Apocalyptica@Tropical Butantã – São Paulo/SP (26.11.2017)

Em pleno domingão, São Paulo recebe os violoncelistas mais metaleiros do mundo, os finlandeses da banda Apocalyptica. Foi um show sensacional, o brilhantismo desse quarteto reunido para essa tour, é realmente ímpar.

 

O grupo foi criado em 1993 e, inicialmente, fazia somente covers de Metallica. Com o tempo e fama, a banda começou a desenvolver o seu próprio estilo. Retornaram para São Paulo, agora com a turnê “Plays Metallica by Four Cellos”, que comemora 20 anos de lançamento do álbum, com somente Metallica no setlist. Antero Manninen, um dos fundadores da banda, retornou para o Apocalyptica para compor o quarteto de Cellos para as apresentações, mas não faz mais parte de banda.

O último álbum não teve shows pelo País – “Shadowmaker” (2015). Esse álbum conta com a participação do vocalista Frank Perez, que não estava presente nessa sequência de shows.

Vamos ao show:

O Tropical estava bem cheio. A banda subiu ao palco com a poderosa “Enter Sandman” – um a um eles foram aparecendo – Pertu, o Mais novo da turma, Paavo, Eicca e Antero.

Os quatro cellistas no palco com seus instrumentos reluzindo e ofuscando as vistas dos sedentos fãs. Nem preciso, mas vou dizer, eles possuem uma metodologia única para tocar metal no cello, com seus arcos negros e suas distorções ligadas no cello acústico, o que caracteriza o som desses caras em qualquer lugar do planeta. Eicca e sua trupe estudaram desde muito novos o instrumento, e sabemos que na Finlândia a música clássica faz parte do curriculum escolar. Eicca também toca bateria, na banda “Cherry with The Vipers”  – onde a frontman é sua esposa. Talento não falta.

A turnê anunciou a celebração do lançamento do primeiro álbum da banda “Plays Metallica By four Cellos”, e eles tocaram o álbum na íntegra, com umas pitadas a mais. Esse álbum ficou marcado por trazer os grandes clássicos do Metallica, em versões nos instrumentos inusitados para o metal, tais como: “Master of Puppets”, “Harvester of Sorrow” e “Sad but True”.

O show teve início com a famigerada “Enter Sandman”, a galera incandescida gritava a letra da música junto com os instrumentos, e isso se repetiu pelo show todo.

Seguem com set esbanjando harmonia sonora e interpessoal no palco. Antero, que voltou para a banda somente para essa tour (ele fez parte do álbum em questão, juntamente com Max Lilja, que agora faz tour com a Tarja Turunen), tomou uma postura muito dele no palco, o tempo todo tocando e sentado quieto em seu canto.

Perttu, o mais novo cellista a entrar para o time, fez um show á parte, como sempre. Tocando deitado com o cello, segurando o instrumento como se fosse uma guitarra, fazendo graça com seus parças Paavo e Eicca. Até mordeu o instrumento em um ataque de fúria. O povo curtiu muito os gracejos do rapaz.

Eicca é o cabeça por trás da ideia de tocar metal com o cello (curiosidade: ele toca bateria em outra banda com sua esposa – Cherry & the Vipers). A banda agora até tem vocalista, mas ele toma a frente, se mostrando um frontman exemplar, interagindo com a galera, pedindo para cantarem junto, vai ao microfone várias vezes agradecer a turma e agitar o show.

O grande destaque da segunda parte do show, ficou por conta de Sr. Mikko e sua bateria cheia de efeitos diferenciados. Em alguns momentos, ele chegou a tocar de pé, para poder alcançar algumas curiosas caixas diferentes, que produziam aqueles sons de cinema, sabem?

Eicca que não é o vocalista se mostrou um frontman único e interagia com todos os músicos de sua banda de forma impar. Já Paavo, era o animador de plateia que clamava palmas e cantorias do público a todo momento, e Perttu era o showman da noite, que aproveitou todos os momentos para divertir os presentes e fazer uma espécie de stand-up entre as canções e, em algumas canções, chegou até mesmo tocar seu instrumento deitado no chão, mostrando versatilidade e esbanjando técnica. O centrado e sério Antero não falou com o público, em contrapartida foi o único cellista que não parou nem um momento e enquanto os outros 3 tocavam, brincavam e ‘bangueavam’, Antero nitidamente tocou boa parte da base de todas as canções executadas nesta noite.

Antes de se retirar do palco para o costumeiro bis, a banda decidiu presentear o público paulistano e saiu do protocolo, ao executar “Refuse/Resist” – música gravada pelo quarteto em 1998 e lançada no álbum “Inquisition Symphony” – do Sepultura, realmente animando os brasileiros que nitidamente amam o grupo liderado por Andreas Kisser.

Em seu retorno, as belas “Nothing Else Matters” e “One” foram ás ultimas músicas tocadas e tiveram o acompanhamento dos fãs cantando as canções, acompanhando o instrumental da banda. Com a promessa de voltarem mais breve do que pensamos, provavelmente para divulgar o álbum “Shadowmaker”, o quinteto se retirou do palco após muitas palmas neste excelente show produzido e realizado pela Radio Corsário.

 

Line up da tour:

Eicca Toppinen

Paavo Lötjönen

Perttu Kivilaakso

Antero Manninen

Mikko Sirén

 

Set List – Apocalyptica – Tropical Butantã

  1. Enter Sandman
  2. Master of Puppets
  3. Harvester of Sorrow
  4. The Unforgiven
  5. Sad but True
  6. Creeping Death
  7. Wherever I May Roam
  8. Welcome Home (Sanitarium)
  9. Fade to Black (second set with drums by Mikko Sirén from here onwards)
  10. For Whom the Bell Tolls
  11. Fight Fire With Fire
  12. Until It Sleeps
  13. Orion
  14. Escape
  15. Battery
  16. Seek & Destroy + Refuse/Resist (Sepultura cover)

Encore:

  1. Nothing Else Matters
  2. One
Paula Alecio
Paula Alecio

Paula Alecio

Sou bióloga de profissão e metaleira de coração e alma. Adoro sempre conhecer novas vertentes no rock e no metal, ir aos shows alimenta minha alma sedenta de heavy metal, e me faz sentir viva. Por isso mantenho o site no ar, para ajudar nossas bandas a irem mais longe! Estamos juntos nessa estrada conflituosa e cheia de vicissitudes.