Eluveitie @ Carioca Club – São Paulo/SP (15/02/2019)

No dia 15 de fevereiro, no Carioca Club em São Paulo, os paulistanos tiveram a honra de receber a banda suíça de folk metal ELUVEITIE. Liderado pelo fundador e único membro da formação original Chrigel Glanzmann (vocal, flauta e bandolim), a banda é completada por mais oito integrantes, Fabienne Erni (vocal e harpa), Nicole Ansperger (violino e vocais), Matteo Sisti (gaita de fole e flauta), Rafael Salzmann (guitarra), Kay Brem (baixo), Jonas Wolf (guitarra), Alain Ackermann (bateria) e Michalina Malisz (hurdy gurdy). Formada em 2002, ELUVEITIE possui ao longo de sua carreira sete álbuns de estúdio, sendo que o próximo disco intitulado “Ategnatos”, está prestes a ser lançado e já possui sua data de lançamento, no dia 5 de abril e que inclusive, foi disponibilizado no mês passado, o videoclipe da faixa-título no YouTube, além da “Rebirth”, que foi liberado no final do ano passado. Com isso, ELUVEITIE nos apresentou um grande repertório muito bem selecionado e assim, realizar uma inesquecível apresentação em São Paulo.

Tuatha de Danann

Carioca Club bem cheio, os brasileiros do Tuatha de Danann foram os encarregados pela abertura. Bruno Maia (vocal, guitarra, flauta, banjo), Giovani Gomes (baixo e vocais), Edgard Brito (teclado), Nathan Viana (violino), Rafael Ávila (bateria) e Raphael Wagner (guitarra) dão início com a excelente “Believe: It’s True!” do “Trova di Danú” de 2004, música que facilmente, já empolgou todos os presentes. Ótimas melodias na guitarra, no violino e na flauta. Uma bela introdução de violino, vem “We’re Back” do “Dawn of a New Sun” de 2015, ótimo desempenho do Bruno em seus excelentes vocais, na guitarra e na flauta, o Giovani ficou encarregado pelos excelentes backing vocals agressivos.

Continuando no mesmo álbum, tocam “Rhymes Against Humanity” e depois, o Bruno chama no palco Fernanda Lira, vocalista e baixista da banda de thrash metal Nervosa, para fazer uma grande participação especial nas próximas duas músicas do setlist. “Tan Pinga Ra Tan” do primeiro álbum de estúdio “Tingaralatingadun” de 2001, onde a Fernanda assumiu os vocais principais, que por sinal, os ótimos vocais limpos da Fernanda impressionou a todos e algumas passagens com seus famosos vocais agressivos, vale destacar as excelentes melodias de flauta realizadas pelo Bruno e ao decorrer da execução, o Bruno realizou um ótimo trabalho em seus vocais no trecho da música que é repetida por dez vezes.

A Fernanda bem interativa, disse que não era para cantar essa música e sim a próxima do set, no caso, “Warrior Queen”, do mais novo EP “The Tribes of Witching Souls”, antes de iniciá-la, o Bruno estava preparando o banjo, porém, ocorreu um problema técnico e não pode executar a música com o banjo, no caso, tiveram que tocá-la sem o instrumento e acabou executando na guitarra. Novamente, a Fernanda utilizou seus vocais limpos na execução, dessa vez, na música inteira. A Fernanda bastante ovacionada se retira do palco e dando prosseguimento ao show, o Bruno anuncia “Us”, do EP “Tuatha de Danann” de 1999 e na “The Brave And The Herd”, o Bruno apanhou novamente o banjo e dessa vez, deu certo, o problema foi resolvido e conseguiu executar a música toda, mesmo que o som do banjo estava num volume meio baixo. Na sequência, veio a faixa-título do atual EP, mais uma do “Trova di Danú” com “Land of Youth (Tir nan Og)” e para finalizarem a apresentação, duas faixas do “Tingaralatingadun”: “The Dance of the Little Ones” e “Finganforn”, essa última, tanto a banda quanto o público, cantaram com a maior potência os trechos que continham justamente a palavra Finganforn.

Um grande desempenho do Tuatha de Danann em palco. O líder Bruno Maia foi excelente em sua performance, tocou guitarra, banjo, flauta e possui uma ótima voz, o Giovani Gomes com sua potência no baixo e seus vocais intensos, o ótimo tecladista Edgard Brito, Rafael Ávila bem competente na bateria, Raphael Wagner, que mesmo com algumas falhas na guitarra no começo da apresentação, seu desempenho foi excepcional, e o violinista Nathan Viana, com sua extrema empolgação ao executar cada composição do setlist, percorria direto pelo palco e suas grandes melodias no instrumento, foi um dos maiores destaques do show. Aproximadamente uma hora de duração, Tuatha de Danann nos apresentou um belíssimo show contendo um ótimo repertório e sem dúvida alguma, agradaram o público presente.

Setlist:

1. Believe: It’s True!
2. We’re Back
3. Rhymes Against Humanity
4. Tan Pinga Ra Tan
5. Warrior Queen
6. Us
7. The Brave And The Herd
8. The Tribes of Witching Souls
9. Land of Youth (Tir nan Og)
10. The Dance of the Little Ones
11. Finganforn

Line-up:

Bruno Maia – Vocal, Guitarra, Flauta e Banjo
Giovani Gomes – Baixo e Vocais
Edgard Brito – Teclados
Nathan Viana – Violino
Rafael Ávila – Bateria
Raphael Wagner – Guitarra

Eluveitie

Carioca Club lotado, foi a vez do ELUVEITIE. A cortina se abre e já ouvimos pelas caixas de som, o início de “Ategnatos”. Cada integrante tomam seus postos e o último a subir no palco foi o líder Chrigel Glanzmann que deram continuidade na composição. Como eu já havia mencionado, “Ategnatos” é a faixa-título do próximo disco da banda, simplesmente uma composição sensacional. Já podemos presenciar os vocais guturais do Chrigel e suas habilidades no bandolim, os belíssimos backing vocals da Fabienne, ótimas melodias da flauta, do violino, o show iniciou com tudo. E de imediato, notamos na ausência do baixista Kay Brem, infelizmente, ele não estava presente no show e a banda se apresentou sem baixista mesmo, ficando os oito integrantes em palco.

“King” do “Origins” de 2014 foi tocada, na execução, Chrigel usou sua flauta para certas partes da composição. A Fabienne deixa um pouco o palco e a banda executa “Nil” do “Everything Remains (As It Never Was)” de 2010, o que já merece destacar o desempenho do flautista Matteo Sisti com suas ótimas melodias. Fabienne retorna e assume seus belos vocais na excelente “Omnos” do “Evocation I: The Arcane Dominion” de 2009, composição cantada na língua gaulês. O Chrigel assumiu o bandolim na execução e seus vocais guturais nos refrões, além disso, a violinista Nicole Ansperger ajudou nos backing vocals em algumas passagens da música e por falar nela, que performance magnífica em palco, suas melodias no violino são belíssimas.

O Chrigel agradece ao público e depois de algumas boas interações, mandam uma incrível sequência de músicas do álbum “Evocation II: Pantheon” de 2017: “Lvgvs”, onde a Fabienne que assumiu os vocais, o Matteo utilizou uma gaita de fole, o Chrigel assumiu tanto o bandolim quanto a flauta e ao final, a Fabienne tocou sua harpa; a intensa “Catvrix”, duo entre o Chrigel e a Fabienne a base de uma bateria pesada e executada com iluminações escuras para entrar no clima da música; ficando apenas a Fabienne no palco, ela soltou toda sua linda voz na “Artio”, seus lindos vocais nos impressionaram pelo tamanho talento que possui, saindo bastante ovacionada, deixando ela bem contente, e retornando todos os integrantes no palco, veio a empolgante “Epona”, novamente a Fabienne assume os vocais, o Chrigel o bandolim e os vocais de apoio e o Matteo novamente com sua gaita de fole.

Na “Thousandfold”, a Fabienne se retira do palco e o Chrigel fica encarregado em assumir os vocais principais, composição muito bem recebida pelos fãs, e logo, a Fabienne retorna e novamente com o Chrigel nos vocais tocaram “Quoth the Raven”, a Fabienne assume os vocais de apoio nos refrões da execução e ao final, surpreendentemente, ela utiliza vocais urrados, ambas as composições do “Everything Remains (As It Never Was)”. A Michalina Malisz, que se encarregava do hurdy gurdy, mais conhecido como viela de roda, que por sinal, já vale mencionar seus grandes trabalhos em palco realizando ótimas melodias no instrumento, se retira do palco e executam o hit “The Call of the Mountains”, sem dúvidas, uma das melhores execuções da noite, cativou todos os presentes, a linda voz da Fabienne é fabulosa, fez com que todos cantassem os magníficos refrões. Só para constar, essa música possui um maravilhoso videoclipe no YouTube, sério, muito bem produzido com paisagens lindas de montanhas.

Por falar na linda voz da Fabienne, veio outra em que seus vocais nos impressionaram novamente, a sensacional “A Rose for Epona” do “Helvetios” de 2012, outro grande hit da banda. Numa pegada mais intensa, veio “Kingdom Come Undone”, nessa execução, a Michalina retorna ao palco e a Fabienne se retira. Na próxima música do setlist, a Fabienne volta e assumindo os vocais e a harpa, executa “Alesia”, com o Chrigel ajudando nos backing vocals. Os integrantes se retiram do palco ficando apenas o baterista Alain Ackermann, que nos apresentou um solo excepcional e ao seu final, os guitarristas Rafael Salzmann e Jonas Wolf subiram ao palco e realizaram pequenos solos de guitarra.

A banda toda retorna e com ótimas melodias de fluata e o Chrigel ficando nos vocais principais, mandam “Havoc”. Um agradecimento em português do Chrigel e ele mesmo com seu bandolim mandando excelentes notas, inicia “Tegernakô” do “Spirit” de 2006, primeiro álbum de estúdio da banda. Alguns gritos de “Eluveitie, Eluveitie…” vindas do público e foi a hora de vir “Helvetios”. Na hora do bis, executaram “Rebirth”, outra faixa que estará presente no “Ategnatos”, excelente composição com o Chrigel e a Fabienne realizando um ótimo dueto e vale destacar, o Matteo com uma bandeira do Brasil em sua gaita de fole durante a execução.

Mais um agradecimento do Chrigel em português, notamos facilmente na felicidade dele ao agradecer e tocam a última música da noite, a espetacular e um dos grandes sucessos da banda “Inis Mona” do “Slania” de 2008, segundo disco da banda. Em seu começo, um ótimo coro realizado pelo público e ao longo dela, o Chrigel deixou os fãs cantarem os refrões por duas vezes ao sinal dele, formando outro belíssimo coro. Encerra a maravilhosa apresentação do ELUVEITIE, os integrantes ainda jogaram para o público, águas, palhetas, setlists, baquetas e por fim, um agradecimento final, saindo extremamente ovacionados e uma enorme felicidade, tanto deles quanto de quem presenciou a esse show. Realmente, foi uma belíssima noite no Carioca Club. Um repertório incrível e ótimas performances dos integrantes, ELUVEITIE realizou uma apresentação extraordinária e completamente cativante. Agora, esperamos o “Ategnatos” ser lançado e escutarmos com o maior prazer e claro, esperamos o retorno da banda ao país.

Setlist:

1. Ategnatos
2. King
3. Nil
4. Omnos
5. Lvgvs
6. Catvrix
7. Artio
8. Epona
9. Thousandfold
10. Quoth the Raven
11. The Call of the Mountains
12. A Rose for Epona
13. Kingdom Come Undone
14. Alesia
15. Drum Solo
16. Havoc
17. Tegernakô
18. Helvetios

Encore:

19. Rebirth
20. Inis Mona

Line-up:

Chrigel Glanzmann – Vocais, Flauta e Bandolim
Fabienne Erni – Vocais e Harpa
Nicole Ansperger – Violino e Vocais
Matteo Sisti – Gaita de Fole e Flauta
Rafael Salzmann – Guitarra
Jonas Wolf – Guitarra
Alain Ackermann – Bateria
Michalina Malisz – Hurdy Gurdy

Fotos: Leca Suzuki

Giancarlo Rossi

Giancarlo Rossi

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.
Giancarlo Rossi

Giancarlo Rossi

Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.