e sair de fininho depois de sua entrada majestosa.

Chegamos na metade do show com “Blood Religion”, de “Majestic, 2005”, “Master of Confusion”, de “Empire of the Undead, 2014” e “Somewhere Out in Space”, onde Kai Hansen enturmou sempre que possível com o público, vendo qual o lado da casa gritava mais alto, quem cantava melhor o refrão, dizendo que no fundo, no fundo, somos todos loucos e anunciou “Master…” e trazendo a “Somewhere…” como uma dedicação ao passado.

“To The Metal!”, de “To The Metal!, 2010” veio para finalizar a primeira parte do show e com um leve discurso Kai disse: “Essa música é dedicada a um garoto – falando sobre ele – que na adolescência ouviu pela primeira vez na vida o Heavy Metal” e completou: “Cara, como isso é demais, incrível”.

O público não acreditava que eles já tinham saído do palco pois, afinal, tinham tocado ‘apenas’ 12 músicas e queriam – queríamos – muito mais. Voltaram sem camisas, com energético na mão, aquele chapéu de cowboy, óculos escuro – diga-se de passagem – e finalizaram a excelente noite com “Man on a Mission”, “Rebellion in Dreamland” / “Land of the Free” e “Send Me a Sign”.

Apesar dos probleminhas com o baixo de Dirk Schlächter no começo do show, o volume baixo dos instrumentos e a iluminação não muito legal que dificultou um pouco o trabalho dos fotógrafos, a apresentação do Gamma Ray deixou aquele bom gosto de “quero mais!” e com certeza, Kai Hansen irá ouvir nossas preces e retornarão com uma nova e excelente turnê.

Arrow
Arrow
ArrowArrow
Slider

 

SETLIST // Gamma Ray – Carioca Club – SP – 2015

  1. “Avalon”
  2. “Heaven Can Wait”
  3. “Last Before the Storm”
  4. “Induction”
  5. “Dethrone Tyranny”
  6. “I Want Out” (Helloween cover)
  7. “The Silence”
  8. “Drum & Bass Solo”
  9. “Blood Religion”
  10. “Master of Confusion”
  11. “Somewhere Out in Space”
  12. “To the Metal”
  13. “Man on a Mission”
  14. “Rebellion in Dreamland” / “Land of the Free”
  15. “Send Me a Sign”

Resenha por: Victor Santos // Fotos por: Matheus Silva
Agradecimento pelo credenciamento: Free Pass

Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos