Entrevista exclusiva com a paulistana banda Chaosfear

Opa pessoal! Os paulistanos do Chaosfear nos concederam uma entrevista exclusiva. Nos contaram sobre a produção da versão de “The Toxic Waltz” (Exodus), sobre o mais novo trabalho – Be The Ligth in Dark Days, e como tem passado os dias durante a pandemia, confira ae, sigam, compartilhem! Ajudem nosso cenário a crescer sempre.

1. Só para situar os leitores que não conhecem a banda, poderiam nos contar um pouco da trajetória de vocês?

Eduardo Boccomino: O Chaosfear é uma banda oriunda de SP que sempre apresentou uma inovação sonora, sem perder a essência do Thrash/Death Metal. Com passagens extremamente agressivas e outras tantas com suavidade e melodia. São 3 álbuns, 1 ep, coletâneas, diversos singles, tudo isto misturado a vários shows com grandes nomes da música pesada brasileira e internacional.

2. Sobre a versão de “The Toxic Waltz” (Exodus): Vocês contaram uma participação mais que especial! Como foi a produção e o coração nessa empreitada?

Eduardo Boccomino: Sem dúvida, este é um dos momentos mais inusitados na história da banda. Ao longo dos anos tivemos a oportunidade de dividir o palco com vários artistas que somos fãs de carteirinha, tipo Cannibal Corpse, Testament, Lamb of God, etc, mas em todos estes momentos, a interação com as bandas quase sempre é pontual e restrita, até porque o cara está lá para trabalhar, e você acaba não querendo atrapalhar o artista, né? Mas no caso do Zetro foi muito louco. (risos). Nunca passou nas nossas cabeças que o Steve “Zetro” Souza, o vocalista do Exodus, em pessoa, o cara que gravou o Fabulous Disaster no final dos anos 80, uma lenda do Metal Mundial, cantaria a nossa versão de um hino do Thrash Metal! Fizemos toda a produção e gravação em casa (isto já é rotina na banda), sob o comando do Marco Nunes (bass) que é o nosso produtor também. A musica ficou tão boa que nosso amigo e assessor Johnny Z levou a música para o Zetro e… não é que o cara gostou da versão! (risos) Ele achou tão legal que topou fazer algumas estrofes, intercalando os vocais com o Fernando. Lançamos a música há poucos dias no Youtube e Spotfy. Surreal!

3. O que vocês tem feito durante esses tempos difíceis? Quais os anseios e próximos passos?

Eduardo Boccomino: Os últimos meses vem sendo muito delicados para todo mundo. Muita coisa ruim vem acontecendo, pessoas perdendo emprego, amigos que se foram, etc. Tudo isto é muito triste, mas de alguma forma, a gente precisa tentar enxergar algo de positivo no meio de todo este caos! No nosso caso, conseguimos dar um direcionamento para o nosso trabalho e produzimos o álbum inteiro. Gravamos todas as partes cada um na sua casa. Utilizamos tudo o que tínhamos de tecnologia à mão para não ficarmos presos a gravar as partes em estúdio, etc. Com isso, lançamos nosso mais novo trabalho – Be The Ligth in Dark Days, no meio da pandemia. Estamos muito felizes e orgulhosos com o resultado alcançado e com a repercussão que ele vem tendo. Quanto aos planos, é um pouco estranho fazer planos para curto e médio prazo enquanto não rolar uma vacina pra dar um jeito no Covid do cão. Eu acho muito difícil que os shows voltem tão cedo. E mesmo que voltarem, a grande maioria do público não vai querer se arriscar a ir a um show. Mas como o Chaosfear é uma banda inquieta, nós continuaremos produzindo música, divulgando o nosso novo álbum, o novo Single/Collad da The Toxic Waltz (Exodus) com o Zetro,, e logo menos teremos duas lives pela frente (Manisfesto dia 30/08 e o Rodie Crew on Line Festiva em Set/20).

4. O que podemos esperar dessa live no manifesto?

Eduardo Boccomino: Estamos com uma grande expectativa pra fazer este show/ live. Já faz um bom tempo que não subimos no palco. O mais importante legal disso tudo é que teremos oportunidade de apresentar nossas novas músicas para um público muito maior do que se fosse em um show normal (presencial). A ideia do Manifesto em criar essas apresentações online foi uma ótima sacada, pois a abrangência é enorme e a galera ainda pode ajudar a casa e a banda contribuindo no link AQUI.

5. Deixem um recado para a galera que tirou um minuto para nos ler!

Gostaria de agradecer a Imprensa do Rock pela oportunidade de poder falar um pouco sobre o Chaosfear, bem como peço a todos os leitores que continuem a apoiar a música pesada, curtindo, compartilhando e divulgado o underground. Stay Thrash e usem máscara!

Nós da Família IDR agradecemos demais o apoio de todos! Let´s rock! Be safe.

________________________________________________________________________________________________________________

Os paulistanos do Chaosfear estão na cena Thrash Metal brasileira desde 1999, mas de sua formação até o ano de 2003, a banda se chamava Sick Mind. Desde sua fundação pelos irmãos Fernando (vocal/guitarra) e Eduardo Boccomino (guitarra), junto com o baterista Danilo de Freitas, o objetivo era fazer um som nos moldes de bandas consagradas como Slayer, Testament e Metallica. E não pararam, olha a discografia dessas feras:

Discografia:

“Inside The Extreme World” (Demo/2003)
“One Step Behind Anger” (Álbum/2006)
“Image Of Disorder” (Álbum/2008)
“Legacy Of Chaos” (EP/2012)
“Global Atrocity” (Single/2018)
“Path 21” (Single/2019)
“The Alliance” (Single/2020)
“Whose Fist Is This Anyway” (Single/2020)
“Be The Light In Dark Days” (Álbum/2020)
“The Toxic Waltz (featuring Steve ‘Zetro’ Souza)” (Single/2020)

Formação:

Fernado Boccomino – Vocal/Guitarra

Eduardo Boccomino – Guitarra Solo

Marco Nunes – Baixo/Teclados/Backing Vocal

Fabio Moysés – Bateria/Backing Vocal

Ouça Chaosfear em:

Spotify
Deezer
iTunes
Amazon
YouTube Music
YouTube

Mídias Sociais:

Facebook:
Instagram

 Fonte: JZ PRESS Assessoria

 

 

 

Paula Alecio
Paula Alecio

Paula Alecio

Sou bióloga de profissão e metaleira de coração e alma. Adoro sempre conhecer novas vertentes no rock e no metal, ir aos shows alimenta minha alma sedenta de heavy metal, e me faz sentir viva. Por isso mantenho o site no ar, para ajudar nossas bandas a irem mais longe! Estamos juntos nessa estrada conflituosa e cheia de vicissitudes.