Dropkick Murphys @ Tropical Butantã – São Paulo/SP (28/10/2017)

Uma verdadeira festa realizada no dia 28 de outubro de 2017 no tropical butantã em São Paulo. Graças a apresentação carismática da excelente banda de celtic punk DROPKICK MURPHYS. Trazendo a turnê do mais recente álbum “11 Short Stories of Pain & Glory” lançado esse ano, o show foi repleto da mais pura diversão que uma banda é capaz de fazer para cativar os fãs.

Booze & Glory

A banda responsável pela abertura, foram os britânicos do Booze & Glory. Formada por quatro integrantes, Question Mark (vocal/guitarra), Liam The Lion (guitarra/vocal), Super Bubbles (baixo) e Frank Pelle (bateria), foi uma apresentação de aproximadamente uma hora e nesse tempo, fizeram um show extremamente divertido e empolgante.

Foi bem prazeroso de assistir a essa banda de Punk. Graças aos integrantes bem representativos e talentosos, souberam cativar o público e animá-los cada vez mais. Riffs bem elaborados e eletrizantes, um baixo bem destacado, bateria bem cadenciada e os bons vocais aplicados do Question Mark e Liam The Lion, onde dividiram essa tarefa em palco, foram alguns aspectos que aconteceram na performance da banda.

Excelente qualidade de som, iluminações boas e um público empolgado, foram outros bons aspectos que deixou a apresentação ainda mais agradável. Um repertório bem estabelecido, contando com músicas bem selecionadas e muito bem compostas, ganhando destaque nas: “Leave the Kids Alone”, “Back on Track”, “The Time Is Now”, “Violence and Fear”, “Carry On”, “Blood From A Stone” e “Only Fools Get Caught”.

Booze & Glory, sem dúvidas, fez uma apresentação bem respeitosa, empolgante e extremamente agradável. Divertiram o público com suas excelentes composições e total simpatia que tem a banda.

Dropkick Murphys

Como o Booze & Glory já tinha deixado a galera animada e entrado no ritmo, logo em seguida, o tropical ficou ainda mais animado com os americanos do DROPKICK MURPHYS.

Como eu já tinha falado, esse dia foi uma festa completa dedicada aos fãs da banda. O que o DROPKICK fez no palco, foi algo único e marcante a todos que tiveram a honra de participarem desse dia. A banda soube agradar o público do começo ao fim com suas perfeitas execuções de cada música executada. É inacreditável e impressionante as performances do DROPKICK ao vivo. Extremamente simpáticos e interativos com os fãs, foi uma daquelas apresentações para ficar na história e provar a grandiosa banda que eles são.

Com “The Foggy Dew” da Sinéad O’Connor sendo executada como tema de fundo e a galera empolgada e vibrante o tempo todo, a banda sobe ao palco ao som de “The Lonesome Boatman”, faixa de abertura do mais recente álbum “11 Short Stories of Pain & Glory” (2017). Foi lindo de ver o público cantando junto a música e formando um maravilhoso coro. A banda empolgada e se mostrando empenhada em fazer um incrível show, foi prosseguida com “The Boys Are Back”, com a galera formando um outro coro no seu refrão vibrante. “I Had a Hat” e “Rebels with a Cause” do mais recente álbum de 2017, vieram na sequência e como era a turnê desse disco, aproveitaram e executaram várias faixas dele.

As excelentes “Sunshine Highway” e “The Warrior’s Code” do “The Warrior’s Code” (2005), foram as próximas. Impressionante a dedicação e a capacidade do DROPKICK MURPHYS no palco. Extremamente talentosos e sabendo empolgar e cativar os fãs, estavam fazendo ótimos trabalhos em suas performances, seja pelos refrões totalmente marcantes, seja pelos riffs executados, pelos excelentes vocais, pelos excelentes sons da flauta, da gaita, enfim, até o momento, o show já estava extraordinário. Ele simplesmente deu continuidade com a magnífica “Johnny, I Hardly Knew Ya”. Que música maravilhosa é essa. Que refrão brilhante. E com todos cantando ao mesmo tempo, foi algo inesquecível de ser presenciado.

“Blood” do novo disco e “Prisoner’s Song” vieram em seguida. Depois, um cover foi executado, “I Fought the Law” da banda The Crickets. Ficou bem reconhecida também, pela regravação feita pela banda de Punk Rock The Clash. Canção clássica do Rock muito bem executada pelo DROPKICK. Em seguida, aconteceu alguma coisa com uma das pessoas que estava na pista e pra ser sincero, não sabia exatamente o que tinha acontecido, mas provavelmente, a pessoa, ou tinha passado mal ou tinha desmaiado. Enquanto isso, a banda tinha até interagido com esse acontecimento, perguntando se estava melhor, se podia continuar o show. Nesse tempo, executaram uma música cover que pelo jeito, não estava prevista para tocar. Executaram “You Can’t Put Your Arms Around a Memory” do Johnny Thunders, ex-membro da banda de Punk Rock New York Dolls. Porém, foi tocada só com os vocais e a guitarra acompanhando.

