Capa Preta Rock – Procura um (a) Vocalista

Capa Preta Rock – Procura um (a) Vocalista

 

 

A Capa Preta Rock que iniciou sua trajetória no final de 2015 e começa 2020 apostando nessa nova década, na renovação e interação digital.

Já passaram quatros vocalistas pela banda e todos deixaram algum registro, a não ser o Joey primeiro vocalista apenas em acervos de fotos, vídeos de ensaio e talvez um único show realizado no Porão do Kaos bem no início de tudo. Teve o Renato que gravou o primeiro álbum Antes de Tudo Acabar, o “Mineiro” Luiz Augusto Lange, que criou o projeto Neon e hoje comanda a banda Timore deixou seus registros agudos gravados no Álbum Nada Que Não Possa Piorar e o “Matuzza” Matusalém Ferreira deixou o seu legado no single Gatos Pretos, que é o trabalho mais recente dos Capa Pretorianos.

A banda publicou em sua página oficial no Facebook Capa Preta Rock uma vaga para vocalista com o seguinte texto:

“Procura-se um (a) vocalista que tenha a fagulha a chama do Rock’ and Roll. Que seja comprometido (a) com os dias e horários de ensaio, que goste de rock dos anos 80, Legião, Aborto Elétrico, Capital inicial, Titãs, também goste de improvisar em versões de músicas populares e de fazer releituras. Procuramos alguém com identidade que queira deixar sua marca na cena.

Que goste de música autoral também!

Que seja extrovertido (a) e comunicativo (a) que, goste de se comunicar coma plateia.

Preferencialmente seja de Caxias ou Região.

Que tenha ao menos 1 dia na semana para ensaios regulares e em alguns casos específicos como preparação para shows e/ou gravações ter dois dias semanais para esta no estúdio.

Resumindo comprometimento com o projeto.

É preciso saber trabalhar em grupo, ter boa convivência, lidar com diferenças e gostos pessoais divergentes, saber lidar com a pressão e até mesmo pequenos conflitos, relacionados a controvérsias de idéias e/ou conflitos pessoais.

Lidar com metas e objetivos a serem compridos.

Ter atitude, mente aberta, não ter medo da opinião alheia, saber lidar com críticas. ”

O Primeiro projeto de 2020 é registrar todas as audições ensaios com as pessoas dispostas a cantar na banda para duas finalidades a primeira é entregar ao público da banda a chance de dizer qual o cantor ou cantora eles gostariam que fique na banda.

E o segundo objetivo é documentar mesmo para mostrar todo o processo quase como um Big Brother para que seja possível a galera ver como funciona o processo de testes e decisões.

A Capa Preta sempre foi uma banda que apostou em inovação criatividade sempre se mostrou pensar diferente por não seria assim na nova década.

 

Falamos com Tchaina Baixista e produtor da banda que disse o seguinte:

“2019; foi foda perdi meu pai, o Dani também teve um percalço, uma perda que não consigo nem imagina a dor que causaria em mim. Paramos na metade do ano no meio da divulgação do Single “Gatos Pretos” e paramos o planejamento do novo álbum é realmente paramos foi preciso nos dar um tempo processar a dor assimilar as perdas e no finalzinho do ano retomamos a conversa fizemos uma participação bem breve como banda de apoio do Max Madrassi, foi muito rápido mas deu para fazer o registro de um clipe em breve vamos liberar. Sobre isso foi uma pena não ter dado certo.

Eu o Dani e André formamos uma família única e a música é nossa convivência é nosso meio de comunicação, e quanto ao nosso público, são nossos amigos eles são parte da família tem que participar desse momento tão importante que é a escolha de um novo irmão ou irmã e nos ajudar a receber com todo carinho que merece. ” Diz Tchaina

Avatar
Nós da Rede
Avatar

Anderson Severo

Comecei a ouvir Rock N' Roll desde minhas primeiras lembranças conscientes, desde muito cedo. Isso deve ter sido lá por 1985. Começando de cara pela minha primeira lembrança Sonora e Estética é foi e sempre será Raul Seixa, claro que com o amadurecimento e expansão da consciência, as novas lembranças são Ramones, LED Zepellin, The Doors; Conheci também já pré adolescente AC/DC, Legião Urbana, Rolling Stones e Creedence. Ainda adolescente conheci pessoas atuantes na cena local, fui trabalhar como roadie de uma banda chamada orgasmo. Até que quis montar minha própria banda. No decorrer da caminhada passei por projetos como: 2000 - Resistência Aflita 2004 - Kaos Eminente 2006 - Estado Crítico 2014 - Insulto Verbal 2015 - Atualmente faço parte dos Projetos Capa Preta e Exclusão Social. Atuo promovendo eventos, lançando e distribuindo fonogramas, divulgando bandas eventos. Sou Adepto a filosofia Punk e ouço muito Hard Core, Cólera, Ratos de Porão entre outras.