Far From Alaska divulga turnê na Europa e volta ao palco do MADA em 2018.

Far From Alaska divulga turnê na Europa e volta ao palco do MADA em 2018.

Banda potiguar confirma presença nos 20 anos do festival e anuncia agenda completa na Europa.

 

​Foto: Murilo Amancio

Riffs pesados, vocais femininos e letras em inglês fazem da Far From Alaska uma das principais bandas do país, que chega diretamente de uma turnê na Europa para se apresentar na 20a edição do Festival MADA, dia 12 de outubro. Emmily Barreto (voz e sintetizadores), Cris Botarelli (lap steel, baixo, sintetizadores e vocais), Rafael Brasil (guitarra e baixo) e Lauro Kirsch (bateria) vão passar pelos seguintes países: Alemanha, França, Hungria, Suíça, Portugal, Inglaterra e Croácia com a turnê do disco “unlikely”, lançado em agosto do ano passado. Eles divulgam hoje a agenda completa que dá início em setembro:

13/09 Suíça em Olten no Coq d’Or

14/09 Alemanha em llmenau no Baracke 5 e.V.

15/09 Alemanha em Berlin no Swamp Fest

18/09 Croácia em Zagreb no KSET

20/09 Hungria em Budapest no Robot

21/09 Alemanha em Dachau no Outback Space Club

22/09 França em Paris no Supersonic

23/09 França em Nantes no Le Ferrailleur

27/09 Portugal em Lisboa (à confirmar local)

28/09 Portugal em Aveiro no Avenida

29/09 Portugal em Braga no Braga Music Week

01/10 França em Chambery no Brin du Zinc

06/10 Dinamarca em Copenhagen no Spillestedet Stengade

09/10 Inglaterra em London – The Underworld

10/10 Inglaterra em Bristol no Rough Trade

Unlikely

Produzido e gravado por Sylvia Massy (Tool, System Of A Down, Johnny Cash) em seu estúdio em Ashland – Oregon (EUA), o segundo álbum do grupo é o sucessor de “modeHuman”, que catapultou a carreira dos potiguares. Questionada sobre a diferença entre o Far From Alaska de 2014, quando o grupo estreou no palco do festival, e de hoje, Cris Botarelli afirma: “Muita coisa mudou de 2014 pra cá! Nós mudamos de Natal para São Paulo, tocamos em quase todos os grandes festivais do país e fomos para os EUA gravar nosso segundo disco “unlikely”. Também iniciamos os passos para uma carreira internacional com algumas idas à Europa (Liverpool Sound City 2018, Download Festival Paris 2017 e 50o Midem – Cannes 2016), fizemos muitas colabs com bandas parceiras… fomos abençoados com muitas coisas legais! A diferença entre o FFA de 2014 pra agora é que hoje somos mais seguros do som que queremos (e de como alcançá-lo), o que nos deixa mais tempo pra curtir muito no palco e fazer um show mais divertido, mais a nossa cara pra galera”. Depois de 2014, a banda também se apresentou no MADA em 2016.

Conhecido por unir o melhor do mainstream com o universo alternativo, no palco do MADA já subiram grandes nomes da música nacional e internacional ao longo dessas duas décadas, como The Wakmen (EUA), Josh Rouse (EUA), Cansei de Ser Sexy, Motosierra (URU), The Russian Futurists (Can), Jorge Ben Jor, Planet Hemp, Natiruts, Marcelo D2, Pitty, Ana Cañas, Plutão Já Foi Planeta, O Rappa, Liniker, Jaloo, Pato Fu, Seu Jorge, Karol Conká, Barão Vermelho, Sepultura, Lulu Santos, Nação Zumbi e Fernanda Abreu. Além do Far From Alaska, em 2018 também já estão confirmados PITTY, Cordel do Fogo Encantado, Nação Zumbi, Baiana System, Jade Baraldo, Larissa Luz, Alfonsina (URU), ÀTTØØXXÁ, Rincon Sapiência, francisco, el hombre, Luísa e os Alquimistas e demonia. Em breve, serão divulgadas novas atrações para o grande evento dos 20 anos.