Quando souberam que a pessoa já tinha sido socorrida, eles conseguiram continuaram com “Famous for Nothing”, “First Class Loser”, “Citizen C.I.A.” e “God Willing”. Depois, fizeram um “medley” com quatro músicas do primeiro álbum de estúdio, “Do or Die” de 1998. As canções foram: “Barroom Hero”, “Do or Die”, “Never Alone” e “Boys on the Docks”. Mais um cover executado, dessa vez “You’ll Never Walk Alone” composta por Richard Rodgers e Oscar Hammerstein II. Uma linda canção que ficou famosa por entoar em vários clubes de futebol pelo mundo, onde é cantada pelos torcedores nos dias de jogos. O primeiro clube a adotar essa música, foi o Liverpool Football Club. Regravada pelo grupo Gerry & the Pacemakers, ela virou o hino do time e é sempre cantada por seus torcedores antes do início e ao final de cada jogo.

Continuando, duas excelentes músicas do “Signed and Sealed in Blood” foi executada: a empolgante “Out of Our Heads” e uma das melhores músicas da banda “Rose Tattoo”. Sem dúvidas, uma das melhores execuções da noite. Que canção linda, com seu lindo riff marcante, seu extraordinário refrão e por ela ser fascinante para dizer o mínimo. A rápida “Going Out in Style” veio em seguida e quando ouvimos as belíssimas primeiras notas do banjo, veio “I’m Shipping Up to Boston”, outra linda música, sendo uma das mais famosas da banda e claro, entra no ranking entre as melhores músicas já feitas por ela.

Na vez do “bis”, veio o cover “If the Kids Are United” da banda Sham 69, a excelente “The State of Massachusetts”, onde no final da música, vários fãs subiram no palco e ficaram ao lado da banda para interagirem e cantarem junto a música. E isso permaneceu até as duas últimas músicas do show, ou seja, durou até o final da apresentação. E as duas últimas músicas, foi a divertida “Until the Next Time”, uma das melhores músicas se não a melhor do novo disco, e encerraram o show com o cover “Halloween” da banda de Punk Misfits. Atitude como essa que aconteceu, é mais um ponto que mostrou a simpatia da banda com os fãs. Bem agradável e fizeram com que a galera se divertia o máximo possível. Isso me lembrou de duas apresentações que ocorreram nesse ano, das bandas Suicidal Tendencies e do Five Finger Death Punch. Que obteve o mesmo resultado e a mesma dedicação da banda aos fãs. Extremamente adorável e cativante.

Em aproximadamente 95 minutos de show, Al Barr, Tim Brennan, Ken Casey, Jeff DaRosa, Matt Kelly, James Lynch e Lee Forshner, souberam muito bem, mostrar seus magníficos talentos que possuem. Excelentes vocais, riffs marcantes, refrões atraentes, melodias cativantes realizadas não só pela guitarra, baixo, bateria ou nos vocais, como também, nos outros instrumentos que a banda utiliza. Como é o caso do arcodeão, do banjo, da gaita de fole e da flauta, que foram bem significativas nas composições específicas que necessitavam deles.

Pelo fato de possuírem um enorme talento, composições excepcionais e um excelente carisma, DROPKICK MURPHYS fez um dos shows mais eletrizantes e divertidos do ano. É a prova de que eles precisam retornar ao país novamente e fazerem infinitas apresentações tão divertidas como foi essa. Extremamente divertido e inesquecível.

Setlist:

1. The Lonesome Boatman
2. The Boys Are Back
3. I Had a Hat
4. Rebels with a Cause
5. Sunshine Highway
6. The Warrior’s Code
7. Johnny, I Hardly Knew Ya
8. Blood
9. Prisoner’s Song
10. I Fought the Law (The Crickets cover)
11. You Can’t Put Your Arms Around a Memory (Johnny Thunders cover)
12. Famous for Nothing
13. First Class Loser
14. Citizen C.I.A.
15. God Willing
16. Barroom Hero / Do or Die / Never Alone / Boys on the Docks
17. You’ll Never Walk Alone (Rodgers & Hammerstein cover)
18. Out of Our Heads
19. Rose Tattoo
20. Going Out in Style
21. I’m Shipping Up to Boston

Encore:

22. If the Kids Are United (Sham 69 cover)
23. The State of Massachusetts
24. Until the Next Time
25. Halloween (Misfits cover)

Line-up:

Al Barr – Vocal
Tim Brennan – Guitarra e Acordeão
Ken Casey – Baixo e Vocal
Jeff DaRosa – Guitarra, Violão e Banjo
Matt Kelly – Bateria
James Lynch – Guitarra
Lee Forshner – Gaita de Fole

Giancarlo Rossi

Cursando Rádio e TV, apaixonado por música e cinema.