Bittencourt Project @ Sesc Belenzinho – São Paulo/SP (15/10/2017)

O excelente projeto paralelo do guitarrista Rafael Bittencourt (fundador da banda Angra), fez uma apresentação no teatro do Sesc Belenzinho em São Paulo dia 15 de outubro. Com um show praticamente lotado e cada um nos seus respectivos assentos, o Rafael com sua banda em palco, fez um espetáculo totalmente prazeroso e extremamente agradável para os fãs de música de boa qualidade.

Com muitas ideias consideradas “especiais” pelo Rafael Bittencourt e composições que não se adaptam ao padrão de sua banda principal, em 2008, com a ajuda de alguns companheiros músicos, veio a oportunidade de gravar estas músicas e assim veio o primeiro álbum do grupo, “Brainworms I” (2008), onde mostra um lado mais autobiográfico do Rafael, de maneira mais livre e sem as molduras do power metal melódico e sinfônico do Angra. Com isso, Rafael funde com originalidade as diferentes vertentes do rock com a música brasileira, música clássica e outros estilos, trazendo para o público elementos do erudito.

Vale destacar também o local que foi realizado o show. O teatro do Sesc Belenzinho é muito admirável quando fazem os shows. Boa qualidade de som e uma boa iluminação que possui, as apresentações ficam de excelente qualidade e super confortáveis para o público.

Iniciando a apresentação com uma breve intro a base de violão e alguns bons agudos do Rafael nos vocais, para entrar a linda “Santa Tereza”. Com ela, já notamos no ótimo desempenho nos vocais do Rafael, bem precisos numa boa tonalidade. Destaque para o grande desempenho das ótimas melodias do violino nessa canção, simplesmente encantadora e bem realizada. A pesada “Dedicate My Soul” veio em seguida, primeira música do primeiro e único álbum “Brainworms I” (2008). Ganhando destaque na sua intro poderosa feita pelos teclados, complementando com riffs pesados na guitarra. Excelente música bem executada e empolgante.

Prosseguindo, veio “Holding Back the Fire”. Talvez, uma das melhores do álbum, se não a melhor. Bem atraente e fascinante em sua composição, com o Rafael mandando muito bem nos vocais e na guitarra e já devo falar dos integrantes da banda. Nesse tempo, já percebemos nos grandes talentos e dedicações por cada um deles no palco. Bem animados e empolgados na apresentação, estavam fazendo ótimos trabalhos de se admirar por qualquer um. Dois integrantes já bem conhecidos por todos é o baterista Bruno Valverde, integrante da banda Angra e o violinista Amon Lima, integrante do grupo brasileiro Família Lima.

Continuando, veio “Torment of Fate”. Num ritmo mais pesado e ganhando destaque nos ótimos riffs bem realizados, um refrão poderoso, a bateria intensa e bem harmoniosa, e claro, o Bittencourt mandando muito bem nos vocais bem capacitados, hora numa tonalidade grave, hora numa tonalidade aguda. Depois, a banda resolveu tocar por alguns segundos, o famoso tema do desenho “A Pantera Cor-de-Rosa”, para depois o Rafael anunciar a música seguinte, “The Underworld”.

“Faded” foi a próxima, ganhando destaque nas harmonias bem realizadas pelo violão e pelo violino. Depois de alguns agradecimentos do Rafael para as pessoas que estavam ajudando nesse show, veio “Nightfly”. Como eu já tinha falado e preciso ressaltar de novo, é nos desempenhos dos integrantes da banda, eles estavam se divertindo a toda hora e com isso, notamos na felicidade deles em se apresentar com o Rafael e por estarem fazendo aquela apresentação no Sesc. Nitidamente, notamos a empolgação elevada do percussionista Wellington Sancho, bem representativo e fazendo ótimos trabalhos no show. Depois que a música foi finalizada, o Rafael interagiu com o público falando sobre o conceito dessa canção, dizendo que é uma música bem pessoal por se tratar de uma casa em que ele ia quando era criança e que na verdade era do avô dele. Uma canção que traz boas memórias da infância do Rafael.

Depois do Rafael apresentar a banda para o público e serem bem recepcionados por todos eles com altas ovacionadas, veio a música “Out of This World”, cover do Angra. Por mais que essa canção é da banda Angra, ela é composta pelo Rafael Bittencourt e é a primeira música da história do Angra, em que ele faz a sua estreia nos vocais. Ótima canção bem realizada pelo projeto e que rendeu altos aplausos pela galera. Chegando para o final do show, falou que a próxima seria a última do show e executaram a empolgante “Nacib Véio”, uma das canções mais divertidas do “Brainworms I” e uma das únicas do álbum cantada em português.

Depois de algumas insistências do público, a banda fez o seu famoso “bis” e com o Rafael fazendo uma referência para a música que executaria em seguida, falando que estava com fome e queria comer uma melancia, obviamente, executaram a instrumental “Comendo Melancia”. Novamente, o público querendo mais, o Rafael disse que tocariam mais uma, mas antes, ele anunciou que em fevereiro de 2018, o Angra vai lançar um disco novo e que esse trabalho, ele espera ser memorável pela grande dedicação que ele e o Angra colocaram nesse álbum. Aproveitando, ele anunciou o Angra Fest, primeiro festival do Angra que acontecerá em novembro desse ano. A ideia, segundo ele, é trazer bandas de ex-membros que estavam ligados diretamente ou indiretamente ao Angra, e também para agregar e juntar, essas bandas que fazem parte do metal nacional. Por esse motivo e por essa grande notícia do Rafael ao público, tem a previsão de que será um magnífico festival imperdível para qualquer fã de Angra. Para encerrar o espetáculo, veio “O Pastor”, cover da banda Madredeus. Excelente canção cantada em português e outra que entra ao ranking entre as melhores do “Brainworms I”.

Merece citar os integrantes do projeto, completamente admiráveis pelas suas performances em palco e por serem extremamente talentosos. Primeiramente, o líder do projeto, Rafael Bittencourt, exercendo os seus excelentes vocais nas composições, seja os mais graves, os limpos ou até os mais agudos, ele possui uma excelente voz. E seu talento na guitarra é outro aspecto de enorme consideração. Realizando ótimos riffs empolgantes e solos cada vez melhores.

O violinista Amon Lima foi extremamente representativo em cada composição realizada. Ótimas melodias em cada canção, deixou a apresentação mais energética e mais agradável. O baterista Bruno Valverde, já tínhamos até uma noção do que esperar dele, arrebentou em cima do palco. Ritmos bem cadenciados e harmoniosos, novamente, ele mostrou o seu talento que tem no instrumento. O excelente baixista Fernando Nunes fez ótimos desempenhos em cada música tocada. Notava a todo instante, as suas harmonias graves e pesadas. O tecladista Nei Medeiros bem capacitado e realizando excelentes melodias e harmonias cada vez mais elogiáveis. Como de costume, efeitos bem equalizados por ele, foram bem executados e apreciáveis. E o percussionista Wellington Sancho super animado e se divertindo o tempo todo. Extremo talento e dedicação ao show, fez uma performance considerável e satisfatória.

Com aproximadamente uma hora e quinze minutos de apresentação, foi um excelente show para ser presenciado. Grandes composições e uma banda extremamente talentosa e carismática, foi completamente admirável e de extremo prazer em assistir a uma apresentação como foi essa. Agora, é esperar mais trabalhos desse talentoso projeto e que com certeza, agradarão os fãs como agradou o seu primeiro.

Setlist:

1. Santa Tereza
2. Dedicate My Soul
3. Holding Back the Fire
4. Torment of Fate
5. The Underworld
6. Faded
7. Nightfly
8. Out of This World (cover do Angra)
9. Nacib Véio

Bis:

10. Comendo Melancia
11. O Pastor

Line-up:

Rafael Bittencourt – Guitarra e Vocal
Fernando Nunes – Baixo
Amon Lima – Violino
Bruno Valverde – Bateria
Nei Medeiros – Teclado
Wellington Sancho – Percussão

giancarlo

giancarlo

Redator em Imprensa do Rock
Cursando Rádio e TV, apaixonado por música e cinema.
giancarlo