SERVIÇO:

Festival MADA – 20 anos

Local | Estádio Arena das Dunas – Lagoa Nova, Natal – RN

Data | 12 e 13 de outubro

Horário |  a partir das 16h

Ingressos  |

SEGUNDO LOTE

Pista Inteira (Sexta) – R$ 110,00

Pista Inteira (Sábado) – R$ 110,00

Pista Temporada Inteira (sexta e Sábado) – R$ 180,00

Pista Temporada Social (sexta e sábado) – R$ 100,00

Pista Temporada MEIA (sexta e sábado) – R$ 90,00

Rockstage meia (Sexta) – R$ 75,00

Rockstage meia (Sábado) R$ 75,00

Rockstage Temporada Meia (Sexta e Sábado) – R$ 125,00

Rockstage inteira (Sexta) – R$ 150,00

Rockstage inteira (Sábado) – R$ 150,00

Rockstage Temporada Inteira (Sexta e Sábado) – R$ 250,00

*Ingresso Social  —> quem não é estudante ou não está em nenhum grupo com direito a meia entrada e  está longe dos 60 anos , terão um desconto também para participarem do MADA 2018, basta levar 1 kg de alimento não perecível no dia do evento.  As doações serão direcionadas a instituições da cidade de Natal, que atendem crianças, idosos e pessoas com necessidades especiais

Pista Inteira (Sexta) – R$ 100,00

Pista Inteira (Sábado) – R$ 100,00

Pista Temporada Inteira (sexta e Sábado) – R$ 160,00

Rockstage meia (Sexta) – R$ 65,00

Rockstage meia (Sábado) R$ 65,00

Rockstage Temporada Meia (Sexta e Sábado) – R$ 110,00

Rockstage inteira (Sexta) – R$ 130,00

Rockstage inteira (Sábado) – R$ 130,00

Rockstage Temporada Inteira (Sexta e Sábado) – R$ 220,00

Links para compra online |  

Arena Dunas: https://arenadunas.com.br/agenda-evento/mada/486

Sympla: www.sympla.com.br/mada20anos

Pontos de venda | Em breve

Permitido para maiores de 16 anos

https://www.facebook.com/festivalmada

Realização:MADA Produções

 

Sobre o MADA

 

A estreia do MADA aconteceu em 1998, época de grande efervescência do movimento indie no Brasil, quando a cena alternativa se abastecia de artistas e bandas criativas, inventivas, ousadas. Ambiente propício para um festival que proporciona essa visibilidade à nova contracultura brasileira. Idealizado pelo engenheiro civil e produtor musical Jomardo Jomas Azevedo, o festival alavancou o histórico bairro da Ribeira e integrou o primeiro calendário brasileiro de festivais, ao lado de Abril pro Rock , Porão do Rock, Goiânia Noise e outros tantos eventos pioneiros.

 

A produção, sempre caprichada, privilegia a música contemporânea e de vanguarda, inserindo o pop consistente e criativo em seus diversos sotaques, identidades e estilos. Esse equilíbrio fez do MADA o evento musical indie pop de maior público do Rio Grande do Norte e um dos maiores do Brasil. Os palcos lados a lado, idênticos, são exemplo de respeito aos artistas e se equipara as normas de políticas públicas para a cultura — que é oferecer as melhores condições para o artista, independente do seu alcance midiático.

Além disso, o MADA não só é exemplo de difusão e fomento para músicos e bandas, como também tem um papel importante na formação de plateia crítica e qualificada. Nesse sentido, o MADA é hoje o festival que equilibra shows de grande porte e artistas em ascensão, elegendo atrações inéditas e de trabalho inovador. As atrações pop, por exemplo, sempre trazem um perfil conceitual, não puramente comercial.

Para um estado pequeno no Nordeste brasileiro, o MADA tornou-se referência por ser um festival subsidiado capaz de ancorar essas produções que jamais chegariam aqui em um circuito mais comercial.

O festival também atua na área do audiovisual com o Festival CURTA NATAL de Cinema e Vídeo e tem o perfil formador com o Mada Faz Escola. Além disso, também inspirou o surgimento de outras ações musicais no Estado e incremento da cena local.

Diferentes lugares já sediaram o festival, como o bairro histórico Ribeira (1998 a 2003), a Arena do Imirá na beira mar da Via Costeira (2004 a 2011), o bairro das Rocas (2012 e 2013) e o Estádio de futebol Arena das Dunas (2014 a 2017).

Ao longo de sua trajetória, o festival realizou mais de 600 bandas e artistas independentes, grandes atrações nacionais e internacionais. Não são os números que falam, mas a qualidade das atrações apresentadas. Entre 1998 e 2017, alguns dos nomes que passaram pelo MADA:

Nação Zumbi, Móveis Coloniais de Acaju, Planet Hemp, Jorge Ben Jor, Ira!, Titãs, Seu Jorge, Pitty, Chico Correa e Eletronic Band, Criolo, Cordel do Fogo Encantado, Cansei de ser Sexy, Mundo Livre S/A, Plebe Rude, Fernanda Abreu, Vanguart, Gram, Cachorro Grande, Sepultura, Paralamas do Sucesso, Skank, The Walkmen (EUA) , Camisa de Vênus, Pato Fu, Josh House (EUA), Nando Reis, Barão Vermelho, Totonho e Os Cabras, Sonic Jr, Pavilhão 9, O Rappa, Di Mello, Gerson King Combo, GilberT, Ana Cañas, Motosierra (URU), Lulu Santos, Igapó de Almas, The Automatics, Mahmed, Romero Ferro, Plutão Já foi Planeta, Juveniles (França), Versalle, Gabriel O Pensador, Luiza & os Alquimistas, Agregados, Camarones Orquestra Guitarrística, Moxine, Rivera, Scalene, Felipe Cordeiro,

Nando Reis, Emicida, Rael, Baco Exu do Blues, Marcelo Jeneci, Marcelo D2, Agridoce, Natiruts, Banda do Mar, Tulipa Ruiz, Os Poetas Elétricos, Autoramas, Lunares, Lobão, Subaquáticos, Curumim, Rosa de Pedra, Revólver, Macaco Bong, Montage, Madame Satã, Mombojó, Cabruêra, DuSouto, The Crocodiles (EUA), Alphorria, Jane Fonda, Star 61, Daniel Beleza e os corações em Fúria, MopTop, Bugs, Lado 2 Stéreo, Ramirez, Los Canos, Mestre Laurentino e Coletivo Rádio Cipó, Kung Fu Johnny, The Bop Hounds, Manuche, Copacabana Club, The Gift (Portugal), Malu Magalhães, Tibério Azul, Karol Conká, Tipo Uísque, Manacá, Talma & Gadelha, A Nave, Cabaré, Esteban Tavares, Planta e Raiz, Seu Zé, Khrystal, Maguinho da Silva, Far From Alaska, Sweet Fanny Adams, Poliester, Falcatrua, Tantra e Marcelo Bonfá, For Fun, Natiruts, Los Porongas, Brand New Hate, Eletro, RSigma, The Russian Futurists (Canadá), Superguidis, Cartolas, Belina Mamão, Dj Marky, Dj Patife, Gabriel O Pensador e muitos outros grandes nomes.

Em 2017, festival recebeu pela primeira vez o Baiana System, que faz repeteco em 2018, Baco Exu do Blues, Mahmundi, Deb and The Mentals, entre outros.

 

Nós da Rede

Anderson Severo

Agitador Cultural em Sub_Discos
Comecei a ouvir Rock N'Roll desde minhas primeiras lembranças conscientes, desde muito cedo. Isso deve ter sido lá por 1985. Começando de cara pela minha primeira lembrança Sonora e Estética é foi e sempre será Raul Seixa, claro que com o amadurecimento e expansão da consciência, as novas lembranças são Ramones, LED Zepellin, The Doors; Conheci também já pré adolescente AC/DC, Legião Urbana, Rolling Stones e Creedence.Ainda adolescente conheci pessoas atuantes na cena local, fui trabalhar como roadie de uma banda chamada orgasmo.
Até que quis montar minha própria banda.
No decorrer da caminhada passei por projetos como:
2000 - Resistência Aflita
2004 - Kaos Eminente
2006 - Estado Crítico
2014 - Insulto Verbal
2015 - Atualmente faço parte dos Projetos
Capa Preta e Exclusão Social.
Atuo promovendo eventos, lançando e distribuindo fonogramas, divulgando bandas eventos. Sou Adepto a filosofia Punk e ouço muito Hard Core, Cólera, Ratos de Porão entre outras.
Avatar
Nós da Rede

Últimos posts por Anderson Severo (exibir todos)

Avatar

Anderson Severo

Comecei a ouvir Rock N' Roll desde minhas primeiras lembranças conscientes, desde muito cedo. Isso deve ter sido lá por 1985. Começando de cara pela minha primeira lembrança Sonora e Estética é foi e sempre será Raul Seixa, claro que com o amadurecimento e expansão da consciência, as novas lembranças são Ramones, LED Zepellin, The Doors; Conheci também já pré adolescente AC/DC, Legião Urbana, Rolling Stones e Creedence. Ainda adolescente conheci pessoas atuantes na cena local, fui trabalhar como roadie de uma banda chamada orgasmo. Até que quis montar minha própria banda. No decorrer da caminhada passei por projetos como: 2000 - Resistência Aflita 2004 - Kaos Eminente 2006 - Estado Crítico 2014 - Insulto Verbal 2015 - Atualmente faço parte dos Projetos Capa Preta e Exclusão Social. Atuo promovendo eventos, lançando e distribuindo fonogramas, divulgando bandas eventos. Sou Adepto a filosofia Punk e ouço muito Hard Core, Cólera, Ratos de Porão entre outras.