Especial Maximus Festival – conheça as atrações: Bullet For My Valentine!

bullet

Depois de brevemente apresentar as outras atrações do Maximus Festival, que acontece no dia 7 de setembro, no Autódromo de Interlagos, em São Paulo: Chegou a vez do metalcore mais vibrante e que merece maior destaque da cena.

Um pouco de história:

A banda galesa conhecida como Bullet, BFMV e B4MV (Bullet for My Valentine) teve seus primórdios precedidos em 1998. Em sua composição inicial tinha os estudantes de música: Matt Tuck (vocais, guitarra), Michael Paget (guitarra, vocal de apoio), Jamie Mathias (baixo, vocais) e Michael Thomas (bateria). No inicio, a banda se denominava: “Jeff Killed John”. Esses caras tocavam covers de Metallica, Nirvana e Pantera. Lançaram alguns EP’s independentes com sons autorais: “Better of Alone” (1999) “Eye Spy” e “You/Phony” (ambos em 2002),  “Don´t Walk Away” (2003) e o homônimo em 2004. Então o baixista  Nick resolve deixar a banda.

Nesse momento Jason James assume o posto, e eles mudam seu estilo. Esses EP’s tinham uma vertente de Nu Metal, a banda agora inicia uma nova fase, se reinventando e trazendo um dos mais aclamados Metalcores da atualidade (apesar de ser um gênero um tanto quanto criticado, por ser muito comercial), mudam também de nome, nasce o Bullet. Lançam um EP homônimo ao novo nome da banda em 2004, e enfim, despertam o interesse de duas gravadoras. Eles fecharam 5 álbuns com a Sony BMG, e é desses que vamos discorrer nas próximas linhas.

Integrantes atuais:

  • Matthew Tuck – vocal, guitarra (1998-presente)
  • Michael Paget – guitarra, vocal de apoio (1998-presente)
  • Jamie Mathias- baixo, vocal de apoio (2015-presente)
  • Michael Thomas – bateria (1998-presente)

Álbuns de estúdio:

  • The Poison (2005)
  • Scream Aim Fire (2008)
  • Fever (2010)
  • Temper Temper (2013)
  • Venon (2015)

O álbum de estréia do Bullet for My Valentine , The Poison, foi lançado em 03 de outubro de 2005 no Reino Unido e em 14 de fevereiro de 2006 nos Estados Unidos parac coincidir com o dia dos namorados. Já logo de cara podemos ver ao que vieram.  Aintro foi feita com a participação da banda Apocalyptica, contando com belíssimos chelos, que remosntam uma calmaria, mas dão a entender que logo a tempestade chegará. “Her Voice Resides” vem com essa tempestade: grandes riffs encorpados nas guitarrar matadoras e uma voz que passeia pelos drives e vos limpa. A bateria mostra a cara do metal e as guitarrar do power metal, com a voz do death. A bela mistura do grupo que se torna a marca registrada em todos os álbun, as vezes uma mistura ainda maior se faz, com um tanto de efeitos e eletrônicos. Não parecem ser muito apegados aos solos de guitarra, que aparecem aqui e ali, em poucas músicas. As letras abordam muitos diferentes temas, maa em sua maioria, os temas de amor são mais visíveis. Em “4 words” a cara comercial aparece no refrão, mas os riffs de guitarra e o vocal animam até os mais céticos da cena. A influência de outrora aparece nesse debut com uma versão de “Welcome Home(Sanitarium)”, do metallica. Enfim, é um álbum que vem pra mostrar a cara do Bullet.

“Hit the Flor” – pelos diferentes efeitos nas guitarras, Matt inicia com a voz mais limpa e tem um lance dançante nesse som. “All These Things” – É um hit, sem dúvida. Acho que é um dos sons que mostram a cara da banda e seu jeito peculiar de ser. “The Poison” – por ter um lindo solo de guitarra, além de todo o cortpo que já falei próprio do grupo. “10 Years Ago” – Outro hit. Pela linda letra, que fala sobre um amigo que se foi – não sei bem se é uma história real, mas parece. Para finalizar, é uma álbum que mantêm a mesma sonoridade, com a preocupação de deixar o som impecável para os ouvintes, a qualidade é ótima.

O segundo álbum de estúdio do Bullet for My Valentine, Scream Aim Fire, foi lançado em 29 de janeiro de 2008 e estreou em quarto na Billboard 200. Neste, a mesma estrutura musical do primeiro álbum se mantêm, alguns sons se destacam, como é o caso de “Eye of Storm” , pela abertura que chuta nosso cérebro até a parede do outro lado, “Disappear”  pelas guitarras matadoras e pela voz. Sigo com “Say Good Night”, que começa calma mas cria um cadeinciamneto onde Matt mostra uma raiva insana e deliciosa de ouvir, os trabalhos de guitarra são fantásticos combinados a feroz bateria e baixo. E a faixa título, que, meu Thor é Arrasadora.

Esse álbum foi lançado em 2010 e já começa com o maior hit da banda – “Your Betrayal”, eu não sei você caro leitor, mas quando falam Bullet, essa é a primeira música que vem a minha mente. Sem comentários, chegaram ao auge nessa loucura. Muito bem trabalhado esse álbum, ainda com a mesma cara da banda, mas cheio de ferocidade na bateria, e grandiosos riffs. Matt mostra seu trabalho vocal com muita agilidade e destreza. A marca comercial está clara também, o que pode soar ruim pra os mais fanáticos, mas alguém tem que pagar as contas gente. Destaco:  “A Place Where You Belong”, começa com uma guitarra limpa, mostrando a balada que virá, no final fica um tanto mais pesada, mas é uma bela canção musicalmente falando, tem lindos solos de guitarra e uma harmonia impecável. “Alone” se inicia com um sequenciamento de riffs muito bons e logo dá lugar ao peso e a velocidade na bateria, com um belo refrão, incrível. “Breaking Out, Braking Down” outro som mais comercial, mas não deixa de ser empolgante. Fecho esse com “Dignity”, apesar do abuso no wah wah das guitarras, ficou bem cadenciada e é um som diferente.

Temper Temper foi lançado em 2013, bem novo até. Um álbum que traz um pouco do mesmo Bullet, e algumas novas experimentações. A faixa título é um exemplo, pois tem uns riffs nunca usados pelo grupo, mas continuam com os powers também. “P.O.W.” Se inicia em cadenciamento, bateria, baixo e guitarras somente, Matt mostra sua voz limpa, e logo vem um refrão incrível, muito bacana o som. “Dirty Little Secret”, vem pra arrebatar um coração metaleiro né? Começa com um belo riff e uma bateria arrebatadora, logo vem a voz e um belo refrão , combinado a uma letra perfeita. “Dead To the World” tem uma intro puxada pro Hard Rock, bem melodiosa, que culmina em um belo e poderoso malvado riff de guitarra, som bem diferente e encantante. O álbum realmente é muito bom e bem diversificado.

Ai está o filho mais novo desse grupo, lançado em 14 de agosto de 2015. Eles retornam com a ideia do primeiro álbum da banda, fazem uma faixa intro com um lance bem cara de começo de show. E a paulada “No way Out”, onde Matt urra desde o inicio, eles mantêm a mesma estrutura com uma roupagem bem comercial. “Army of Noise” mostra uma velocidade maior na bateria, e uma melodia mais trabalhada, em tudo, guitarras, baixo, e a voz de Matt, tem um belo solo, nada de comercial nessa. Destaco ainda o som “Playing God”, por possuir um belo refrão e lindissimas linhas de guitarra. O álbum se segue nessa pegada, um pouco de tudo. Criaram uma identidade visual muito bacana com a capa do álbum.

Enfim, depois de duas semanas escutando sem parar, acredito que o show será de arrasar e de deizar muitos de queixo caído! Que venha O Bullet pro Maximus!!!

SERVIÇO – 1º MAXIMUS FESTIVAL EM SÃO PAULO:

Data: 7 de setembro de 2016 (feriado)
Local: Autódromo de Interlagos / Horário: das 12h30 às 23h
Abertura dos portões: 11h
Endereço: Interlagos/Av. Sen. Teotônio Vilela, 261, São Paulo – SP
Classificação: 16 anos
Ingressos de: R$ 120,00 a R$ 800,00 (ver tabela completa)

INSTRUÇÕES MAXIMUS MUSIC FESTIVAL:

Informações Gerais:

  • O Maximus Festival é um evento OUTDOOR. Não serão permitidos reembolso ou trocas;
  • Os portões abrem às 11h, no dia 7 de setembro.
  • Os horários dos shows dos palcos MAXIMUS e ROCKATANSKY serão intercalados. O horário exato de cada show será revelado antes da data do evento;
  • A censura do Maximus Festival é de 16 anos. Menores de 16 anos apenas acompanhados dos pais/responsáveis legais;
  • Cambistas, venda e revenda de ingressos de nenhuma maneira serão tolerados pelas autoridades;
  • No dia do festival, faça refeições leves, muitas vezes ao dia. Beba bastante água para manter-se hidratado;
  • Evite o consumo excessivo de bebidas alcoólicas;
  • Não será permitido o acesso com alimentos e/ou bebidas com o intuito de comercialização ou que possam representar riscos à segurança;
  • Na entrada do evento, o titular do ingresso será submetido a inspeções, revistas corporais e, se necessário, a remoção de objetos não autorizados;
  • Não será autorizado o acesso de qualquer pessoa que demonstre comportamento violento, agressivo ou contrário à ordem pública ou que se recuse a desfazer-se de objetos não permitidos ou não autorizados;
  • Todo e qualquer item levado, que não tiver a entrada autorizada, será DESCARTADO pela equipe de segurança;
  • Visite sempre o site do Festival para informações atualizadas. Detalhes do evento estão sujeitos a alteração.

Objetos Proibidos

  • Papel em rolo, jornais, revistas, bandeiras e faixas com mastro;
  • Alimentos: Apenas permitido alimentos industrializados, com a embalagem lacrada originalmente, como salgadinhos e bolachas. Frutas, apenas cortadas;
  • Garrafas, latas, vasilhames, copos de vidro ou qualquer outro tipo de embalagem contendo bebidas ou refrigerantes de qualquer natureza que, direta ou indiretamente possa provocar ferimentos;
  • Embalagens rígidas com tampa; cadeiras ou bancos; armas de fogo, armas branca, objetos pontiagudos cortantes ou perfurantes, fogos de artifício e objetos de vidro.
  • Animais – exceto cães guias identificados e acompanhados de portadores de deficiência visual.
  • Substâncias inflamáveis e ou corrosivas.
  • Máquinas fotográficas profissionais com lente intercambiável e filmadoras.
  • Capacetes de motos ou similares
  • Correntes, cinturões e pingentes
  • Qualquer outro objeto que possa causar ferimentos

maximusflyer

Victor Santos

Victor Santos

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Victor Santos é editor-chefe do Imprensa do Rock e Diretor Geral do Programa Unimetal. Desde 2011, vem trazendo conteúdo de qualidade para os amantes da música e do cinema.
Victor Santos