Foo Fighters: banda detonou com show no Maracanã fazendo jus a cidade maravilhosa

Fãs dos shows em estádio foram presenteados com um concerto incrível de uma das maiores bandas do mundo no Maracanã, no Rio de Janeiro.

A partir do momento em que uma enorme imagem do Cristo Redentor contra uma lua cheia cumprimentou os fãs do Foo Fighters no palco, as 60.000 pessoas ali presentes perceberam que estavam prestes a presenciar algo especial, algo magnífico, colossal e quase que espiritual.

Os roqueiros mostraram que não perderam nada da sua pegada com um setlist ambicioso, com os principais sucessos de 20 anos e oito álbuns. Desde o começo eles arrancaram com uma enorme energia, e de alguma forma mantiveram um ritmo implacável o tempo todo, apesar da noite quente.

Desde que tocaram “Everlong”, no clímax de uma maratona de 2h30 de show e 23 canções, a multidão estava num clima de nirvana encharcado de suor e incrivelmente, implorando por mais.

Sem parar rasgaram em linha reta com “The Pretender”, que elevou uma atmosfera já crepitante ainda mais. “Como vão vocês?” Grohl gritou e apontou para a pista pela primeira vez, levando a galera ao delírio. Não é toda banda que conta com a presença e qualidade para enfeitar este estádio lendário, mas o renomado Foo Fighters já estava mostrando que tinham mais do que suficiente para botar o Maracanã abaixo, mas os fãs brasileiros fizeram sua parte muito bem também.

Em seguida, tocaram “Learn to Fly” com uma qualidade comparável com a de estúdio; Seguiram perfeitamente para “Breakout”, onde Grohl interrompeu-se e deixou a multidão assumir os vocais antes de chutar de volta para um final que levou o lugar a loucura. Eles seguiram com “My Hero” – Taylor Hawkins tocou como se sua vida dependesse disso. O solo sagrado do Maracanã e a multidão adorando-o reverberou em cada batida de sua estrondoso bumbo.

Foto por: © Marcos Hermes - Time For Fun (T4F) // Foo Fighters no RJ 2015

Foto por: © Marcos Hermes – Time For Fun (T4F) // Foo Fighters no RJ 2015

“Este é o nosso maior show no Brasil… e vamos tocar todas as músicas que pudermos até que eles nos chutem para fora do palco”, prometeu Grohl antes de lançar em “Congregration” – Taylor Hawkins foi enquadrado no telão em uma janela da igreja, para reforçar o fato de que nós estávamos lá para uma adoração no altar do rock.

O magnífico “Walk” e seguido o refrão “I never wanna die” assumiu o mais profundo e maior significado. Na verdade, tudo o que essa banda faz é épico, até mesmo o todo poderoso arroto que Grohl soltou em seu microfone no final da canção.

Houveram apresentações dos membros, seguido de solos de Chris Skillet & Pat Smear (guitarra), Nate Mendel (baixo), Rami Jaffee (teclados), Hawkins (bateria) e o próprio Grohl. Embora cada um tenha feito sua parte, estes solos poderiam facilmente ter sido dispensados, sem afetar o andamento do show.

“Skin and Bones”, simples e suave, com Grohl no acústico e acordeão de Rami Jaffee, o que acrescentou uma pegada “rockabilly” na canção. No entanto, outra mudança de ritmo surgiu quando a banda decidiu tocar versão cintilante de “Times Like These” , mais uma vez mostrando sua capacidade de misturar um set-list perfeitamente para que o ritmo possa mudar, mas sem perder a essência do show.

Esta mudança foi seguida por quatro covers: “Detroit Rock City” (Kiss), “Tom Sawyer” (Rush), “Stay With Me” (The Faces) e “Under Pressure” (Queen & David Bowie), homenageando suas influências. “Stay With Me” foi muito divertida, com brilhantes teclados no velho estilo de Jaffee, a versão de Under Pressure não foi tão boa assim, comparado com Queen e Bowie cantando, mas ninguém poderia esperar algo impecável da banda, algo próximo a estes outros dois deuses da música. Apesar disso, a multidão adorou.

Este mini-set de covers terminou com uma enorme ovação, e quase 2 horas e 15 minutos, Grohl entrou no palco e gritou: “Este é apenas o início do show!!!”.

Apesar desta afirmação soberba, ele mais uma vez cumpriu sua promessa, levando a apresentação a outro nível tocando a alucinante “All My Life”, o que levou a multidão para fora da estratosfera. “Best of You” foi o penúltimo hino em uma noite de clássicos, mas o clímax mesmo se deu com “Everlong”, onde a multidão estava realmente se perguntando se esta apresentação poderia ser mais perfeita.

Os 60 mil fãs presentes em uma das mais rápidas 2h30 de suas vidas tinham se acabado em uma noite mágica no Maracanã. Eles prometeram voltar em breve, vamos esperar que esta seja outra promessa que esta banda incrível será capaz de entregar.

Foto por: © Marcos Hermes - Time For Fun (T4F) // Foo Fighters no RJ 2015

Foto por: © Marcos Hermes – Time For Fun (T4F) // Foo Fighters no RJ 2015

Resenha por: Patrick Fitzgerald // Fotos por: Marcos Hermes (T4F)
www.brazirish15.wordpress.com (Blog de Patrick Jornalista Irlandês)

Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos