Especial Maximus Festival: Disturbed | conheças as atrações

disturbed

Diretamente de Chicago, David Draiman – vocal, Dan Donegan – guita, John Moyer – baixo, Mike Wengren – batera, vem prestigiar o Maximus Festival, em São Paulo, dia 7 de setembro, no Autódromo de Interlagos, com sua master banda de metal.

Texto por: Paula Alecio
Edição: Victor Santos

Essa galera está reunida desde 1994, produzindo juntos seis joias de álbuns de estúdio:

  • The Sickness (2000)
  • Believe (2002)
  • Ten Thousand Fists (2005)
  • Indestructible (2008)
  • Asylum (2010)
  • Immortalized (2015)

Seguindo a ideia de falar um pouco sobre a turma que vem animar o festival, vamos gastar uns verbos aqui com essa galera ai.

Confira todas as notícias para o Maximus Festival 2016

Com certeza essa banda se mostrará extremamente sui generes aos ouvintes de primeira viagem. Se consegue já nos três primeiros riffs do primeiro álbum notar a particularidade da mistura de estilos que eles enfatizam e utilizam. Existem diversos elementos nos sons, algo de Power Metal, Prog Metal, Nu metal americano, e as vezes um tantinho de Hard.

David Draiman é o principal compositor, escreve as letras embasadas em suas experiências de vida. Diferente de algumas bandas, os nomes das canções são, na maioria, curtos. São letras enigmáticas e com uma grande variedade de assuntos: loucura, suicídio, violência doméstica, amor – relacionamentos, vampiros, demônios, guerra, terror.

disturbedsickness

Começando com o debut – The Sickness (2000) –  é o álbum mais bem sucedido da banda. Ao contrário dos álbuns posteriores, esse consiste inicialmente de canções mais pesadas.

David por si só já apresenta um timbre de voz muito diferente e lindíssimo, utiliza seus drives e em alguns momentos limpa um pouco mais a voz, mostrando uma versatilidade ímpar.

As guitarras são outro show a parte, na maior parte estão em afinação mais baixa, o que cria uma atmosfera mais densa e metalica, mas não se utilizam de muitos solos, ficam mais nos riffs pesados, pra mim, é isso que confere a brutalidade desse grupo.  A bateria e seu parceiro baixo, são uma bela dupla fazendo um coração pulsante cheio de energia a todo momento.

Destaque para as canções: Voices – pelo peso e vocal urrante de David, e por já configurar uma assinatura marcante a banda, que se segue em toda sua discografia. Violence Fetish – pelos diferentes modos de usar a voz de David e pelo refrão incrível, acredito que essa funciona muito bem ao vivo e levanta a galera. Conflict – pelas viradas de bateria muito boas. E Numb – A balada do álbum, muito bem trabalhada, onde David mostra um vocal diferente.

Believe (2002) – traz a mesma sonoridade basicamente do primeiro trabalho, com riffs densos e a pegada dançante nos riffs e na batera. Mas, David abusa mais da voz limpa, e vemos linhas mais limpas nas guitarras em alguns trechos. Algumas músicas demonstram mais velocidade e ferocidade ainda. A raiva por trás do poder desses caras fica muito evidente nesse álbum. Sons em destaque: Believe – Onde David traz um vocal limpo no inicio, acompanhado por uma bateria mais calma, que terminam em um refrão bem posicionado. Remember – Pelo inicio e pelo peso metal nos riffs de guitarra. E Intoxication – que traz a cara do primeiro álbum pra esse.

DisturbedTenThousandFists

Ten Thousand Fists (2005) – como de costume, o inicio das musicas possuem introduções diferenciadas, e nesse álbum são bem mais trabalhadas e definidas. Sons em destaque: Ten Thousand Fists  – por possuir algo indiano na composição toda, pelos vocais de David e pela bateria feroz. Stricken – pelo refrão pegajoso e pela força do som, apesar de não ser o mais rápido possui os urros de David bem posicionados e lindos riffs. E a melhor do play, Decadence, por trazer uma roupagem diferente e uma velocidade maior na bateria.

DisturbedIndestructible

Indestructible (2008) – O álbum tem a mesma consistência dos anteriores, com a assinatura dos caras já na primeira música – Indestructible – que tem um belo solo de guitarra e o vocal do David está incrivelmente poderoso. Perfect Insanity – um som cheio de nuances e voz limpa do vocal, destaco as linhas de guitarra, que fazem um belo trabalho, onde ouço elementos misturados ao hard rock. Torn – que possuí um cadenciamento super pegajoso e um belo refrão. Criminal – possui elementos eletrônicos que conferem ao som uma originalidade ímpar E Divide – por ser mais pesado já no começo, e depois mostrar nuances lindamente conectadas ao peso, e um lindo solo quase no final do som.

Asylum (2010) – não é o álbum mais popular da banda, mas é um bom álbum. Ele começa com algo muito diferente, um som bem glam – Remmants – música instrumental. Mas logo volta ao peso com The Infection – Onde David mostra sua voz limpa, e tem um lindo solo de guitarra, com belos efeitos. Warrior – onde a bateria está bem pulsante e David mostra uma ferocidade ainda maior.

disturbedimortalizedImmortalized (2015) – o mais novo trabalho do grupo – e o mais belo de todos. Como no álbum anterior, cinco anos depois, o grupo manteve a primeira música como instrumental. Immortalized – possui uma pegada brutal, voz muito poderosa e riffs densos, lindo trabalho da barteria e muita energia. Destaco o trabalho de produção desse álbum, a mixagem e masterização estão impecáveis do começo ao fim. O grupo se preocupa com essa incorporação na qualidade de todos os seus álbuns, mas esse se superou. Achei que o power metal teve uma participação maior nesse trabalho como um todo, o que deu uma ar mais atual ao Disturbed. As músicas possuem nuances muito bonitas e refrões bem pontuados. Destaco ainda: The Vengeful One – tem um lance dançante e empolgante, uma atmosfera nova e intensa, gostei muito das linhas de guitarra. A balada The light é muito bonita e David faz um vocal mais trabalhado.

No geral, Disturbed se destaca por ser sempre inovador sem esquecer de sua essência, as letras são bem escritas e encaixadas em belas composições instrumentais. Provavelmente será a banda que levantará a galera para cantar em uníssono seus maiores hits. Que venham para perturbar a paz no Maximus Festival!


SERVIÇO – 1º MAXIMUS FESTIVAL EM SÃO PAULO:

Data: 7 de setembro de 2016 (feriado)
Local: Autódromo de Interlagos / Horário: das 12h30 às 23h
Abertura dos portões: 11h
Endereço: Interlagos/Av. Sen. Teotônio Vilela, 261, São Paulo – SP
Classificação: 16 anos
Ingressos: clique aqui! e saiba mais

INSTRUÇÕES MAXIMUS MUSIC FESTIVAL:

Informações Gerais:

  • O Maximus Festival é um evento OUTDOOR. Não serão permitidos reembolso ou trocas;
  • Os portões abrem às 11h, no dia 7 de setembro.
  • Os horários dos shows dos palcos MAXIMUS e ROCKATANSKY serão intercalados. O horário exato de cada show será revelado antes da data do evento;
  • A censura do Maximus Festival é de 16 anos. Menores de 16 anos apenas acompanhados dos pais/responsáveis legais;
  • Cambistas, venda e revenda de ingressos de nenhuma maneira serão tolerados pelas autoridades;
  • No dia do festival, faça refeições leves, muitas vezes ao dia. Beba bastante água para manter-se hidratado;
  • Evite o consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Não será permitido o acesso com alimentos e/ou bebidas com o intuito de comercialização ou que possam representar riscos à segurança;
  • Na entrada do evento, o titular do ingresso será submetido a inspeções, revistas corporais e, se necessário, a remoção de objetos não autorizados;
  • Não será autorizado o acesso de qualquer pessoa que demonstre comportamento violento, agressivo ou contrário à ordem pública ou que se recuse a desfazer-se de objetos não permitidos ou não autorizados;
  • Todo e qualquer item levado, que não tiver a entrada autorizada, será DESCARTADO pela equipe de segurança;
  • Visite sempre o site do Festival para informações atualizadas. Detalhes do evento estão sujeitos a alteração.

Objetos Proibidos

  • Papel em rolo, jornais, revistas, bandeiras e faixas com mastro;
  • Alimentos: Apenas permitido alimentos industrializados, com a embalagem lacrada originalmente, como salgadinhos e bolachas. Frutas, apenas cortadas;
  • Garrafas, latas, vasilhames, copos de vidro ou qualquer outro tipo de embalagem contendo bebidas ou refrigerantes de qualquer natureza que, direta ou indiretamente possa provocar ferimentos;
  • Embalagens rígidas com tampa; cadeiras ou bancos; armas de fogo, armas branca, objetos pontiagudos cortantes ou perfurantes, fogos de artifício e objetos de vidro.
  • Animais – exceto cães guias identificados e acompanhados de portadores de deficiência visual.
  • Substâncias inflamáveis e ou corrosivas.
  • Máquinas fotográficas profissionais com lente intercambiável e filmadoras.
  • Capacetes de motos ou similares
  • Correntes, cinturões e pingentes
  • Qualquer outro objeto que possa causar ferimentos

disturbedmidiorama

13263867_1707562249515406_7517765996587650988_n

Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos