Corrosion of Conformity @ Vic Club – São Paulo/SP (12/05/2018)

CORROSION OF CONFORMITY, uma das bandas mais influentes do Crossover Thrash, passou pelo Brasil em duas apresentações, uma em São Paulo (o qual eu estive presente) e a outra no Rio de Janeiro. Realizado na Vic Club, a banda está promovendo seu atual disco, o elogiado, “No Cross No Crown”, lançado no começo do ano. Em seu repertório, não conteve somente músicas desse álbum, como também, seus grandes clássicos potentes e marcantes. Nessa vinda pelo Brasil, o baterista Reed Mullin, infelizmente, não pode comparecer aos shows. Sendo assim, o substituto dele foi o John Green. E mesmo assim, o batera não nos decepcionou e realizou uma grande performance na noite. Simplesmente, ele destruiu e nos surpreendeu. Antes do CORROSION OF CONFORMITY subir em palco, duas bandas brasileiras, ficaram encarregadas em realizar as aberturas: Uganga e Axes Connection.

Axes Connection

A primeira banda da noite, foi o Axes Connection. Formado por Márcio Machado (vocais), Marcos Machado (guitarra), Cristiano Hulk (bateria) e Magoo Wise (baixo), a banda fez seu primeiro lançamento no ano passado com “A Glimpse Of Illumination” e com isso, nos apresentou um pouco do repertório do disco. Ao todo, foram 6 músicas executadas, sendo, as cinco primeiras faixas do álbum: “The Meaning of Evil”, “Rearrange Yourself”, “Wisdom Is The Key”, “Use The Reason” e “Prepare Your Soul”, essa última, uma homenagem ao irmão de Márcio e Marcos, Vitor Machado. A saideira ficou com o cover da clássica banda de Hard Rock, The Cult, com “She Sells Sanctuary”. Com uma pegada heavy metal, Axes Connection, realizou uma apresentação de aproximadamente 30 minutos. Infelizmente, a Vic Club ainda estava fazia, o que foi uma pena, porquê, foi um show bastante interessante, onde a banda mostrou seu grande potencial em uma apresentação bem empolgante e agradável.

Setlist:

1. The Meaning of Evil
2. Rearrange Yourself
3. Wisdom Is The Key
4. Use The Reason
5. Prepare Your Soul (homenagem ao irmão Vitor Machado)
6. She Sells Sanctuary (The Cult Cover)

Line-up:

Márcio Machado – Vocais
Marcos Machado – Guitarra
Cristiano Hulk – Bateria
Magoo Wise – Baixo

Fotos: Suzy dos Santos

Uganga

A segunda banda da noite, foram os mineiros do Uganga. Formado por seis integrantes, Manu Joker (vocais), Christian Franco (guitarra), Raphael “Ras” Franco (baixo), Marco Henriques (bateria), Thiago Soraggi (guitarra) e Murcego (guitarra), Uganga iniciou a apresentação com três músicas do seu álbum, “Opressor”: “Guerra”, “Nas Entranhas do Sol” e “O Campo”. Executaram “Troops of Doom”, da clássica banda Sepultura, emendando com pequenos trechos dos riffs poderosos de “Nightmare” do Sarcófago. “Aos Pés da Grande Árvore” foi a próxima e depois, tocaram uma música nova, “Fim de Festa”, que sairá no próximo lançamento da banda. E por último, finalizaram com “Fronteiras da Tolerância” do “Vol.3: Caos Carma Conceito” de 2009. Um thrash metal de qualidade, muita porrada e ótimas composições, Uganga, em aproximadamente 35 minutos, nos cativou em uma apresentação insana e respeitosa.

Setlist:

1. Guerra
2. Nas Entranhas do Sol
3. O Campo
4. Troops of Doom/Nightmare (Sepultura Cover) (Sarcófago)
5. Aos Pés da Grande Árvore
6. Fim de Festa 
7. Fronteiras da Tolerância

Line-up:

Manu Joker – Vocais
Christian Franco – Guitarra
Raphael “Ras” Franco – Baixo
Marco Henriques – Bateria
Thiago Soraggi – Guitarra
Murcego – Guitarra

Fotos: Suzy dos Santos

Corrosion of Conformity

Com a Vic Club cheio e já com os preparativos para começar a apresentação do CORROSION OF CONFORMITY, os primeiros a darem as caras, foi o baterista John Green e o baixista Mike Dean, já iniciando com a instrumental “Bottom Feeder (El que come abajo)”. Dentro de alguns minutos, foi a vez do guitarrista Woody Weatherman e do vocalista e guitarrista Pepper Keenan, subirem em palco e continuarem o som. Um ótimo aquecimento para vir e mandarem “The Luddite”, do mais recente álbum “No Cross No Crown”. E por se tratar do CORROSION OF CONFORMITY, os riffs pesados de guitarra, os vocais do Pepper, a bateria agressiva, o baixo fazendo a sua parte e um refrão marcante, já se notava na performance da banda. Super empenhada e com seus poderosos talentos em palco, foi uma excelente execução. Partindo para o disco, “Deliverance”, de 1994, veio duas excelentes composições dele: a poderosa “Broken Man” e “Senor Limpio”, com destaque ao seu forte refrão. Depois de alguns gritos de “COC”, “COC”, “COC”…, o Pepper interagiu um pouco com a galera, perguntando se estão bem e dizendo que a próxima música é do álbum “Wiseblood” e veio “Long Whip/Big America”. Continuando no mesmo disco, a faixa-título dele, foi a próxima a ser tocada.

Vale destacar o substituto do Reed, John Green, onde cada música, ele se sobressaia pela sua potência e ao mesmo tempo, uma enorme dedicação por realizar esse show. Ótimas harmonias com várias cadenciadas agressivas e intensas, a presença dele era totalmente satisfatória. Prosseguindo, “Who’s Got the Fire”, do excelente “America’s Volume Dealer”, de 2000, foi de se admirar com a galera cantando os refrões juntos. A ótima “Seven Days”, foi uma aula de como fazer um metal de qualidade. “Paranoid Opioid” do “In the Arms of God” de 2005, é uma potência sonora bem atraente e ao mesmo tempo, vigorosa. “13 Angels” vem numa pegada mais lenta, porém, com um certo peso e intensidade em sua composição. Destaque ao seu riff fascinante, ao solo de guitarra e ao andamento estabelecido. A sonoridade brutal, voltou com “Vote With a Bullet”. Extremamente potente e com os desempenhos perfeitos de cada integrante, que inclusive, o quarteto estavam nos impressionando a cada instante da apresentação, é uma composição fascinante. Voltando para o “No Cross No Crown”, com a agitada “Wolf Named Crow”.

Um dos maiores hits da banda, “Albatross”, foi executada. Bastante marcante pelos seus riffs de guitarra, um ritmo pesado e bem característico, ótimos solos de guitarra, a bateria cada vez mais potente, vocais excepcionais e com os fãs cantando juntos as estrofes e os refrões da música, foi um momento bem empolgante e de um imenso prazer. Quando finalizaram o som, foi a vez do “bis” e com muitas vibrações pelo público, eles executaram mais uma e foi a última da noite, o clássico indiscutível, “Clean My Wounds”, que deixou a galera super animada e contagiante. Na execução da canção, obteve certas adaptações, improvisações e estenderam a música, onde cada integrante deu um show, com ótimas melodias da guitarra e do baixo, a bateria fazendo seus grandes trabalhos, um ritmo agradável, e além de tudo isso, obteve também algumas interações com os fãs durante a música sendo tocada. E ao final dela, o Pepper apresentou a banda toda, saindo todos bastante ovacionados pelo público, o que já era esperado, pelas grandes realizações e pelas grandes habilidades e performances que realizaram nessa noite. Mostrando as suas grandes técnicas apuradas e totalmente apreciáveis, CORROSION OF CONFORMITY, nos alegrou em uma grande apresentação em São Paulo. Talento é o que define esse quarteto super dedicado e carismático.

Setlist:

1. Bottom Feeder (El que come abajo)
2. The Luddite
3. Broken Man
4. Senor Limpio
5. Long Whip/Big America
6. Wiseblood
7. Who’s Got the Fire
8. Seven Days
9. Paranoid Opioid
10. 13 Angels
11. Vote With a Bullet
12. Wolf Named Crow
13. Albatross

Encore:

14. Clean My Wounds

Line-up:

Pepper Keenan – Vocal e Guitarra
Woody Weatherman – Guitarra
Mike Dean – Baixo
John Green – Bateria

Giancarlo Rossi

Editor-Chefe em Imprensa do Rock
Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.
Giancarlo Rossi
Avatar

Giancarlo Rossi

Cursando Rádio e TV. Escuta todas as vertentes do Rock e do Metal. E Adora Cinema.