Circus Maximus estréia em São Paulo agitando o Hangar 110

circus-maximus-do-face

Fonte foto: facebook oficial do Circus Maximus

Em meio a propaganda eleitoral gratuita, políticos dizendo o mesmo blá blá blá de sempre, guerra em

Brasília e população dividida entre impeachments históricos, São Paulo cede o palco para os noruegueses do Circus Maximus.

Esses descendentes dos vikings desembarcaram pela primeira vez no país, finalizando sua tour mundial, no Hangar 110 nesse último sábado (17/09/2016). Michael Eriksen – Vocal,  Mats Haugen – Guitarra,  Glen Møllen – Baixo, Truls Haugen – Bateria  e Lasse Finbråten – Teclados, agitaram e fizeram a galera pular no Hangar.

A casa estava bem cheia, as portas abriram as 19. Somente as 21:15 os avisos começaram a passar no telão, dando as instruções usuais. O público estava comedido por hora, nada de muita agitação. O som de abertura pairou no ar, as cortinas se abrem e no palco Truls e Lasse já estão em suas posições. Logo entrem ao palco Glen e Mats, claro finalizando com o grande Michael. Vou confessar: o palco estava muito pequeno para esses gigantes.

Eles abrem com a sequência: “Namaste”, onde Truls mostra seu vocal gutural super afiado, “A Darkened Mind” e “Sinc”. O show todo Michael foi um belo frontman, ele levou uma “cola” com algumas palavras em português – repetindo-as durante o espetáculo, com uma pronuncia razoável para um norueguês! Mas particularmente acho muito simpático quando eles tentam aprender umas frases e falam com a gente. A frase era: Vocês querem mais uma música?

A galera curtiu muito o show todo, Michael sempre pedia palmas, pedia para pularem, para cantarem junto o refrão, e foi prontamente atendido. Muito perseptivo foi a conexão que eles tem no palco, um soncronismo ímpar. Foram muito simpáticos e sorridentes, transparecendo a alegria de tocarem e que fazem aquilo com amor e paixão.

A qualidade do som estava boa, alguns problemas técnicos com a guitarra e a bateria apareceram, mas os roadies deram conta rapidinho. Em um certo momento no show, um fã disse ao Michael que a guitarra estava baixa, e ele pediu para a pessoa ir para o lado da guitarra porque onde ele estava era o baixo, com muita simpatia.

O tempo todo Glen e Mats atiravam palhetas para o público. Reparei que Glen sempre iniciava as músicas usando palheta, mas logo se livrava delas e tacava os dedos nas cordas.

Foi um show intenso, cheio de momentos de puro metal, e nuances mais calmas e psicodélicas, um equilibrio que essa turma combina muito bem. Os duetos entre a guitarra e o teclado forma impecáveis, os vocais do Michael estavam perfeitamente afinados e combinados ao clima. Muitos sons rolaram, de todos os álbuns.

Mas nas últimas três músicas, a galera se agitou muito, pularam bastante, Micheal que vinha agradecendo o público pelo carinho disse: “Vocês são loucos, o circus maximus adora gente louca!”

No final, Michael anuncia que irá descer para conhecer todos, já que era o último dia da turnê, imagina esses fãs nesse momento? Pois é. Depois de jogarem as palhetas, baquetas, distribuirem set lists, tirarem fotos e tudo mais, eles vieram para a galera e tiraram mais fotos, foram muito tietados, deram muitos autografos e realmente festejaram com seus fãs o fim de sua turnê, e pela primeira vez em solos brasileiros.

E que essa seja a primeira de muitas! Um belíssimo show sonoricamente e de humildade!

Parabéns e obrigada!

Set list:

Intro: Planet of the Apes: Opening Titles/ Forging

  1. Namaste
  2. A Darkened Mind
  3. Sin
  4. Havoc
  5. Glory of The Empire

(Intro of “The 1st Chapter)

  1. Arrival of Love
  2. Highest Bitter
  3. Architect of Fortune
  4. Abyss
  • Alive
  • Ultimate Sacrifice
  • The One
  • I Am

Encore:

  • Chivalry
  • Game of Life